A Música é a Arma

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

A MÚSICA É A ARMA

A África de Fela Kuti na sala de aula

São Paulo

Outubro

2014

Arthur Major de Sousa – NºUSP 7618377

Sequência didática apresentada à Profª Drª Antonia Terra para o curso de Ensino de História: teoria e prática.

 

A MÚSICA É A ARMA

A África de Fela Kuti na sala de aula

 

 

 

FELA - Você vê o que es acontecendo na Nigéria? Eu preciso cantar sobre essas coisas! É preciso cantar com clareza para que o povo entenda.

(trecho do documentário “Musique au poing”. Direção: Jean-jaques Flori, Stéphane Tchal-gadjieff. França, 1982)

 

 

Eles dizem que você é um homem da colônia

 

Você foi um escravo antes

 

Eles agora te libertaram

 

Mas você nunca se liberta

(Trecho da faixa “Colonial Mentality” do disco Sorrow, Tears and Blood, 1977)

 

 

 

Os Dois Lados de Uma Realidade

Sequência Didática

OS DOIS LADOS DE UMA REALIDADE

Marcela D’Elia

 

 

Introdução

O tema desenvolvido nesta sequência didática será o paralelo entre as realidades nazistas e judaicas, durante a Segunda Guerra Mundial, na Europa. Para isso, trataremos de relatos escritos – hoje, transformados em literatura – fotos, documentários e, por fim, charges que expressam as  realidades vividas por  nazistas, dentro de sua ideologia; e judaica, que, por sua vez, sofre as consequências desta ideário. Poderíamos fazer o paralelo entre nazismo e judeus dentro de cada estratégia didática. Mas optamos por fazer diferente: vamos inserir os alunos na ideologia nazista em todas as esferas e, uma vez que eles estiverem bem inseridos nesta realidade, vamos apresentá-los às consequências que este regime totalitarista causou na população judaica. Para isso, trabalharemos com as mesmas estratégias didáticas, mas, desta vez, apresentando a versão dos judeus. A intenção com isso é causar um maior impacto nos alunos entre a ideologia nazista e judia, uma vez que eles teriam o contato ao longo de duas aulas somente com o nazismo para, somente depois, ter o choque de uma realidade paralela e totalmente distinta – também em duas aulas. A última aula será uma proposta de atividade prática para os alunos levando em consideração os conteúdos que foram aprendidos ao longo das quatro primeiras aulas. A intenção desta atividade é dar autonomia para os alunos ao mesmo tempo que estimula seu senso crítico e análise iconográfica – usaremos charges nesta aula. Sendo assim, esta sequência didática terá no total cinco aulas.

O avesso da Metrópole: Espacialidade e resistência das classes populares na Várzea do Carmo

Aluno (a): Maíra Carvalho de Moraes
Docente responsável: Antônia Terra

Disciplina USP: Uma História para a cidade de São Paulo: Desafios pedagógicos
 

 

 

     Objetivo

 

     O presente projeto didático pretende oferecer aos docentes uma nova possibilidade para o ensino de História de São Paulo. Apesar do grande número de trabalhos e pesquisas sobre a transformação espacial, econômica, política e social da cidade, infelizmente, no ambiente escolar, são pouco divulgadas as produções acadêmicas que estudam as classes populares. De maneira geral, livros didáticos promovem uma história de São Paulo, de fins do século XIX e início do XX, baseada na transformação da cidade provinciana em metrópole através da ação do capital. Focando apenas na ação da elite cafeeira. Nesse espaço de tempo ocorrem as remodelações do espaço físico da cidade a fim de que a cidade ingresse no eixo das cidades modernas e civilizadas, tendo como modelo as cidades européias como Paris, por exemplo.