A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Sequência Didática: A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história
Disciplina de Ensino de História Profa. Antonia Terra Calazans Fernandes Caroline Passarini Sousa NºUSP: 8030951 São Paulo 2015
Sequência Didática – Ensino de História

 

 

  •  Tema: História das Mulheres Negras

 

  •  Objetivo: Fazer com que os alunos tomem conhecimento da história de uma parcela significativa da população brasileira (as mulheres negras), compreendendo que estas construíram e constroem cotidianamente nossa história, ainda que os livros didáticos e a sociedade, de um modo geral, acabem silenciando suas vozes.

 

  • Justificativa: Procuramos nessa sequência didática dar voz a personagens em muito negligenciados pela história, como é o caso das mulheres negras brasileiras. Pretendemos, portanto, preencher uma lacuna na formação dos estudantes brasileiros, propomos uma “outra história” daquela comumente contada por nossos livros didáticos enfatizando o papel fundamental da mulher negra na construção da história brasileira. Sustentamos também o compromisso com a Lei 11.645/08, que prevê o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana, assim como indígena.

 

A educação anarquista no Brasil

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História

Seqüência Didática

Nome: Victor Ruy Rossetti

Número USP: 8981761

Disciplina: A Escola no Mundo Contemporâneo

Prof.ª Antonia Terra

Seqüência Didática: A educação anarquista no Brasil

 

 

1. Introdução

 

 

Os anarquistas são contrários a qualquer forma de dominação e opressão que possa existir numa sociedade, para a qual defendem uma comunidade mais igualitária e solitária. Os anarquistas visam a liberdade, portanto, qualquer instituição dotada de poder seria um entrave para o determinado objetivo. São contrários ao Estado, à Igreja e à propriedade privada. Percebe-se que os conceitos de anarquismo passam distantes dos pensamentos que associam o anarquismo com ausência de ordem e excesso de bagunça.

 

Foi no final do século XIX que os anarquistas começaram a tomar espaço no Brasil, assumindo a frente de diversos movimentos operários; o caminho encontrado para a dispersão da ideologia anarquista foi a educação.

 

Os anarquistas entediam que a escola era um dos veículos mais importantes para se educar um ser humano. A educação para os anarquistas abrangia aspectos culturais e literários, estando estes articulados. O projeto educativo que os anarquistas desenvolveram estava distante do Estado e da Igreja, definitivamente por questões de princípios.

 

A escola não era o único meio pelo qual os anarquistas pretendiam estabelecer seu âmbito educacional; pelo contrário, este saía da esfera escolar. A educação era vista de três pontos de vista que se somavam necessariamente: Educação formal, Educação não formal e Educação informal.

 

Quanto a educação formal, é aquela desenvolvida dentro da instituição escola, com disciplinas ministradas por um tutor, conhecimento sistematizado e  em  muitos  casos, tendo como pilar o método racionalista, quando se tratava das “Escolas Livres”. A educação não-formal está nas palestras e conferências, ou seja, não pressupõe um tempo ou local  fixos, não oferecendo  necessariamente um diploma, mas possibilita temas livres e debates, e obviamente, leva ao conhecimento. Em terceiro, a educação informal relaciona-se com qualquer forma de aprendizado e possibilidades educativas que estão presentes no dia-a-dia, portanto, não necessariamente demandam uma organização.

 

Todas as práticas de educação anarquista são tratadas com a mesma importância, e formaram uma rede bem ampla, que atingiu, sobremaneira, a cidade de São Paulo. A educação anarquista estava conectada com o movimento operário; prova disso, por exemplo,  foi  a  criação  da  Escola  Moderna  em  São  Paulo  (educação  formal)  e  os diversos comícios e conferências que se realizaram (educação não-formal); a isso soma- se as manifestações constantes (educação informal).

Visões de São Paulo colonial na trajetória de Thebas, o arquiteto (1721-1811)

Visões de São Paulo colonial na trajetória de Thebas, o arquiteto (1721-1811)
 
 
 
 
Daniel Sean Bosi Concagh Profa. Dra. Antonia Terra
NºUsp: 4676224
Uma História para a Cidade de São Paulo: um desafio pedagógico
 
 
 
Introdução:
 
A cidade de São Paulo, ao logo de sua história, viveu um intenso processo de transformação material e esquecimento das suas memórias. Os edifícios, casas, ruas e traçados coloniais hoje são quase impossíveis de serem visualizados. As reformas urbanas e intervenções destruíram ou reformaram praticamente todo o seu modelo antigo. As outras grandes cidades brasileiras, apesar de também terem sofrido significativas transformações na passagem do século XIX para o XX, mantiveram sua arquitetura e estruturas coloniais. São Paulo, todavia, adquiriu sua configuração atual nos últimos 100 anos1. O objetivo deste material didático é o de propor um olhar sobre a cidade de São Paulo ao longo do século XVIII, focando na trajetória do arquiteto Thebas, ou Joaquim Pinto de Oliveira; E com isso, se pretende duas coisas: 1ª buscar vislumbrar elementos materiais da cidade naquela época, por meio das construções de Thebas, e a percepção daqueles espaços; 2ª Desmistificar as visões tradicionais da História de São Paulo que, por um lado, construiram a imagem da cidade colonial como a cidade dos bandeirantes, ou raça de gigantes, mantendo todavia o século XVIII em um grande vazio entre o período bandeirante (séculos XVI e XVII), e o enriquecimento do café (século XIX); e, por outro, apagaram a trajetória de um arquiteto escravizado negro, duvidando de sua capacidade de construir coisas tão belas, ou ainda buscando embranquecer a sua imagem. A figura de Thebas, contudo, se não recebeu a devida atenção na literatura, permaneceu como uma lenda dentro do imaginário social urbano. E este ponto será fundamental para este projeto didático: a cidade não é apenas a sua arquitetura e seu traçado urbano. Mas é também a imagem que se faz da cidade.
 
 
1 Glezer, Raquel. Visões de São Paulo. In: Bresciani, Stell (org.). Imagens da cidade - séculos XIX e XX. São Paulo. Marco Zero. ANPUH/FAPESP. 1994.p. 164.