Propostas de Sequências Didáticas

propostas-de-sequencias-didaticas

Visões de São Paulo colonial na trajetória de Thebas, o arquiteto (1721-1811)

Visões de São Paulo colonial na trajetória de Thebas, o arquiteto (1721-1811)
 
 
 
 
Daniel Sean Bosi Concagh Profa. Dra. Antonia Terra
NºUsp: 4676224
Uma História para a Cidade de São Paulo: um desafio pedagógico
 
 
 
Introdução:
 
A cidade de São Paulo, ao logo de sua história, viveu um intenso processo de transformação material e esquecimento das suas memórias. Os edifícios, casas, ruas e traçados coloniais hoje são quase impossíveis de serem visualizados. As reformas urbanas e intervenções destruíram ou reformaram praticamente todo o seu modelo antigo. As outras grandes cidades brasileiras, apesar de também terem sofrido significativas transformações na passagem do século XIX para o XX, mantiveram sua arquitetura e estruturas coloniais. São Paulo, todavia, adquiriu sua configuração atual nos últimos 100 anos1. O objetivo deste material didático é o de propor um olhar sobre a cidade de São Paulo ao longo do século XVIII, focando na trajetória do arquiteto Thebas, ou Joaquim Pinto de Oliveira; E com isso, se pretende duas coisas: 1ª buscar vislumbrar elementos materiais da cidade naquela época, por meio das construções de Thebas, e a percepção daqueles espaços; 2ª Desmistificar as visões tradicionais da História de São Paulo que, por um lado, construiram a imagem da cidade colonial como a cidade dos bandeirantes, ou raça de gigantes, mantendo todavia o século XVIII em um grande vazio entre o período bandeirante (séculos XVI e XVII), e o enriquecimento do café (século XIX); e, por outro, apagaram a trajetória de um arquiteto escravizado negro, duvidando de sua capacidade de construir coisas tão belas, ou ainda buscando embranquecer a sua imagem. A figura de Thebas, contudo, se não recebeu a devida atenção na literatura, permaneceu como uma lenda dentro do imaginário social urbano. E este ponto será fundamental para este projeto didático: a cidade não é apenas a sua arquitetura e seu traçado urbano. Mas é também a imagem que se faz da cidade.
 
 
1 Glezer, Raquel. Visões de São Paulo. In: Bresciani, Stell (org.). Imagens da cidade - séculos XIX e XX. São Paulo. Marco Zero. ANPUH/FAPESP. 1994.p. 164.
 
 

Tietê, o rio teimoso de São Paulo

Universidade de São Paulo - Departamento de História - Segundo semestre de 2016

Aluno: Caio Fabiano Lopes do Valle Souza

Disciplina: Uma história para a cidade de São Paulo: um desafio pedagógico (FLH0425)

Docente responsável: Prof.ª Dr.ª Antonia Terra de Calazans Fernandes
 

 

Proposta pedagógica

Tema: Tietê, o rio teimoso de São Paulo

 

Justificativa:

Neste início de século 21, a maioria dos moradores de São Paulo vive apartada dos rios da cidade. A canalização, o enterramento e a poluição dos cursos d’água que cortam a metrópole os tornou insalubres e degradados, afastando a população de sua presença. Dramaticamente, eles só costumam adentrar o dia a dia das pessoas em situações extremas, quando há enchentes ou o desabamento de habitações irregulares em seu entorno. No entanto, essa relação nem sempre foi assim, hostil e distante. Ao contrário: o que muita gente mais jovem desconhece é o fato de que durante a maior parte da sua história, as várzeas, as margens e o leito dos rios paulistanos foram bastante usufruídos pelos habitantes do município.
 

O próprio rio Tietê, o grande símbolo da deterioração a que foram submetidos os meios fluviais nas últimas décadas, garantiu a sobrevivência e o lazer de muita gente até não muito tempo atrás. Imaginar que as pessoas pescavam, nadavam, navegavam e brincavam no trecho urbano do Tietê nos faz pensar sobre a forma com que escolhemos planejar a cidade, priorizando a motorização e o amplo descarte de detritos nos meios aquáticos, bem como uma divisão fundiária que empurra as camadas pobres para bairros distantes do centro.

Com esta proposta pedagógica, pretendemos estimular a reflexão dos alunos, em especial os do primeiro ano do Ensino Médio, sobre a sua relação com os rios e outros recursos naturais da cidade. Ela poderia ser diferente? Em caso afirmativo, de que maneira nos reapropriarmos do que já é nosso? Acreditamos que a história tem um papel fundamental no sentido de fornecer um novo entendimento acerca das potencialidades dos rios e das matas que existem no interior da capital paulista. Afinal, o conhecimento histórico nos permite entrever alternativas reais ao usufruto que na atualidade dispensamos a nascentes, córregos, rios, matas ciliares, à flora e à fauna urbanas, colocando em xeque o hábito que temos de enxergá-los em contraposição à vida em uma metrópole. A separação que fazemos entre “urbano” e “natural” nem sempre foi assim tão evidente e, muitas vezes, esses dois aspectos de vivência existiram de modo interdependente.

Imigração em São Paulo – uma abordagem humanizada e contemporânea

São Paulo, 14 de dezembro de 2016.
Discente: Gustavo Pereira Machado de Melo Souza - Nº USP 8510601
 
Trabalho final da disciplina “Uma História para a Cidade de São Paulo: Um Desafio Pedagógico” (FLH0425)
Prof. Drª. Antonia Terra Calazans Fernandes
Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.
Universidade de São Paulo
 
 
Proposta Didática
Imigração em São Paulo – uma abordagem humanizada e contemporânea
 
 
“São Paulo, enorme de casas e gentes.
Casas e gentes de todos os estilos.
Cosmópolis.
Resumo do mundo.
Veja, pense:
- Lá, ali, por aí plantaram a sua vida de trabalho
povos de toda a terra.”
 
Guilherme de Almeida. Cosmópolis.
São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1962, p.12
 
 
 
 
I. Contexto e objetivos
 
 
Com frequência quando se ensina ou debate imigração o foco é sobretudo em questões econômicas e de mão-de-obra, secundarizando os aspectos humanos do fenômeno. Antese qualquer importância social ou estratégica, a imigração é uma escolha individual de grande impacto, a escolha de mudança radical de vida. A abordagem de ensino da temática proposta no presente projeto focaliza essa dimensão humana da imigração, sem abandonar os aspectos meramente econômicos ou estratégicos. Como ensinar história de pessoas pensando só em números? Aqui buscaremos trazer questões importantes para as pessoas imigrantes em si, mas que têm importância para a formação cidadã e em história de estudantes, que são quem recebe e receberá imigrantes contemporâneos e futuros.
 
 

A População de Rua em São Paulo: espaço, direito e cidadania

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
A População de Rua em São Paulo: espaço, direito e cidadania
Proposta de sequência didática
Ana Carolina Warigoda Guedes
9826539
 
Trabalho final para disciplina “Uma história para a cidade de São Paulo: um desafio pedagógico”, profa. Dra. Antônia Terra Calazans Fernandes // Ana Carolina Warigoda Guedes, e-mail ana.carolina.guedes@usp.br, nUSP 9826539.
 
 
 
Sumário
 
 
Introdução à sequência didática
 
Para qual série se destina essa temática...............................................................2
Importâncias do ensino sobre a população de rua....................................................2
Como trabalhar com esta sequência didática.........................................................4
 
 
Primeira parte – Saindo do senso comum
 
Por que os moradores de rua incomodam?.............................................................5
O que leva alguém a morar na rua......................................................................6
A relação dos moradores de rua com o trabalho......................................................8
Segunda parte – Problematizando historicamente
A repressão à vadiagem..................................................................................10
Os projetos de higienização da cidade................................................................12
 
 
Terceira parte – Para não concluir
 
Retratos para a posterioridade..........................................................................15
Bibliografia.................................................................................................19
Índice de imagens.........................................................................................20
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO À SEQUÊNCIA DIDÁTICA
 
 
 Para qual série se destina essa temática?
 
Para que as propostas dessa sequência sejam completamente absorvidas e permita a total participação dos alunos, é recomendável que seja aplicada na idade de operações formais, conforme os estudos de Jean Piaget – ou seja, a partir dos 11-12 anos, quando, uma vez absorvida experiência de aprendizado de situações concretas, o estudante passa a ser capaz de raciocínios com certo grau de abstração. Tal abstração é necessária para que o aluno exerça a alteridade (colocar-se no lugar do outro) para a compreensão da realidade das pessoas em situação de rua em São Paulo.
 
Outro fator importante para esta aplicação constitui a capacidade dos alunos de lidar de maneira séria com assuntos de maior profundidade e suas consequências.
Especificamente, portanto, sugere-se o uso desta sequência a partir do 1º ano do Ensino Médio.
 
Divulgar conteúdo