cotidiano

cotidiano

Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social

+Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História – Escola no Mundo Contemporâneo

Prof. Antônia Terra Calazans Fernandes – Vespertino

Lígia Nascimento Bicalho – Nº USP: 8980902

Sequência Didática

Tema: Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social.

Ano/Série: 9º Ano do Ensino Fundamental 2.

Justificativa: A sequência didática aqui proposta parte da noção de que a maioria dos alunos que atualmente frequentam a escola não ingressou este meio por escolha própria. Levando em conta que praticamente a totalidade vai à escola desde criança por decisão dos pais, cabe discutir qual relação eles desenvolvem com o ambiente escolar.

Já maiores e com uma maior consciência de si mesmos perante a sociedade, o aluno de 9º ano encontra-se inserido em uma rotina desde muito novo, que para ele naturaliza-se. É importante no curso questionar tal naturalização, perguntando por que toda criança e jovem deve frequentar a escola diariamente nos dias atuais.

A partir da problematização, é possível aos alunos uma melhor articulação sobre sua visão do por que estão na escola. Sentem que estão lá só por serem obrigados, ou reconhecem importância na educação em seu desenvolvimento na sociedade atual?

Em um momento em que estão prestes a ingressar uma nova etapa escolar no Ensino Médio, pretende-se articular melhor o papel imposto à escola atualmente e como o aluno se relacionará a partir disso. Para tal, cabe estudar um pouco da história escolar, formando opiniões a partir de comparações. Como articulava-se a escola no passado, e como a relação deste espaço com o aluno sofreu alterações? A partir desta percepção considerar o que melhorou e o que ainda têm por melhorar, problematizando a estrutura escolar vivida pelos alunos. Será que tem uma finalidade específica?

 

História de São Paulo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓR IA

 

 

PROJETO DE MATERIAL DIDÁTICO SOBRE HISTÓRIA
DA CIDADE SÃO PAULO

José Guilherme Zago de Souza
 

Leia mais

Descobrindo a história em nosso cotidiano (do encanto/consumo à consciência histórica)

Aluno (a): Bianca N. Marcossi - vespertino
Docente responsável: Antonia Terra
Disciplina USP: Teoria e Prática (2º sem./09)

 

 

 

Resumo

 

     Trata-se de uma seqüência didática que se propõe a trazer o exercício da reflexão/indagação históricas para o cotidiano dos alunos do Fundamental II, a partir da provocação reflexiva de algumas imagens com as quais as crianças convivem em seu dia-a-dia, tais como rótulos de refrigerantes e propagandas de revistas de grande circulação. Pensou-se nesta seqüência como um plano introdutório ao estudo da História no ciclo do Fundamental II.

 

Objetivo e justificativa

     A partir da observação ‘crítica’ e da análise das fontes (disponíveis no anexo 2), busca-se aguçar o espírito inquieto e investigativo dos alunos em relação ao seu próprio universo imagético. O objetivo da atividade é o de tirar a história – e o fazer histórico – do lugar distante e estático dos arquivos e dos documentos (muitos dos quais ininteligíveis – pelos menos na concepção das crianças) dos séculos passados. Este olhar da história como “história dos mortos”, comum a alunos e professores no ambiente escolar e no senso comum, além de tirar a curiosidade dos indivíduos em relação aos temas históricos – já que estes aparentemente não os dizem respeito –, perde seu principal objetivo enquanto disciplina/matéria escolar, que é o de colocá-los como sujeitos históricos, responsáveis por suas escolhas sobre que mundo queremos produzir ou que mundo estamos reproduzindo a cada dia. Segundo Georges Duby, “é absolutamente necessário que o historiador colabore na tarefa essencial que consiste em manter vivo na nossa sociedade o espírito crítico. Quando digo que sou cético em relação à objetividade, é também porque penso estar a prestar um serviço às pessoas, persuadindo-as de que toda informação é subjetiva, que é necessário recebê-la como tal e, por conseguinte, criticá-la” (grifos nossos).

Divulgar conteúdo