racismo

Memória e Movimentos Negros: A Cidade de São Paulo através das resistências

Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Memória e Movimentos Negros:
A Cidade de São Paulo através das resistências
Docente
Profa. Dra. Antonia Terra Calazans Fernandes
Disciplina FLH0425
Uma História para a Cidade de São Paulo: Um desafio pedagógico
Alunas
Gabriela Campos Rix 
Gabriele de Novaes Santos
2013
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
 
 
 
Proposta de SEQÊNCIA DIDÁTICA para o Ensino Médio
 
Memória dos Movimentos Negros:
A Cidade de São Paulo através das resistências
 
 
Sumário
 
Introdução___________________________________________________________________5
     Histórico dos movimentos negros – aporte ao trabalho ....................................................... 7
     Objetivos Específicos ..................................................................... 9
Aplicação da Sequência Didática____________________________________________________10
     Recursos Didáticos .........................................................................______.............. 10
     Organização ...............................................................................______............... 10
                      Parte I São Paulo e o racismo a partir da música _____________________ 11
                      Parte II Análise e comparação de documentos________________________14
                      Parte III Memória e Vida das resistências – pesquisa na comunidade_____20
     Considerações Finais_______________________________________________________20
Bibliografia__________________________________________________________________21
 
 
“Dizem de mim infernos,
Só não falam de mim
o céu que me querem tomar”.
Na boca do povo, Éle Semog
 
 
Este material propõe trazer a discussão sobre a História da Cidade de São Paulo como palco de opressões e exploração, mas também das resistências do povo negro. Desejamos que essa ferramenta auxilie o professor a armar seus alunos para o combate ao racismo e valorização da população negra e sua memória.
 
Desejamos a todos uma boa leitura.
 
 

Segregações Não Institucionalizadas

 

                                                                                                              

Imagem                    HISTÓRIA

 

SEGREGAÇÕES NÃO INSTITUCIONALIZADAS

 

Disciplina: Ensino de História:Teoria e Prática
Docente: Dra Antonia Terra Calazans Fernandes
Discente: Marcelo Vitale Teododo da Silva

 


Introdução - Relatório de Estágio

     O material didático apresentado como produto final na presente disciplina é fruto de experiências e
vivências que em conjunto subsidiaram não apenas o presente trabalho, como também a minha formação
enquanto acadêmico e para, além disso, como ser humano.

     Desta maneira, cabe destacar as várias referências que compuseram o repertório epistemológico e
semântico nesse processo que desembocou na solidificação deste processo de formação acadêmica e
profissional.

     Para tanto, a experiência do estágio foi fundamental para adensar as discussões nas temáticas da
historiografia com recorte étnico e social, deste modo, a escolha do local de vivência desta experiência foi crucial para a segmentação da minha formação.

     Logo, o presente estágio teve como local sede o Núcleo de Consciência Negra na USP (Universidade de
São Paulo), instituição de caráter político e social, inserida na sociedade com o fito de questionar a ausência se um segmento social específico dentro da presente universidade, relativo à população negra, e de tal modo, objetivando primordialmente a inserção dos mesmos neste espaço e em tantos outros do qual é privado de acesso.

     Dentre as atividades promovidas pela presente instituição, destaca-se entre as suas frentes, o projeto de
cursinho comunitário, voltado à população negra e baixa renda, no qual ministro aulas de história do Brasil,
buscando dialogar sempre a historia com a discussão racial.

     Assim, o cursinho e as presentes aulas por mim ministrada, constituíram-se como um laboratório
interessante, bem como, conferiram-me em paralelo com as oficinas que empreendi no mesmo espaço, onde as propostas pedagógicas abordando a presente problemática em diálogo com as temáticas das novelas, a moda, penteados e a literatura, levados para discussão pelos próprios alunos, converteram-se como interessante instrumento de interligação da discussão histórica com o contexto étnico racial contemporâneo.

     Objetivou-se, mediante o exposto, um mapeamento dos preconceitos inerentes a presente discussão,
fomentando problematizações intrínsecas as mesmas, em diálogo com os respectivos papéis desempenhados por estes na sociedade. 

 

O samba

USP – Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Departamento de História

Prof.ª Dr ª Antonia Terra Calazans Fernandes

Sequência didática

Nome: Dafini Oliveira
Nº USP: 5936292
Período: Noturno

 

O trabalho a seguir foi pensado como uma sequência de 2 a 3 aulas com crianças do 8° e 9° ano (antigas 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental).

 

Objetivo:

Mostrar o samba, hoje tido como a maior expressão da música popular brasileira, em suas origens e a sua não aceitação nessa época (principalmente no começo do séc. XX) em contraste com a sua atual identificação tão próxima com a identidade do brasileiro.
Proponho fazê-lo primeiramente através da análise de três (3) sambas por meio do levantamento de questões e do debate com os alunos. Os quais serão apresentados e trabalhados separadamente para depois serem analisados juntos. Cada aluno receberá uma cópia com as letras e depois, um após o outro, os sambas serão escutados.

 

Divulgar conteúdo