Sem Categoria

Posts sem categoria.

O Regime Militar no Brasil (1964-1985) e o Movimento Estudantil

• Aluno (a): Dahanne Vieira Salles, Erick Miyasato, Fernando O. Viana, Gabriel Pereira, Marcelo Akeo Takiy, Marcus Borgonove, Marjorie Yuri Enya, Paulo G. Bastos, Rafael Farinaccio, Thiago A.R. Oliveir, Alec Ichiro Ito, Caroline Gusman Anelli, Débora Machado Visini, Iris Czeresnia Kochen, José Augusto Romano Manhani, Laís Cardoso de Andrade, Luciana Saab e Michele Virgilio Aquino Dias.
 

 

Trabalhando o período da Ditadura Militar no Brasil tentamos entender o movimento estudantil como expressão da Juventude e da Rebeldia e

 

 

Implantada em 31 de março de 1964 e terminada oficialmente apenas em 1985, a época da Ditadura Militar brasileira foi marcada por grandes agitações políticas e sociais. De um lado, os conservadores faziam de tudo para manter o regime – e com ele a “ordem e o progresso” tão caros àquela ideologia. De outro, estudantes, operários, artistas e todos aqueles que tinham idéias de esquerda ou profundamente democráticas, lutavam para a derrubada deste regime e pela volta de instituições democráticas.

Contracultura e Movimento Hippie

• Aluno (a): Dahanne Vieira Salles, Erick Miyasato, Fernando O. Viana, Gabriel Pereira, Marcelo Akeo Takiy, Marcus Borgonove, Marjorie Yuri Enya, Paulo G. Bastos, Rafael Farinaccio e Thiago A.R. Oliveir 

 

 

Introdução ao universo da contracultura e do movimento hippie.

 

A passagem da década de 50 para a década de 60 foi um período de grandes transformações na sociedade norte-americana. Os anos 50 trouxeram aos Estados Unidos um grande crescimento econômico e a sua consolidação enquanto superpotência capitalista perante o resto do mundo. Porém, estes avanços na economia surtiram impacto negativo em muitos setores da sociedade, que não viam os frutos da prosperidade do país e a riqueza serem distribuídos igualmente.

 

O que realmente acontecia era os ricos aumentarem cada vez mais seu poder aquisitivo e os pobres terem cada vez mais dificuldade de se estabelecer. Esta desigualdade, portanto, foi crescendo à medida que o mercado norte-americano se fortalecia e o que parecia progresso foi, passo a passo, descontentando parte da população.

Juventude E Rebeldia

• Aluno (a): Dahanne Vieira Salles, Erick Miyasato, Fernando O. Viana, Gabriel Pereira, Marcelo Akeo Takiy, Marcus Borgonove, Marjorie Yuri Enya, Paulo G. Bastos, Rafael Farinaccio, Thiago A.R. Oliveir 

 

 

Pretendemos iniciar aqui uma discussão a cerca do farto imaginário que envolve o tema da 'Juventude e Rebeldia', entendida como a aceitação do lugar contestatório do jovem na sociedade. Desta forma empreendemos uma viagem através dos movimentos sociais e das fontes de pesquisa que eles legaram ou influnciaram, sob a égida da cultura jovem e rebelde.

 

 

Nossa proposta que é trabalhar o tema “juventude e rebeldia”, assunto que oferece grande atrativo aos jovens e adolescentes em idade escolar e permiti debates importantes acerca de tópicos que fazem parte de seu cotidiano. Além de abarcar discussões sobre cultura e política, podemos também, através deste tema, trabalhar outros pontos importantes para a construção de uma visão mais crítica do jovem em relação à sociedade. Apesar de, por sua abrangência, não conseguirmos trabalhar este assunto de maneira plena, temos a pretensão de oferecer aos professores e alunos interessados uma introdução aos tópicos levantados nesta pesquisa.

Divulgar conteúdo