Propostas de Sequências Didáticas

propostas-de-sequencias-didaticas

Educar Para Preservar o Patrimônio Paleontológico de Marília e Região

EDUCAR   PARA    PRESERVAR   O    PATRIMÔNIO    PALEONTOLÓGICO    DE

MARÍLIA E REGIÃO

ANTÔNIO APARECIDO PRIMO (NICO)

 

 

1- Introdução

 

Marília localiza-se numa região onde foram descobertos importantes fósseis de dinossauros e outros animais antigos, graças ao trabalho do paleontólogo William Nava. Com apoio da Prefeitura Municipal ele montou um Museu de Paleontologia.

A Unidade 1 do livro didático SESI-SP trata sobre origem da vida na Terra. O material didático dessa rede de ensino, entre as primeiras expectativas de aprendizagem, indica: “Reconhecer que as manifestações culturais se tornam patrimônio a partir da expressão da cultura material e imaterial, com ênfase na história local”.

Isto nos levou a propor, no plano de ensino, uma visita ao Museu e o estudo da importância da região de Marília para a Paleontologia brasileira.

O relato a seguir refere-se a experiências desenvolvidas anualmente com 11 turmas de 6° anos entre 2011 e 2014.

 

Entre os objetivos destacamos: ensinar os estudantes a olhar para um museu como documento histórico, ou seja, perceber que sua exposição foi montada por pessoas que selecionaram o conteúdo exposto; estudar como a teoria da evolução das espécies explica o aparecimento da vida e dos homens na Terra; valorizar a preservação do patrimônio cultural local.

O funcionamento de Auschwitz e a responsabilidade dos envolvidos

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História

Ensino de História: teoria e prática (prof.ª Antonia Terra)

Priscilla Sousa Martins (8575517) Noturno

TRABALHO FINAL - SEQUÊNCIA DIDÁTICA

 

 

“O funcionamento de Auschwitz e a responsabilidade dos envolvidos.”

 

Introdução

Em 2015, foi levado a julgamento Oskar Gröning, membro da SS atuante em Auschwitz como contabilista. Seu relato sobre o funcionamento do campo de concentração e sobre a sua função nele são interessantes para serem analisados em aula, enquanto testemunho e enquanto discurso.

 

Objetivos

1.  Refletir  sobre  como  funcionava,  na  prática,  o  sistema  de  extermínio empreendido pelos nazistas .

 

2. Refletir sobre o discurso usado para persuadir as pessoas a serem parte desse sistema de extermínio.

 

3. Refletir sobre as implicações de um julgamento desse tipo em 2015.

A comunidade brasileira no Benim e a construção de identidades culturais no mundo atlântico

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas

SEQUÊNCIA DIDÁTICA 1 - A comunidade brasileira do

Benim: Preservação e construção de identidades

Disciplina: Ensino de História, Teoria e Prática

Professora: Antônia Terra Calazans Fernandes

Aluno: Pedro Henrique Fortes Fernandes, nº USP 8030266

 

 

Tema: A comunidade brasileira no Benim e a construção de identidades culturais no  mundo atlântico.

 

Público Alvo

Alunos do Ensino Médio, preferencialmente do segundo ano, para acompanhar o estudo dos contatos entre povos europeus e africanos. Assim, é recomendado que seja aplicada em classes que já tenham estudado as dinâmicas do comércio transatlântico.

 

Duração das Atividades

Não há uma duração exata para as atividades desta sequência, e cabe ao professor distribuí-las de modo conveniente para o aprendizado, variando conforme as especificidades de cada conjunto de alunos. Lembramos também que esta atividade é pensada como complementar ao estudo de história afro-brasileira, sendo secundária a esta.

Ensino de História da África – A Graphic Novel: Sundiata, O Leão de Mali

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo, 20 de junho de 2015

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Ensino de História: Teoria e Prática Professora: Antônia Terra

Aluna: Michele Carneiro da Silva – n° USP: 8030756

Sequencia Didática

TEMA: Ensino de História da África – A Graphic Novel: Sundiata, O Leão de Mali

 

 

 

Justificativa:

A necessidade de se estudar História da África em nosso país ainda se faz presente; os mais de trezentos anos de escravidão e suas consequências devem ser estudados e combatidos a partir de políticas afirmativas. A implementação da lei 11.645 contribuiu para que a reparação histórica começasse a fazer efeito no âmbito escolar, no entanto, várias dificuldades se colocam para o professor e para o próprio aluno, como por exemplo a falta de material didático nessa área, que possibilite apresentar a cultura africana sem os estereótipos enraizados ou sem o apagamento vigente na maioria dos livros oficiais.

A partir da tentativa de se estudar esse conteúdo, buscaremos aproveitar a história em quadrinhos e sua linguagem moderna e universal para contribuir em um debate acerca do que conhecemos do Continente Africano, quais os estereótipos e quais as semelhanças que podemos encontrar em relação a nossa cultura, e para isso utilizaremos  a Graphic Novel Sundiata, O Leão de Mali.

 

Objetivo:

Buscaremos estabelecer contato entre os alunos e o épico de Sundiata, que conta a história de fundação do Império Mali. Sundiata, importante guerreiro com uma saga riquíssima e com diversas versões de seus feitos, é um belo exemplo da tradição oral das culturas africanas.  Dessa forma, para apresentar aos alunos esse épico utilizaremos a história em quadrinhos produzida pelo importante quadrinista Will Eisner, que decidiu recontar esta saga.

Divulgar conteúdo