A Experiência de Angicos (1963-1964): Uma Iniciativa Pioneira no Nordeste Brasileiro

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
D.H. – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas
Disciplina: A Escola no Mundo Contemporâneo
Profa. Dra. Antonia Terra Calazans Fernandes
Aluno: Raphael dos Santos Gonçalves – nº 8981538
A EXPERIÊNCIA DE ANGICOS (1963-1964)
(Uma iniciativa pioneira no Nordeste brasileiro)
Janeiro de 2015

 

 

1. Tema:

A Experiência de Angicos (1963-1964) – Uma iniciativa pioneira no Nordeste Brasileiro. A sequência didática proposta tem como objetivo fornecer aos alunos de Ensino Médio um panorama do contexto histórico brasileiro no início dos anos 60 (últimos anos do período liberal democrático e a montagem da ditadura) traçado a partir do evento da experiência de Angicos (RN), com o intuito de mostrar a força das iniciativas populares, a importância da educação e a perseguição à supostas práticas subversivas.

2. Público-alvo:

Alunos dos três anos do Ensino Médio.

3. Planejamento/Materiais:

Serão apresentados materiais da experiência de Angicos, como por exemplo, as fichas e trechos das reuniões entre os membros do grupo. Serão apresentados também materiais áudio visuais como documentários e trechos de vídeos que elucidam e problematizam o tema.

Protagonismo Negro na Luta pela escolarização e a busca de novas narrativas nos séculos XX e XXl

Universidade de São Paulo.
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.
Departamento de História.

A Escola no Mundo Contemporâneo.

Profa. Dra. Antonia Terra de Calazans Fernandes.

Sequência Didática:

Protagonismo Negro na Luta pela escolarização e a busca de novas narrativas nos séculos XX e XXl.

Componentes do grupo: Ana Carolina Apolinário, nº USP: 7619249.
Claudia da Silva Macegossa, nº USP: 8576286. Marcelo Vitale Teodoro da Silva, nº USP: 6870812.

São Paulo
Segundo Semestre / 2014
Vespertino

 

 

 

Sequência Didática: Protagonismo Negro na Luta pela escolarização e a busca de novas narrativas nos séculos XX e XXl.

 

Introdução.

O presente material tem como ambição possibilitar discussões referentes ao processo de escolarização da população negra brasileira, ao longo do século XX e XXI. Nesse sentido selecionamos documentos, que podem tangenciar aspectos desse processo histórico evidenciando os conflitos presentes no mesmo. Tais conflitos podem ser elucidados a partir do processo histórico de exclusão da população negra do ambiente escolar, mas também salientando o protagonismo das comunidades negras para obter o acesso ao espaço escolar.

Desse modo, a seguinte sequência didática estrutura-se de maneira a trabalhar o percurso histórico das reivindicações negras, para acessar os espaços escolares, bem como, construir outras lógicas de representar a população negra no mesmo, portanto, trata-se de lutas históricas que corroboram na mudança de paradigmas educacionais, tal como, a confecção da lei 10.639, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana nas redes públicas e particulares da educação.

Por fim, é imprescindível demarcar os agentes históricos de um longo processo que culmina na lei. Para desta forma viabilizar uma compreensão atenta as dinâmicas, processos históricos e seus sujeitos, os movimentos negros de forma geral, e a população negra de forma específica, os quais são responsáveis diretamente pelas conquistas e transformações da educação brasileira, para que desta forma os protagonistas não sejam transformados em coadjuvantes.

 

Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola

Nome: Raphael Leon de Vasconcelos Período: vespertino

Nº Usp: 7199008

Sequência didática

Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola

-Nós somos história-

Universidade de São Paulo

São Paulo – 2º semestre de 2014

 

 

Sequência didática

 

Objetivos:

A presente sequência didática possui como objetivo fazer com que o estudante se sinta parte da escola e da própria história. Muitas vezes história é vista como uma matéria muito distante do cotidiano das crianças e dos jovens, assim o trabalho é um esforço de aproximação. A partir do estudo da própria escola a qual eles estudam, será feito algumas reflexões sobre o estudo, sobre fontes e sobre análise e pesquisa. O trabalho final consiste na montagem de uma linha do tempo história da escola a partir da perspectiva dos próprios estudantes.

 

Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social

+Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História – Escola no Mundo Contemporâneo

Prof. Antônia Terra Calazans Fernandes – Vespertino

Lígia Nascimento Bicalho – Nº USP: 8980902

Sequência Didática

Tema: Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social.

Ano/Série: 9º Ano do Ensino Fundamental 2.

Justificativa: A sequência didática aqui proposta parte da noção de que a maioria dos alunos que atualmente frequentam a escola não ingressou este meio por escolha própria. Levando em conta que praticamente a totalidade vai à escola desde criança por decisão dos pais, cabe discutir qual relação eles desenvolvem com o ambiente escolar.

Já maiores e com uma maior consciência de si mesmos perante a sociedade, o aluno de 9º ano encontra-se inserido em uma rotina desde muito novo, que para ele naturaliza-se. É importante no curso questionar tal naturalização, perguntando por que toda criança e jovem deve frequentar a escola diariamente nos dias atuais.

A partir da problematização, é possível aos alunos uma melhor articulação sobre sua visão do por que estão na escola. Sentem que estão lá só por serem obrigados, ou reconhecem importância na educação em seu desenvolvimento na sociedade atual?

Em um momento em que estão prestes a ingressar uma nova etapa escolar no Ensino Médio, pretende-se articular melhor o papel imposto à escola atualmente e como o aluno se relacionará a partir disso. Para tal, cabe estudar um pouco da história escolar, formando opiniões a partir de comparações. Como articulava-se a escola no passado, e como a relação deste espaço com o aluno sofreu alterações? A partir desta percepção considerar o que melhorou e o que ainda têm por melhorar, problematizando a estrutura escolar vivida pelos alunos. Será que tem uma finalidade específica?

 

Divulgar conteúdo