Tietê, o rio teimoso de São Paulo

Universidade de São Paulo - Departamento de História - Segundo semestre de 2016

Aluno: Caio Fabiano Lopes do Valle Souza

Disciplina: Uma história para a cidade de São Paulo: um desafio pedagógico (FLH0425)

Docente responsável: Prof.ª Dr.ª Antonia Terra de Calazans Fernandes
 

 

Proposta pedagógica

Tema: Tietê, o rio teimoso de São Paulo

 

Justificativa:

Neste início de século 21, a maioria dos moradores de São Paulo vive apartada dos rios da cidade. A canalização, o enterramento e a poluição dos cursos d’água que cortam a metrópole os tornou insalubres e degradados, afastando a população de sua presença. Dramaticamente, eles só costumam adentrar o dia a dia das pessoas em situações extremas, quando há enchentes ou o desabamento de habitações irregulares em seu entorno. No entanto, essa relação nem sempre foi assim, hostil e distante. Ao contrário: o que muita gente mais jovem desconhece é o fato de que durante a maior parte da sua história, as várzeas, as margens e o leito dos rios paulistanos foram bastante usufruídos pelos habitantes do município.
 

O próprio rio Tietê, o grande símbolo da deterioração a que foram submetidos os meios fluviais nas últimas décadas, garantiu a sobrevivência e o lazer de muita gente até não muito tempo atrás. Imaginar que as pessoas pescavam, nadavam, navegavam e brincavam no trecho urbano do Tietê nos faz pensar sobre a forma com que escolhemos planejar a cidade, priorizando a motorização e o amplo descarte de detritos nos meios aquáticos, bem como uma divisão fundiária que empurra as camadas pobres para bairros distantes do centro.

Com esta proposta pedagógica, pretendemos estimular a reflexão dos alunos, em especial os do primeiro ano do Ensino Médio, sobre a sua relação com os rios e outros recursos naturais da cidade. Ela poderia ser diferente? Em caso afirmativo, de que maneira nos reapropriarmos do que já é nosso? Acreditamos que a história tem um papel fundamental no sentido de fornecer um novo entendimento acerca das potencialidades dos rios e das matas que existem no interior da capital paulista. Afinal, o conhecimento histórico nos permite entrever alternativas reais ao usufruto que na atualidade dispensamos a nascentes, córregos, rios, matas ciliares, à flora e à fauna urbanas, colocando em xeque o hábito que temos de enxergá-los em contraposição à vida em uma metrópole. A separação que fazemos entre “urbano” e “natural” nem sempre foi assim tão evidente e, muitas vezes, esses dois aspectos de vivência existiram de modo interdependente.

Dividido em três aulas, o programa a seguir recorre à literatura, ao meio fílmico, a mapas e a fotografias para compor um plano pedagógico amplamente baseado no diálogo entre professor e estudantes. É indispensável a participação ativa dos alunos ao longo das exposições e das reflexões induzidas pelo docente. Por isso, sugerimos, sempre que possível, o incentivo ao resgate da experiência dos adolescentes para que o tema se torne, de fato, próximo de sua realidade. Usamos o mote de rio “teimoso” como um jeito de criar certa empatia pelo Tietê. O termo também sugere que, embora deteriorado, o curso d’água persiste em não querer morrer.

 

 

Aula 1: Tietê, um rio que gosta de ser teimoso

Objetivos:

- Discutir aspectos históricos dos usos dados ao rio pela população paulistana;
- Provocar a reflexão sobre o fato de que o rio Tietê urbano já foi muito mais do que um canal de esgoto.

Plano de aula:

Primeira parte: Com um mapa da bacia hidrográfica do Tietê, o professor pode começar apresentando alguns dados mais gerais sobre o rio. Um deles é o curioso fato de o curso d’água, que nasce em Salesópolis, nas escarpas da Serra do Mar, procurar um caminho longo para chegar ao mar. É o teimoso rio que adentra o continente antes de ir finalmente desaguar no oceano, já “convertido” em rio da Prata.

Depois desse breve preâmbulo, a aula pode se encaminhar para uma maior interação com os estudantes. A intenção, aqui, é, literalmente, provocar os alunos. Que tal convidá-los para ir nadar no rio Tietê? Ou quem sabe pescar navegando num bote em seu leito? A partir de perguntas instigantes como estas, a sugestão é para que o professor faça os estudantes desconstruírem um pouco a noção de que o principal rio de São Paulo sempre foi inacessível aos habitantes da cidade. Por meio de fotografias do início do século 20, o docente pode mostrar os diversos usos do Tietê pela população: pesca, natação, lazer, navegação. No caso da pesca, a fauna do rio era abundante e enchia a barriga de muita gente com peixes como o bagre e a tabarana, assim como mexilhões, camarões de rio e caranguejos. Recordemos que Macunaíma, herói sem nenhum caráter e personagem clássico de nossa literatura, chegou a São Paulo, com seus irmãos, desembarcando no “igarapé Tietê”. Foi também ali que uma vez decidiu ir pescar (o professor pode evocar a passagem a seguir do livro de Mário de Andrade):

No outro dia falou pros manos que ia pescar peixões no igarapé Tietê. Maanape avisou:

– Não vá, herói, que você topa com a velha Ceiuci mulher do gigante. Te come, heim!
– Não tem inferno pra quem já navegou no Cachoeira! que Macunaíma exclamou. E partiu.
Nem bem lançou a linha de cima dum mutá que veio vindo a velha Ceiuci pescando de tarrafa. A caapora viu a sombra de Macunaíma refletida n’água jogou depressa a tarrafa e só pescou sombra. O herói nem não achou graça porque estava tremendo de mêdo, vai, pra agradecer falou assim:
– Bom-dia, minha vó.1

Recomenda-se ainda a leitura de outra passagem literária, neste caso, do livro infanto-juvenil O gênio do crime, de João Carlos Marinho Silva. Trata-se de uma ficção policial para jovens publicada em 1969, que obteve bastante sucesso, com inúmeras reedições ao longo das décadas. Em determinado momento da trama, os protagonistas,

1 ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 1979, pp. 131-132.

 

um trio de amigos adolescentes que investigam um crime em São Paulo, decidem montar acampamento na margem do rio Tietê. O parágrafo a seguir pode ser lido pelo professor ou por algum aluno que se dispuser a fazer a leitura em voz alta:

Andavam pela beira do rio, entre o capim alto, e, fuçando, acharam uma praiazinha que ficava embaixo de um barranco, bem encaixada. O barranco era alto de três metros e avançava no rio em forma de U, não dando passagem por nenhum dos lados. Uma praiazinha embutida assim era o lugar melhor para acamparem sem perigo dos curiosos verem. E nem da outra margem podiam ver porque o pedaço de praia tinha capim de dois metros e Edmundo e Pituca foiçaram e capinaram o trecho justo que dava para a tendinha que ficou tapada pelo capim em redor. Acertaram tudo e foram jantar em cima do barranco; haviam trazido uma porção de apetrechos comprados por seu Tomé.2

Enquanto a narrativa de Macunaíma se desenrola no fim dos anos 1920, a de O gênio do crime se passa quatro décadas depois. O professor pode pedir para os alunos apontarem diferenças entre os dois “usos” do mesmo rio que fazem os personagens de cada livro. Se Macunaíma ainda podia pescar nele, já no fim dos anos 1960 não há mais conversas nesse sentido pelos meninos acampados, que também não falam em entrar nas águas do Tietê. Um reflexo da degradação a que o rio começou a ser submetido a partir de meados do século 20.

Segunda parte: Dispondo as carteiras dos alunos em roda, neste momento a intenção é pedir para que cada um deles conte um pouco do que sabe sobre o rio. Que sensações o Tietê provoca em si? É só de nojo, de repulsa? O que cada um gostaria de fazer se ainda fosse possível usar as águas do rio como antigamente? Acham que ainda seria possível montar um acampamento na margem do rio em São Paulo, como fizeram os amigos no livro? E de pescar, como Macunaíma? Posteriormente, o docente pode mostrar imagens atuais do rio Tietê no interior do estado, sendo usado por embarcações e pessoas, para lazer. É o teimoso Tietê, que, apesar das agressões que sofre na região metropolitana, volta a ter vida no interior.

Em seguida a esse debate, o professor pode pedir para que cada estudante converse com pessoas mais velhas da família – pais, tios, avós – e colha delas relatos sobre o uso que faziam de rios em sua infância e juventude. Não é preciso que as experiências estejam relacionadas especificamente ao rio Tietê. O professor deve solicitar que os estudantes tragam essas histórias para a terceira aula, para dividir com todos os colegas.

 

Recursos para a aula:
- Mapa da bacia hidrográfica do Tietê: http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/imagens/galerias/saopaulo-rio-tiete.jpg

2 SILVA, João Carlos Marinho. O gênio do crime: uma história em São Paulo. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d., p. 33.

 

 

- Planta da cidade de São Paulo em 1916, antes de o Tietê ser retificado (destaque para a sinuosidade do rio, que formava diversos meandros, curvas e ilhotas): http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/img/mapas/1916.jpg

- Fotos do rio Tietê nas primeiras décadas do século 20: http://www.daee.sp.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=7...
http://www.daee.sp.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=796%3Aretificacao-e-decadencia&catid=54%3Aparques&Itemid=53

- Fotos atuais da nascente do rio Tietê, em Salesópolis: http://www.daee.sp.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=585:parque-nascentes-do-tiete&catid=48:noticias&Itemid=53

- Fotos atuais do rio Tietê no interior do estado (na altura da cidade de Igaraçu do Tietê): http://www.igaracudotiete.sp.gov.br/

 

 

Aula 2: Um rio entre muitos

Objetivos:

- Demonstrar que a bacia do Alto Tietê é composta de dezenas de rios, muitos dos quais enterrados sob a cidade contemporânea;
- Refletir acerca das formas históricas de poluição do rio.

 

 

Plano de aula:
Primeira parte: O professor pode iniciar esta aula com a exibição do documentário Entre rios, em sua integralidade ou apenas alguns trechos selecionados. O vídeo permite, de forma didática, compreender muitos dos problemas enfrentados atualmente pelos córregos e rios que existem na cidade de São Paulo, na chamada bacia do Alto Tietê. Após a exibição, recomenda-se que o docente questione os estudantes sobre os cursos d’água que conhecem no município. Qual é o rio mais perto da sua casa? Será que ele deságua direto no rio Tietê ou no rio Pinheiros? Ele é muito sujo? Você sabia que sob o vale do Anhangabaú ainda passa um dos rios mais importantes para a formação da vila de São Paulo, no século 16? Você já andou pela marginal do Tietê? Essa grande avenida, construída a partir da década de 1950, impede que as pessoas se aproximem do rio? Por quê? A discussão pode caminhar para a segunda parte da aula.

 

 

Segunda parte: Agora, o objetivo é pensarmos um pouco a respeito das variadas maneiras com as quais o Tietê e outros rios de São Paulo foram poluídos. O docente pode começar mencionando o caso emblemático da Companhia Nitro-Química Brasileira, instalada à margem esquerda do rio Tietê, na altura de São Miguel Paulista, na zona leste, ainda na década de 1940, período de intensa industrialização da economia brasileira. Ela foi uma das primeiras fábricas a emitir volumes elevados de poluentes nas águas do Tietê, contribuindo para a sua degradação. Essa deterioração acabou estimulando um outro tipo de relação das pessoas com o rio, que passou a ser cada vez mais visto como um lugar de descarte de lixo do que um recurso natural importante para a cidade. Aqui, o professor pode explicar, rapidamente, a história da escritora Carolina Maria de Jesus, que morou numa favela no Canindé, às margens do Tietê, e ler a seguinte passagem de seu livro Quarto de despejo, publicado em 1960 (a grafia original está preservada):

Ganhei bananas e mandiocas na quitanda da rua Guaporé. Quando eu voltava para a favela, na Avenida Cruzeiro do Sul 728 uma senhora pediu-me para eu ir jogar um cachorro morto dentro do Tietê que ela dava-me 5 cruzeiros. Deixei a Vera com a mulher e fui. O cachorro estava dentro de um saco. A mulher ficou observando os meus passos à paulistana. Quer dizer depressa. Quando voltei ela deu-me 6 cruzeiros. Quando recebi os 6 cruzeiros pensei: já dá para comprar um sabão.3

 

 

A partir daí, a turma pode contar que tipo de lixo já viu boiando no Tietê ou em outros rios da cidade. O professor pode provocar mais reflexões, questionando se os alunos já descartaram alguma coisa em rios paulistanos, como o fez Carolina na passagem lida – os acontecimentos registrados datam de 1958. Lembrando que a sujeira provoca inundações, o docente pode evocar outro trecho do famoso livro, o que trata a

3 JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960, p. 48.

 

respeito da relação entre os moradores da favela à margem do Tietê e os vizinhos das casas de ruas próximas, que chegaram a recusar um pouco de água limpa para Carolina fazer uma mamadeira:

Uma tarde de terça-feira. A sogra de Dona Ida estava sentada e disse:
– Podia dar uma enchente e arrazar a favela e matar estes pobres cacêtes. Tem hora que eu revolto contra Deus por ter posto gente pobre no mundo, que só serve para amolar os outros.
A Tina da Dona Mulata, quando soube que a sogra da Dona Ida pedia a Deus para enviar uma enchente para matar os pobres favelados, disse:
– Quem há de morrer afogado há de ser ela!
Na enchente de 49 morreu o Pedro Cardoso, filho de Dona Ida. Quando eu soube que o Pedrinho havia morrido afogado pensei na decepção que teve a sua avó que pedia agua, agua, bastante agua para matar os favelados e veio agua e matou-lhe o neto. É para ela compreender que Deus é sobrio. É o advogado dos humildes. Os pobres são criaturas de Deus. E o dinheiro é um metal criado e valorisado pelo homem. (...) Se Deus avisasse a Dona Ida que ela por não nos dar agua ia perder o seu filho para sempre, creio que ela estaria nos dando agua até hoje. O Pedro pagou em holocausto o orgulho de sua avó. E a maldade de sua mãe. É assim que Deus repreende.4

 

Sugere-se que a aula termine com uma reflexão sobre os prejuízos ambientais e sociais provocados pelo lixo e pelo esgoto in natura despejado nos corpos d’água que banham a cidade. Recomenda-se que o professor reforce o pedido de coleta de histórias de pessoas mais velhas da família (ou conhecidas) sobre rios para a próxima aula.

 

 

Recursos para a aula:
- Documentário Entre rios (25min), dirigido por Caio Silva Ferraz: https://www.youtube.com/watch?v=Fwh-cZfWNIc

- Fotos atuais de lixo nas margens do Tietê e do Tamanduateí (obtidas pelo aluno Caio do Valle Souza em 2016):

4 Ibidem, p. 57.

 

Aula 3: O que fazíamos e o que ainda podemos fazer no Tietê

 

Objetivos:
- Resgatar memórias afetivas de pessoas sobre córregos e rios em São Paulo, em especial o Tietê; - Refletir a respeito dos destinos dos rios paulistanos.

Plano de aula:

Primeira parte: Esta é uma aula na qual a classe tentará resgatar lembranças afetivas em torno do trecho metropolitano do rio Tietê. Como as pessoas se relacionavam com o rio em outras épocas? Para estimular a reflexão, sugere-se primeiramente a exibição dos cinco primeiros minutos do filme A margem, dirigido em 1967 por Ozualdo Candeias. Há nesta obra ficcional bons registros imagéticos do Tietê urbano num momento em que as pessoas ainda tinham alguma relação mais próxima com ele. Outra recomendação para a preparação e a condução da aula é o livro Memória e sociedade: lembranças de velhos, de Ecléa Bosi, disponível em muitas bibliotecas públicas da cidade. A obra traz depoimentos de idosos a respeito de suas vidas na capital paulista; os relatos foram colhidos pela autora na década de 1970. Selecionamos alguns trechos que podem ser trabalhados em sala de aula, com a temática escolhida. O primeiro é o relato de dona Alice, que morou na região central da cidade na primeira metade do século 20. Diz ela que

Quando chovia muito, a baixada do Bom Retiro ficava a Veneza brasileira. A enchente tomava conta de tudo. As famílias todas tinham barco e, durante a noite, passeavam nas ruas inundadas, com iluminação nas barcas, cantando e fazendo serenata. Para nós, os moços, aquilo era uma alegria, quando o Tietê transbordava.5

Ou seja, diferentemente de hoje em dia, as inundações naquela época eram aguardadas e, de certa forma, desfrutadas pelos moradores, que tinham até barcos para navegar nas águas do rio. A relação talvez fosse menos de incômodo do que de lazer, embora as inundações também provocassem desastres e tragédias. O relato do senhor Amadeu, que nasceu no Brás em 1906, dá uma ideia de como as pessoas podiam sofrer com as cheias do rio Tamanduateí, um dos principais afluentes do Tietê:

Quando eu era criança, na rua Carlos Garcia, precisávamos fugir de casa quase todo mês, um ou dos dias. O rio Tamanduateí enchia fácil, era muito estreito. Uma vez nós saímos de casa, eu tinha uns quinze anos, e fomos dormir três dias numa casa de amigos, no Alto do Cambuci. A água estava já a um metro e vinte do chão. Me lembro que mais de cinquenta vezes saímos de manhã e voltamos só de noite. No Cambuci, a enchente era uma brincadeira, davam conhaque e caipirinha pros bombeiros, as famílias ficavam amigas dos bombeiros.6

Outra vez, notamos que, apesar dos prejuízos, a população residente nas várzeas dos rios ainda conseguia estabelecer algum vínculo afetivo com e a partir das enchentes.

 

5 BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 108.
6 Ibidem, p. 126.

 

O mesmo senhor Amadeu conta que as várzeas dos rios exerciam um papel importantíssimo na socialização dos paulistanos, pois nelas jogava-se muita bola:

Comecei a jogar futebol com nove anos. Naquele tempo tinha mais de mil campos de várzea. Na Vila Maria, no Canindé, na Várzea do Glicério, cada um tinha mais ou menos cinquenta campos de futebol. Penha, pode pôr cinquenta campos. Barra Funda, Lapa, entre vinte e 25 campos. Ipiranga, junto com Vila Prudente, pode pôr uns cinquenta campos. Vila Matilde, uns vinte. Agora tudo virou fábrica, prédios de apartamentos. O problema da várzea é o terreno. Quem tinha um campo de sessenta por 120 metros acabou vendendo pra fábrica. Se nós vamos procurar na memória quantos jogadores da várzea, de uns quarenta anos faz, tinha mais de 10 mil jogadores. Aquele tempo era uma coisa! Cada campo tinha um clube; a maior parte dos campos eram dados pelos donos para o lugar progredir, popularizar. O dono é que pedia pra fazerem um campo nesses terrenos baldios. Quando tinha um clube, vinha o progresso. No domingo vinham 2 mil pessoas assistir, e começava o comércio, o progresso.7

O depoimento nos permite imaginar outras funções para as margens dos rios paulistanos. O senhor Amadeu nos fala sobre os muitos times de futebol que existiam nas imediações do Tietê e do Tamanduateí, e de como essas equipes foram importantes para a ocupação e a valorização imobiliária das várzeas. (Valorização esta que, ironicamente, teve o papel de expulsar as peladas para longe das várzeas.) Com o tempo, os campinhos foram sendo substituídos por fábricas e prédios residenciais, aumentando o valor do metro quadrado e encarecendo os custos de vida. Foi assim que muita gente deixou de ter condições financeiras para continuar vivendo na região central da cidade.

Segunda parte: Agora, é a vez de os alunos contarem e compartilharem as experiências de pessoas mais velhas de suas famílias com os rios de São Paulo. O que esses relatos nos mostram? As pessoas têm saudades de uma relação mais próxima com córregos e rios? Será que a partir das experiências delas podemos imaginar um outro jeito de lidarmos com os nossos rios daqui para a frente?

 

O professor também pode problematizar algumas permanências na longa duração da história, como a habitação das margens do Tietê por moradores de rua. Na altura da ponte Cruzeiro do Sul, ainda existem pessoas que fazem uso das águas e da encosta de concreto do rio para lavar roupas (inclusive quarando-as ao sol) e banhar-se, a despeito dos enormes riscos de contágio patogênico. Num quadro desumano, o Tietê, como vetor “por excelência” dos rejeitos produzidos pela cidade, também recebe os despossuídos apartados das cadeias econômicas de São Paulo... Com esse direcionamento, a aula pode se encerrar com uma reflexão a partir dos anseios dos estudantes acerca do que imaginam para os córregos e rios paulistanos, bem como das pessoas que ainda fazem uso do Tietê. Será que, como o rio, vale a pena sermos teimosos e lutar pela sua melhoria?

 

Recursos para a aula:
- Filme A margem (1h30min), dirigido por Ozualdo Candeias: https://www.youtube.com/watch?v=GqrDWn-JJ_4

- Fotos atuais de uso das margens do Tietê e do Tamanduateí (obtidas pelo aluno Caio do Valle Souza em 2016):

7 Ibidem, p. 138.

 

 


Moradores de rua se banham e molham roupas na margem esquerda
do Tietê, na altura da ponte Cruzeiro do Sul.

 

 

 

 

 


 

 

 

Bibliografia recomendada:
ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 1979.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

GLEZER, Raquel. “Visões de São Paulo”. In: BRESCIANI, Stella (org.). Imagens da cidade – séculos XIX e XX. São Paulo: Marco Zero, ANPUH/FAPESP, 1994.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

JORGE, Janes. Tietê: o rio que a cidade perdeu (São Paulo, 1890-1940). São Paulo: Alameda, 2006.

MARTINEZ, Paulo Henrique (org.). História ambiental paulista: temas, fontes, métodos. São Paulo: Editora Senac, 2007.

SILVA, João Carlos Marinho. O gênio do crime: uma história em São Paulo. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d.

AnexoTamanho
Proposta pedagógica Caio Tietê.pdf1.19 MB