Ensino de História da África – A Graphic Novel: Sundiata, O Leão de Mali

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo, 20 de junho de 2015

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Ensino de História: Teoria e Prática Professora: Antônia Terra

Aluna: Michele Carneiro da Silva – n° USP: 8030756

Sequencia Didática

TEMA: Ensino de História da África – A Graphic Novel: Sundiata, O Leão de Mali

 

 

 

Justificativa:

A necessidade de se estudar História da África em nosso país ainda se faz presente; os mais de trezentos anos de escravidão e suas consequências devem ser estudados e combatidos a partir de políticas afirmativas. A implementação da lei 11.645 contribuiu para que a reparação histórica começasse a fazer efeito no âmbito escolar, no entanto, várias dificuldades se colocam para o professor e para o próprio aluno, como por exemplo a falta de material didático nessa área, que possibilite apresentar a cultura africana sem os estereótipos enraizados ou sem o apagamento vigente na maioria dos livros oficiais.

A partir da tentativa de se estudar esse conteúdo, buscaremos aproveitar a história em quadrinhos e sua linguagem moderna e universal para contribuir em um debate acerca do que conhecemos do Continente Africano, quais os estereótipos e quais as semelhanças que podemos encontrar em relação a nossa cultura, e para isso utilizaremos  a Graphic Novel Sundiata, O Leão de Mali.

 

Objetivo:

Buscaremos estabelecer contato entre os alunos e o épico de Sundiata, que conta a história de fundação do Império Mali. Sundiata, importante guerreiro com uma saga riquíssima e com diversas versões de seus feitos, é um belo exemplo da tradição oral das culturas africanas.  Dessa forma, para apresentar aos alunos esse épico utilizaremos a história em quadrinhos produzida pelo importante quadrinista Will Eisner, que decidiu recontar esta saga.

 

Sem deixar de estabelecer similaridades com os conhecimentos que os alunos têm, bem como tratando sempre o estranhamento que eles também podem ter ao lerem essa história em quadrinhos, ou seja, problematizando o texto para futuros questionamentos por parte dos alunos.

 

 

Dinâmica da aula:

A turma deverá ser dividida em grupos, que possam possibilitar a discussão da HQ sem prejudicar o entendimento, grupos grandes demais podem atrapalhar na leitura. É possível distribuir um resumo da história de Sundiata, bem como uma pequena biografia do autor da HQ, Will Eisner, e fazer uma leitura compartilhada desses textos. Serão distribuídos exemplares da história em quadrinhos para cada grupo. Após isso, será feita uma leitura compartilhada, em que o professor pode ler a revista com os grupos, ou solicitar que cada grupo leia uma parte. Após isso, será feito um debate, em que o professor pode conduzir as questões. Por fim, pode ser solicitada uma redação aos alunos, em que discutam um tema que acharam importante após a leitura, ou o professor pode indicar temas.

 

 

Turmas: da 5° a 7° série

 

Materiais Necessários:

 

Dependendo do tamanho da turma, de 5 a sete exemplares da HQ Sundiata, o Leão de Mali. Textos para cada aluno com um resumo da história de Sundiata, bem como pequena biografia do autor.


Aporte ao Trabalho: Resumo da História de Sundiata e Pequena Biografia do autor da história em Quadrinhos, que pode ser distribuída aos alunos.

 

 

 

SUNDIATA

 

 

Sundjata Keita, ou Sundiata, (também  conhecido  como  Mari Djata, o Leão de Mali) foi um rei do Império Mali.

 

Sua história é contada tradicionalmente pelos Griots, que são os responsáveis por guardar e transmistir as histórias e genealogias

dos reis.

 

Sua história tem várias versões, e é considerada por muitos uma lenda. Na história em quadrinhos que vamos ler, Sundiata nasce coxo e tem sua tribo atacada pelo ambicioso Sumanguru, porém Sundiata é preservado, cresce e acaba enfrentando Sumanguru em uma batalha épica.


Sundiata, o leão do Mali (2002)

 

(Sundiata, livro de David Wisniewski,

1999)

 

 

WILL EISNER

 

William  Erwin  Eisner  nasceu  em

 

Nova York, no dia 6 de março de

 

1917. Filho de imigrantes judeus provenientes do Império Austro- húngaro, Will se tornou um dos mais importantes cartunistas, roteiristas e editores dos Estados Unidos. Ele dá nome ao prêmio mais importante da nona arte, o Prêmio Will Eisner.

 

Suas contribuições para os quadrinhos  contam  com personagens importantes, como Spirit – detetive mascarado, criado em 1940 – até obras fundamentais para  a compreensão  das  histórias em quadrinhos, são elas: Os Quadrinhos e a Arte Sequencial (1985), e A Narrativa Gráfica (1996).

 

Além disso, em seus últimos trabalhos, Will Eisner se dedicou a produzir versões para os quadrinhos de vários clássicos da literatura, entre eles : O Cavaleiro Andante (Dom Quixote), A Baleia Branca (Moby Dick), e posteriormente produziu Sundiata.

Will Eisner, na ComicCon em San Diego

 

 

Personagem The Spirit, criado em 1940

O Último Cavaleiro Andante (2000)

 

 

Dinâmica para a condução do debate – Atividades propostas

 

 

 

 

1-  Procurar  indagar  aos  alunos  sobre  a  linguagem  da  história  em quadrinhos, e tentar mostrar como é possível se comunicar a partir desse tipo de arte. Tentar procurar entender o que os alunos acharam e entenderam da leitura, e mostrar algumas técnicas do autor, por exemplo, nesta HQ em questão, Will Eisner trabalha com poucos quadros, com o objetivo de dar a impressão da amplitude dos prados africanos, como exemplo, temos a imagem da sombra de uma árvore, que se espalha por quase toda a página:

(Sundiata – O Leão Africano, página 21)

 

 

 

2- Trabalhar com o conceito de representatividade, questionando se os alunos já viram algum herói negro em HQ’s, ou mesmo na literatura em geral. Se sim, pedir que apontem quais as semelhanças e quais as diferenças com a história de Sundiata.

 

3-  Trabalhar com o conceito de oralidade do livro (ver página 3  da HQ), a partir da figura da Pedra Cinzenta do Mal, que ao contar a história de Sundiata remete aos Griots (guardadores e contadores das histórias e genealogias dos reis).

 

 

(Sundiata – O Leão de Mali, pág 03)

 

 


4-  Trabalhar a figura de Sundiata como herói, mostrando aos alunos que as características de sua história têm muitas semelhanças com a clássica jornada do herói (como a superação das dificuldades, como por exemplo ser coxo, e sua incrível bondade), mas mostrar também o que o caracteriza na cultura dele, como exemplo disso temos as roupas e a própria espiritualidade e a forma como os personagens lidam com a magia.

(Sundiata – O Leão de Mali, pág 16)

 

 

5-  Pode-se solicitar aos alunos, como tarefa de casa, que escrevam uma história com uma protagonista negro (podendo ser um texto ou mesmo


uma história em quadrinhos), e a partir das histórias entregues trabalhar com os alunos os estereótipos que podem ter em suas histórias, de maneira a fazer com que eles entendam porque têm essas impressões, e como isso pode ser um condicionamento cultural e social.

 

6-   Por fim, esta aula pode ser utilizada como introdução para que se possa estudar Os Grandes Reinos Africanos e/ou o Magreb. Sundiata, na história é considerado o fundador do Império Mali, e esse pode ser um ponto de partida. Pode-se mostrar também as lutas entre o povo de Sundiata e o reino de Sumanguru de forma a esclarecer os interesses políticos e sociais diferentes, bem como tentar desvincular a imagem de que a África é formada por um só povo ou cultura, mas sim um continente habitado por diversas etnias, que convivem e guerreiam entre si.

 

 

Conclusão:

Sempre houve uma grande necessidade de apresentar aos alunos as culturas africanas; em um país como o nosso, forjado a partir da escravidão desses povos, é de extrema importância desnaturalizar os preconceitos raciais justificados por mais de trezentos anos. Nesse sentido, a escola como meio para que os alunos aprendam com culturas diferentes, e a partir disso consigam identificar o preconceito e combatê- lo. Atividades que apresentem a história e a cultura africana, sendo textos, livros, filmes, histórias em quadrinhos, mesmo os mais simples, servem para ampliar o horizonte cultural dos alunos, contribuindo imensamente para que se tornem cidadãos responsáveis.

 


Bibliografia utilizada:

 

·       EISNER, William. Sundiata – O Leão de Mali.

 

·       BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez,

 

2004, p. 183 – 221

 

·       TAVARES, Adriana Gomes. A Representação do negro nos livros didáticos de histó ria em Minas Gerais (1960-2005). Anais do IV Congresso de Pesquisa e Ensino de História da Educação em Minas Gerais. 2007

·       ALBERTI, Verena. Algumas estratégias para o ensino de história e cultura afro -brasileira.

 

IN: Pereira, Amilcar Araújo e MONTEIRO, Ana Maria (org.). Ensino de história e cultura afro-brasileiras e indígenas. RJ: Pallas, 2013, p. 27 – 55.