A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Sequência Didática: A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história
Disciplina de Ensino de História Profa. Antonia Terra Calazans Fernandes Caroline Passarini Sousa NºUSP: 8030951 São Paulo 2015
Sequência Didática – Ensino de História

 

 

  •  Tema: História das Mulheres Negras

 

  •  Objetivo: Fazer com que os alunos tomem conhecimento da história de uma parcela significativa da população brasileira (as mulheres negras), compreendendo que estas construíram e constroem cotidianamente nossa história, ainda que os livros didáticos e a sociedade, de um modo geral, acabem silenciando suas vozes.

 

  • Justificativa: Procuramos nessa sequência didática dar voz a personagens em muito negligenciados pela história, como é o caso das mulheres negras brasileiras. Pretendemos, portanto, preencher uma lacuna na formação dos estudantes brasileiros, propomos uma “outra história” daquela comumente contada por nossos livros didáticos enfatizando o papel fundamental da mulher negra na construção da história brasileira. Sustentamos também o compromisso com a Lei 11.645/08, que prevê o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana, assim como indígena.

 

  • Conceitos trabalhados: Invisibilidade (ausência); Agência Histórica (protagonismo); Racismo e Machismo (estereótipos); Identidade; Diversidade e Memória.
  • Materiais: Livros Didáticos, Textos e Fotografias.

Esta sequência didática é composta por quatro atividades, as quais poderão levar mais ou menos tempo para serem executadas dependendo do contexto de cada turma. Fica a critério de o professor estabelecer a quantidade de aulas necessárias para a execução de cada uma delas.

 

Atividade 1

A proposta é começar a aula com uma conversa informal com os alunos – um bate papo – sobre as mulheres na história, sobre o que vem à cabeça deles sobre este assunto, algo bem leve e descontraído. Em seguida pedir para a sala como um todo dizer nomes de mulheres importantes para história (o professor pode acompanhar “listando” esses nomes na lousa); e a cada nome que surge indagar um pouco sobre o que os alunos sabem sobre essas mulheres, os seus “feitos” e o porquê acham que estas são importantes para história – seguindo aquele clima informal -.

Após essa conversa inicial, o professor deverá propor uma pesquisa em livros didáticos – a ideia aqui não é propor uma tarefa de casa, e sim uma atividade para ser realizada na escola, podendo ser na sala de aula ou biblioteca da escola -. A pesquisa nos livros didáticos concentra o debate anterior, os alunos devem procurar as mulheres nesses livros, seguindo um roteiro dado pelo professor (segue abaixo sugestão de roteiro, as perguntas devem fomentar a reflexão dos alunos acerca do papel das mulheres na história, a forma como elas são representadas, se são todas iguais, etc.)

Após analisar alguns livros:

- Existem muitas mulheres representadas?

- São mais ou menos mulheres do que você se recordava?

- Como essas mulheres são colocadas nos livros? Elas trabalham? Qual Sua profissão?

- Essas mulheres são independentes?

- Como elas se vestem? Suas roupas demonstram sua descendência? Qual?

- O que elas fizeram? - Como são essas mulheres? São todas iguais?

- Elas estudaram?

- São mulheres casadas ou solteiras?

- No período em que viveram foram consideradas grandes mulheres ou diferentes do que era normal?

Após a pesquisa o professor deve agora promover um diálogo – a sala toda –com os alunos sobre os resultados obtidos, passando por cada uma das perguntas e confrontando as respostas. É importante que o professor proponha aos alunos a reflexão a respeito da diversidade das mulheres representadas nos livros didáticos, se a diversidade existe ou não – diversidade de raça e classe –, atentando para a ausência maior, conforme nossa hipótese, de mulheres negras e pobres.

 

Atividade 2

A atividade se inicia com a formação de seis grupos na sala de aula. Para cada grupo será entregue uma imagem (foto ou gravura) contendo uma mulher negra. A proposta é que em grupo os alunos, sem saber quem são essas mulheres, criem uma narrativa sobre a vida delas. A atividade é totalmente livre, os alunos devem criar uma história sobre aquela mulher, sua vida, seu trabalho, etc. Cabe ao professor circular pela sala auxiliando os grupos com perguntas sobre a história que estão criando, quanto mais detalhes, mais elementos para debater.

Seguem abaixo sugestões de imagens (o professor tem total autonomia para trocar as imagens, conforme lhe pareça necessário):

1) Elza Soares


2) Rainha Nzinga Mbandi


3) Maria Soldado (Maria José Bezerra)


4) Teresa de Benguela


4) Lélia Gonzalez


5) Sueli Carneiro

Quando todos os grupos terminarem a elaboração de suas histórias, as histórias devem circular entre os grupos para que toda a sala tome conhecimento de todas elas. Em seguida o professor pode iniciar uma conversa sobre as histórias, a fim de recolher as impressões gerais dos alunos. A intenção é não aprofundar muito a discussão dos textos, antes levantar as questões que chamaram a atenção dos alunos para serem problematizadas no decorrer da próxima etapa, esta apresentada logo abaixo.

Após essa conversa a atividade segue com a leitura coletiva de um texto, que deve ser distribuído para todos os alunos e o professor deve promover a leitura em voz alta. A ideia principal é que, ao ler o texto, o professor dê ênfase em alguns aspectos, interrompendo a leitura em pontos que considere importantes no texto e propondo questões, fomentando assim a participação dos alunos. A partir desse texto espera-se que os alunos possam refletir sobre a história feita por eles. A intenção é fazer com que eles reflitam para discutir.

 

O texto escolhido é uma apresentação do livro “Mulheres Negras do Brasil” de Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil, feita por Sueli Carneiro. Nele a ausência de mulheres negras na historiografia oficial é identificada, além de ressaltar a inserção das mesmas na história, seja por feitos grandiosos ou pela ação cotidiana. Fazer com que eles percebam que a história é feita por todos. A ideia é justamente tirar do imaginário dos alunos que só fazem a história “grandes homens” atuando na política ou nas guerras, além de identificar por quem a história é escrita (homens) e porque cabe as mulheres papel reduzido – ainda mais reduzido para as mulheres negra-, cabe ao professor selecionar partes do texto para uma discussão mais aprofundada desses aspectos. A escolha do texto tem a intenção de dar voz à mulher negra que conta sua própria história. Importante não mencionar nesse momento o nome de Sueli como autora do texto.
 

Ao fim da conversa, o professor pode revelar o nome de cada uma daquelas mulheres e pedir uma pesquisa detalhada, que deve ser feita em casa, da vida delas. É importante que o professor também faça sua pesquisa para que aluno e professor possam complementar informações e impressões posteriormente.

 

Texto:

“Em sendo mulher negra, percorrer as páginas deste livro é ter a alma devastada e dilacerada pela dor, pela memória de infindáveis humilhações, suplícios e punições por carregar simultaneamente uma cor de pele e um sexo considerados a marca do pecado original, raiz de todos os males e dores dos homens. Somos testemunhas, sobreviventes dessa história em que uma raça e um sexo condenados compõem uma unidade que aprisiona o corpo feminino negro deslocando-o para o domínio do não-ser. Antítese do ser hegemônico, os homens brancos; antítese do ideal feminino, as mulheres brancas.

Se não é possível subtrair a violência dessa história como foi comum em nossa tradição cultural de romantizar a escravidão no Brasil e abrandar as suas consequências nota-se, nesta obra, o esforço de seus autores para evitar a vitimização, e resgatar os gestos largos ou miúdos de resistência que restauram a humanidade de seres humanos transformados primeiro em objetos de exploração e depois em seres humanos discriminados ou descartáveis. Então, em sendo mulher negra, percorrer as páginas desse livro é também ter a alma aquecida pelo orgulho das lutas e resistências travadas no passado e no presente das quais emergimos, cada vez mais fortes, como atesta o florescimento de organizações de mulheres negras por todo o País.

Manejando essas múltiplas contradições os autores fazem emergir aqui, contextos, personagens desconhecidas, gestos do cotidiano, tarefas sendo realizadas, violências padecidas, conformando seres humanos concretos portadores de história, dignidade e luta. Vidas jorrando, se perdendo ou se afirmando em períodos históricos sensível, delicada e cuidadosamente recortados, cada qual com suas cores e sombras e a percorrer-lhes todos, mulheres negras. São Elas nos Primeiros séculos do Brasil; são elas Abolindo o Império; são elas conformando a República das Mulheres; são elas Rasgando os panos; marcações dos diferentes tempos e contextos em que elas, primeiro escravas, depois libertas, sempre oprimidas ou discriminadas, resistem, combatem, superam a negação peremptória de sua plena humanidade que a raça e o sexo lhes impõe como atavismo até o presente. Assim a busca arqueológica perfaz a reconstrução do tempo por meio da Iconografia, dos documentos, fotografias, relatos de viajantes, disposições arquitetônicas, levantados como esmero trazendo-nos personagens que saem das sobras e ocupam ruas, moinhos de açúcar, cozinhas, senzalas, quilombos.
 

Livres, as suas saias rodadas, as cores vistosas, os panos da costa, os torsos coloridos começam a esmaecer. Os tons vão se acinzentando como a existência diante da evidência de que a conquista da liberdade e da igualdade pode ser sempre frustrada pela ação implacável do racismo e da discriminação. Mas lá como cá, hoje como ontem a subordinação imposta como destino é subvertida e lá vêm elas: são professoras, escritoras, deputadas, pintoras, atletas, maestrinas, compositoras, ativistas, militantes desafiando os persistentes processos de exclusão.
Assim, Mulheres Negras do Brasil é uma publicação que reafirma a frase que vimos utilizando com frequência no âmbito do Movimento de Mulheres Negras: “Nossos passos vêm de longe”. Ela reflete a longa trajetória em que se vem constituindo a inserção dos povos negros no Brasil, revelando no interior dessa saga uma outra história, mais invisível, a das mulheres negras. Mulheres ocultadas e silenciadas por um historiografia oficial que, na maior parte da sua expressão, permanece branca e masculina, e que mantém na irrelevância formas de resistência humana a processos de opressão que deveriam compor o patrimônio das lutas libertárias do país e de toda a humanidade. É essa lacuna que este livro preenche, iluminando trajetórias de vida, sofrimentos, lutas e conquistas apesar de todas as estratégias de opressão, sujeição e eliminação.”

 

Glossário:

Peremptória: Categórica; “Que não aceita dúvidas”.
Atavismo: “Herança”.
Maestrinas: “Mulher que dirige orquestra, banda ou coro”.

 

Atividade 3

O objetivo dessa atividade é confrontar possíveis preconceitos e estereótipos em relação às mulheres negras e, sobretudo comparar a história construída pelos alunos e os dados bibliográficos que temos sobre as mulheres, verificar se existem semelhanças e diferenças entre elas (as histórias) e ao identificá-las promover o debate com os alunos. A terceira atividade consiste justamente na discussão que será fruto do confronto entre as duas histórias. Agora os alunos têm as “duas histórias” de cada uma dessas mulheres, mais as impressões fruto da discussão sobre o texto escrito por Sueli Carneiro – nesse momento a identidade da autora pode ser revelada, inclusive, se possível, mostrado o livro Mulheres Negras do Brasil, e promovendo maior diálogo. O importante é promover a reflexão dos alunos sobre o papel histórico dessas mulheres, e indaga-los do porque não aprendemos suas histórias. Suas histórias não seriam importantes?

Ao fim da atividade o professor deverá propor que os alunos, em duplas, realizem entrevistas com alguma mulher negra (podendo ser da família ou não, ou mesmo pessoas que trabalhem na própria escola). A ideia principal dessa entrevista é que as questões sejam construídas coletivamente com os alunos a partir das discussões feitas em sala de aula, o que apresentamos aqui é apenas uma sugestão. Os alunos podem, a partir das respostas das entrevistadas, formularem perguntas novas perguntas (o roteiro é uma sugestão ao professor e uma base para os alunos), o intuito é instiga-los conforme os temas trabalhados.

 

Roteiro para entrevista:

  •  Nome:
  •  Idade:
  •  Como você se identifica?
  •  Qual sua profissão? Se pudesse exercer outra profissão, qual seria?
  •  Você conhece importantes mulheres negras em nossa história? Quais?
  •   Se não, por que você acha que isso acontece? Você acredita que as mulheres negras não tenham feito parte efetivamente da história?
  •  Em sua opinião, como as mulheres negras participaram e participam da história do Brasil?

Atividade 4
Após a realização das entrevistas, as quais deveram ser feitas num período de contra turno, o professor deve realizar uma conversa com os alunos sobre as mesmas, como foi o processo, quem foi entrevistada, o que descobriram, o que mais lhes chamou a atenção, se gostaram da atividade.
Ao fim cada dupla deve entregar a entrevista por escrito e cada aluno deve elaborar uma pequena redação (entre 10 e 15 linhas) sobre suas impressões e opiniões sobre as atividades realizadas e o que aprenderam de importante com elas.

 

Bibliografia:
BOSI, Ecléa. “A substância Social da Memória”. In: O tempo vivo da memória. Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003, 3ª Edição. P.16-25.
CUNHA, Maria de Fátima da. “Mulher e Historiografia: da visibilidade à diferença”. In: Hist. Ensino, Londrina, v.6, p.141-161, out.2000.
DIAS, Maria Odila. Escravas - “Resistir e Sobreviver”. In: PINSKY, Carla Bassenezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova História das Mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2012. p.360-381.
NEPOMUCENO, Bebel. Mulheres Negras – “Protagonismo Ignorado”. In: PINSKY, Carla Bassenezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova História das Mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2012.p.382-409.
SCHUMAHER, Shuma; VITAL BRAZIL, Érico. Mulheres Negras do Brasil. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2007
SCOTT, J. “História das Mulheres”. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992. p. 63-96.
SILVA, Tânia Maria Gomes da. “Trajetória da Historiografia das mulheres no Brasil”. In: POLITEIA: Hist. E Soc., Vitória da Conquista, v.8, n.1, p.223-231, 2008.
Imagens:
- Rainha Nzinga Mbandi: http://www.geledes.org.br/nzinga-a-rainha-negra-que-combateu-os-trafican...
- Teresa de Benguela: http://blackwomenofbrazil.co/2014/07/25/july-25th-brazils-national-day-o...
- Maria (Soldado) José Bezerra: Foto retirada do livro Mulheres Negras do Brasil, p.278
- Elza Soares: http://extra.globo.com/incoming/13686105-673-0e2/w448/elza-garrinchinha.jpg
- Lélia Gonzalez: http://namidianews.com.br/wp-content/uploads/2014/05/lelia1.jpg
- Sueli Carneiro: https://lh5.googleusercontent.com/-2XpGUCyVFQg/TjVqcGk3ziI/AAAAAAAADqI/Y...
Como opção, para saber mais sobre Nzinga e Teresa de Benguela, acessar o site do portal Geledes:
http://www.geledes.org.br/nzinga-a-rainha-negra-que-combateu-os-trafican...
http://www.geledes.org.br/tereza-de-benguela-uma-heroina-negra/#gs.de6d1cc7c6784fe3a8172c35b2fa9d97

AnexoTamanho
Caroline Sousa Sequencia mulheres negras.pdf812.81 KB