A educação anarquista no Brasil

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História

Seqüência Didática

Nome: Victor Ruy Rossetti

Número USP: 8981761

Disciplina: A Escola no Mundo Contemporâneo

Prof.ª Antonia Terra

Seqüência Didática: A educação anarquista no Brasil

 

1. Introdução

 

 

Os anarquistas são contrários a qualquer forma de dominação e opressão que possa existir numa sociedade, para a qual defendem uma comunidade mais igualitária e solitária. Os anarquistas visam a liberdade, portanto, qualquer instituição dotada de poder seria um entrave para o determinado objetivo. São contrários ao Estado, à Igreja e à propriedade privada. Percebe-se que os conceitos de anarquismo passam distantes dos pensamentos que associam o anarquismo com ausência de ordem e excesso de bagunça.

 

Foi no final do século XIX que os anarquistas começaram a tomar espaço no Brasil, assumindo a frente de diversos movimentos operários; o caminho encontrado para a dispersão da ideologia anarquista foi a educação.

 

Os anarquistas entediam que a escola era um dos veículos mais importantes para se educar um ser humano. A educação para os anarquistas abrangia aspectos culturais e literários, estando estes articulados. O projeto educativo que os anarquistas desenvolveram estava distante do Estado e da Igreja, definitivamente por questões de princípios.

 

A escola não era o único meio pelo qual os anarquistas pretendiam estabelecer seu âmbito educacional; pelo contrário, este saía da esfera escolar. A educação era vista de três pontos de vista que se somavam necessariamente: Educação formal, Educação não formal e Educação informal.

 

Quanto a educação formal, é aquela desenvolvida dentro da instituição escola, com disciplinas ministradas por um tutor, conhecimento sistematizado e  em  muitos  casos, tendo como pilar o método racionalista, quando se tratava das “Escolas Livres”. A educação não-formal está nas palestras e conferências, ou seja, não pressupõe um tempo ou local  fixos, não oferecendo  necessariamente um diploma, mas possibilita temas livres e debates, e obviamente, leva ao conhecimento. Em terceiro, a educação informal relaciona-se com qualquer forma de aprendizado e possibilidades educativas que estão presentes no dia-a-dia, portanto, não necessariamente demandam uma organização.

 

Todas as práticas de educação anarquista são tratadas com a mesma importância, e formaram uma rede bem ampla, que atingiu, sobremaneira, a cidade de São Paulo. A educação anarquista estava conectada com o movimento operário; prova disso, por exemplo,  foi  a  criação  da  Escola  Moderna  em  São  Paulo  (educação  formal)  e  os diversos comícios e conferências que se realizaram (educação não-formal); a isso soma- se as manifestações constantes (educação informal).



 

 

2. Objetivos

 

 

 

 

- Quebrar os supostos paradigmas construídos a respeito do anarquismo;

 

- Explicar a origem do ensino anarquista no Brasil, contextualizando-o;

 

- Apresentar a abrangência do ensino anarquista no país.

 

- Debater a contribuição dos operários no processo cultural brasileiro;

 

-Explicar o que foi o movimento pedagógico “Escola Moderna”;

 

-Explicar e debater a importância da educação anarquista frente aos demais modelos estabelecidos.

 

 

 

 

O público alvo são os alunos da graduação; o conteúdo programado pressupõe quatro aulas com duração de 4 horas cada; essas aulas serão distribuídas em quatro partes.

 

3. Dinâmica das aulas

 

As aulas acontecerão em uma mescla que incluirá a explicação de conteúdo através de slides previamente construídos e elaborados, tomando como base: livros, textos e artigos, que serão indicados nos tópicos adiante; será amplamente alimentada a participação  dos  alunos  em  sala  de  aula,  em  diversos  debates  programados  e organizados pelo docente.

 

4. Conteúdo

 

4.1 Materiais Utilizados

 

Os materiais aqui citados estão como sugestões para o professor, e não serão utilizados em sua totalidade, necessariamente. O objetivo é proporcionar ao tutor uma gama suficiente de material para um bom desenvolvimento das aulas.

 

a) Filmes

 

- V de Vingança (V for Vendetta, no original).

 

b) Documentários

 

Todos os documentários estão disponibilizados no site youtube.com.

 

- Escolas modernas (1995) – Coletivo Cinestesia;

 

- A Plebe - Trabalho sobre a Imprensa Anarquista durante a Greve Geral de 1917;


- Anarquismo no Brasil: das origens a 1930 // LPPE UERJ;

- Anarquismo no Brasil: 1930 a 1980 // LPPE UERJ. c) Periódicos

 

- Ácratas: revista publicada nas primeiras décadas do século XX;

 

- O amigo do povo: periódico publicado por volta de 1902;

 

- Arte e vida: revista de arte e poesia do início do século XX;

 

- Fenikso Nigra: coletivo aberto cujo produto é um jornal, publicado tanto em esperanto quanto em português, na cidade de Campinas/SP, tendo se iniciado em 2005.

 

d) Literatura

 

- Contos anarquistas – temas e textos da prosa libertária no Brasil - 1890-1935.

 

e) Textos e Artigos

 

Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista no Brasil;

 

Gallo,          Silvio,          “O          paradigma          anarquista          em          educação”.

<http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0132.html>;

 

Moraes, José Damiro (2009), “Anarquismo no currículo”. Revista de História, 5 de agosto, <http://www.revistadehistoria.com.br/secao/educacao/anarquismo-no- curriculo>;

 

Moraes, José Damiro, “Educação anarquista no Brasil da Primeira República”,

<http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_052.html>;

 

Pascal, Maria Aparecida Macedo (2006), “A pedagogia libertária: um resgate histórico”.

Congresso               Internacional               de               Pedagogia               Social,março

<http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000092006000100032&sc ript=sci_arttext>;

Silvio Gallo - A Educação e Controle. f) Sites

 

- www.hemerotecadigital.bn.br/

 

- www.youtube.com


4.2 Bibliografia Indicada

 

O professor contará com esta bibliografia para embasar as aulas e poderá indicá-las aos discentes para complemento do curso ou base para a avaliação.

 

CARONE, Edgar. Movimento operário no Brasil. São Paulo:Difel, 1979;

 

FERREIRA, Maria Nazareth. A Imprensa Operária no Brasil 1880-1920. Petrópolis: Vozes, 1978;

 

GALLO,  Silvio.  Pedagogia  Libertária:  anarquistas,  anarquismos  e  educação.  São

Paulo/Manaus: Imaginário/Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.

 

 

 

 

PARTE I

 

5. Desenvolvimento e dinâmica da primeira aula

 

5.1 Primeira Parte – uma hora e quarenta de duração

 

A primeira aula se inicia com uma apresentação de documentários sobre o anarquismo,  a  partir  das  sugestões  do  item  3.1;  porém,  o  mais  indicado  é  o documentário “Escolas Modernas”, de 1995. Este documentário do Coletivo Cinestesia fala sobre os projetos educacionais dos operários anarquistas de São Paulo no início do século XX, como alternativa à educação oferecida pelo Estado e pela Igreja. Segue abaixo as fontes para as partes 1 e 2:

 

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=35hLUVNSX0c – PARTE 1;

 

https://www.youtube.com/watch?v=azi_LLDBqls – PARTE 2.

 

O objetivo desta primeira parte é que os discentes tomem o primeiro contato com o tema sem a intervenção do professor, fazendo com que os alunos formalizem as primeiras idéias e conclusões. Logo após, o tutor dará a introdução ao tema das aulas, explicando alguns dos conceitos principais do anarquismo, que neste caso serão:

 

a) Autonomia individual;

 

b) Autogestão social; c) Internacionalismo; d) Ação direta.

Para embasar esta primeira parte da aula, foi selecionada uma parte de um dos artigos de Silvio Gallo, publicado em 1996, em Nuances, revista pertencente a UNESP, na cidade de Presidente Prudente. Segue adiante o artigo:


O Anarquismo vem sendo recuperado, pelo menos ao nível das pesquisas acadêmicas, como uma filosofia política; tal recuperação ganhou mais razão de ser com a propalada "crise dos paradigmas" nas ciências sociais, intensificada com os acontecimentos políticos  nos  países  do  leste  europeu  e  na  ex-União  Soviética,  com  a  queda  do socialismo  real.  Ante  a  falta  de  referenciais  sólidos  para  uma  análise  política  da realidade cotidiana, o Anarquismo volta à cena.

 

Quando estudamos o Anarquismo, porém, vemos que seria muito mais correto falarmos em Anarquismos, e não seriam poucos... Como, então, falarmos em um paradigma anarquista? Muito rapidamente, gostaria de demonstrar aqui que considerar o Anarquismo uma doutrina política é um sério problema, tanto prática quanto conceitualmente. Dada a diversidade de perspectivas assumidas pelos diversos teóricos e militantes do movimento anarquista histórico, seria impossível agrupá-las todas numa única doutrina; por outro lado, a força do Anarquismo estaria justamente no fato de não caber a ele a solidificação de princípios que impõe a constituição de uma doutrina. Se ele pode ser uma teoria política aglutinadora de largas parcelas do movimento operário europeu no século passado e se pode ser também uma teoria política que permite a análise dos fatos sociais contemporâneos é justamente porque não se constitui numa doutrina.

 

 

 

 

O PARADIGMA ANARQUISTA

 

Para que entendamos a real dimensão da filosofia política do anarquismo, é necessário que o entendamos como constituído por uma atitude, a de negação de toda e qualquer autoridade e a afirmação da liberdade. O próprio ato de transformar essa atitude radical em um corpo de idéias abstratas, eternas e válidas em qualquer situação seria a negação do princípio básico da liberdade. Admitir o Anarquismo como uma doutrina política é provocar o seu sepultamento, é negar sua principal força, a afirmação da liberdade e a negação radical da dominação e da exploração.

 

Devemos, assim, considerar o anarquismo como um princípio gerador, uma atitude básica que pode e deve assumir as mais diversas características particulares de acordo com as condições sociais e históricas às quais é submetido. O princípio gerador anarquista é formado por quatro princípios básicos de teoria e de ação: autonomia individual, autogestão social, internacionalismo e ação direta. Vejamos brevemente cada um deles.

 

Autonomia individual: o socialismo libertário vê no indivíduo a célula fundamental de qualquer grupo ou associação, elemento esse que não pode ser preterido em nome do grupo. A relação indivíduo/sociedade, no Anarquismo, é essencialmente dialética: o indivíduo, enquanto pessoa humana, só existe se pertencente a um grupo social - a idéia de um homem isolado da sociedade é absurda -; a sociedade, por sua vez, só existe enquanto agrupamento de indivíduos que, ao constituí-la, não perdem sua condição de indivíduos autônomos, mas a constroem. A própria idéia de indivíduo só é possível


enquanto constituinte de uma sociedade. A ação anarquista é essencialmente social, mas baseada em cada um dos indivíduos que compõem a sociedade, e voltada para cada um deles.

 

Autogestão social: em decorrência do princípio de liberdade individual, o Anarquismo é contrário a todo e qualquer poder institucionalizado, contra qualquer autoridade e hierarquização e qualquer forma de associação assim constituída. Para os anarquistas a gestão da sociedade deve ser direta, fruto dela própria, o que ficou conhecido como autogestão. Radicalmente contrários à democracia representativa, onde determinado número de representantes é eleito para agir em nome da população,os libertários propõem uma democracia participativa, onde cada pessoa participe ativamente dos destinos políticos de sua comunidade.

 

Internacionalismo: a constituição dos Estados-nação europeus foi um empreendimento político ligado à ascensão e consolidação do capitalismo, sendo, portanto, expressão de um processo de dominação e exploração; para os anarquistas, é inconcebível que uma luta política pela emancipação dos trabalhadores e pela construção de uma sociedade libertária possa se restringir a uma ou a algumas dessas unidades geopolíticas às quais chamamos países. Daí a defesa de um internacionalismo da revolução, que só teria sentido se fosse globalizada.

 

Ação direta: a tática de luta anarquista é a da ação direta; as massas devem construir a revolução e gerir o processo como obra delas próprias. A ação direta anarquista traduz- se principalmente nas atividades de propaganda e educação, destinadas a despertar nas massas a consciência das contradições sociais a que estão submetidas, fazendo com que o desejo e a consciência da necessidade da revolução surja em cada um dos indivíduos. Pode-se dizer que a principal fonte da ação direta foi a da propaganda, através dos jornais e revistas, assim como da literatura e do teatro. Outro veio importante foi o da educação, propriamente dita - formal ou informal - como veremos adiante.

 

Tomando o Anarquismo como princípio gerador, ancorado nesses quatro princípios básicos, podemos falar nele como um paradigma de análise político-social, pois existiria assim um único Anarquismo que assumiria diferentes formas e facetas de interpretação da realidade e de ação de acordo com omomento e as condições históricas em que fosse aplicado. É nesse sentido que trataremos, aqui, da aplicação do paradigma anarquista à teoria da educação.

 

Fonte: http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0132.html

 

 

 

 

5.2 Segunda Parte – uma hora e quarenta de duração

 

Primeiramente,haverá a explicação do desenvolvimento da educação anarquista no Brasil com apresentação de slides contendo, também, se possível, imagens e depoimentos de operários, com bases, entre outras, no texto “Educação anarquista no Brasil da Primeira República”, de José Damiro Moraes.


 

Em  seguida,  para  um  aprofundamento  do  tema  e  revisão,  a  proposta  é  uma interpretaçãodas seguintes imagens.

 

Fonte: 1001cosasdivertidas.blogspot.com

 

Fonte:http://desacato.info/leitura-critica/que falem-as-paredes/

 

 

Fonte: http://dilbertorosa.com/tag/frase-anarquista

 

 

 

Paralelamente  à  interpretação  das  imagens,  as  seguintes  questões  podem  ser debatidas em sala de aula:


a) Qual a importância da educação para os anarquistas?

 

b) Quais são os elementos básicos da educação anarquista?

 

c) Qual a relação de um Estado autoritário com a educação de uma população?

 

d) O que as pixações e a arte urbana podem representar para um anarquista?

 

 

 

5.3Terceira Parte – quarenta minutos de duração

 

A terceira etapa contemplará um debate sobre a importância, e as vantagens e desvantagens da instituição de um modelo anarquista de ensino; no final desta primeira aula, o professor adequará uma sugestão de leitura dos textos e artigos propostos no item 3.1, para ser debatidos no início da aula seguinte.

 

 

 

 

 

PARTE II

 

6. Desenvolvimento e dinâmica da segunda aula

 

6.1 Primeira parte – duração de uma hora

 

Nesta primeira parte, serão debatidos e trabalhados na classe dois textos recomendados pelo professor na aula anterior.

 

6.2 Segunda Parte – duração de três horas

 

Com o propósito de descontração e aprendizado, será posto como sugestão a apresentação do filme V de Vingança (V for Vendetta, no original); o professor deve trazê-lo para a aula. O filme é adaptado da série de quadrinhos de mesmo nome, produzida por Alan Moore. Embora a adaptação mantenha certa distância da versão em quadrinhos no que tange a questão de conteúdo, o filme é indiscutivelmente recomendável e pertinente ao desenvolvimento das aulas.



 

 

Sinopse: Em uma Inglaterra do futuro, onde está em vigor um regime totalitário, vive Evey Hammond (Natalie Portman). Ela é salva de uma situação de vida ou morte por um homem mascarado, conhecido apenas pelo codinome V (Hugo Weaving), que é extremamente carismático e habilidoso na arte do combate e da destruição. Ao convocar seus compatriotas a se rebelar contra a tirania e a opressão do governo inglês, V provoca uma verdadeira revolução. Enquanto Evey tenta saber mais sobre o passado de V, ela termina por descobrir quem é e seu papel no plano de seu salvador para trazer liberdade e justiça ao país.

 

Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-58911/

 

Atividade: após o filme, o professor vai realizar um pequeno debate sobre os elementos do filme que o trazem ou que o afastam dos conceitos anarquistas.

 

 

 

 

PARTE III

 

7. Desenvolvimento e dinâmica da terceira aula

 

7.1 Primeira Parte – duração de duas horas

 

Nesta primeira parte da aula será apresentado aos alunos os conceitos de “Escola

Moderna”, seus princípios e a ponte com a pedagogia libertária.

 

7.2 Primeira Parte – duração de duas horas

 

O professor apresentará para a turma alguns elementos chave da pedagogia libertária e o seu desenvolvimento no Brasil, a partir de apresentação de slides. Estes serão baseados no texto da Professora Maria Aparecida Macedo Pascal, intitulado “A pedagogia libertária: um resgate histórico”; mais especificamente, o trecho “Pedagogia Libertária”, que segue adiante:

 

 

“Pedagogia Libertária”


 

A memória da Pedagogia Libertária no Brasil foi sempre deficiente de registros e documentos, até para proteger os militantes, num período de intensa repressão. A pedagogia oficial muitas vezes em função da oposição às idéias anarquistas deixou no esquecimento esta importante contribuição. Por sua vez, como os libertários opunham- se tanto as formas de produção capitalistas como ao comunismo autoritário, contestando a existência do próprio Estado, e propondo a autogestão. A pedagogia libertária neste contexto tinha enorme importância já que contribuía para a consciência e emancipação da classe trabalhadora.

 

A construção de uma nova sociedade apoiava-se em grande parte nas idéias de uma educação nova, feita em outras bases e valores, tais como o respeito à liberdade, à individualidade e, sobretudo à criança.

 

A pedagogia anarquista denunciava a escola oficial como reprodutora dos interesses da

Igreja e do Estado enquanto promovia uma renovação dos métodos e valores.

 

Educar é tornar o homem mais capaz possível de aproveitar, do melhor modo, as energias física, mental, moral, prática e social. Educação física é o cultivo da robustez não da força, da saúde, da agilidade. Educação mental é a formação da inteligência, seu desenvolvimento racional e harmônico, erudição, cultura, arte.

 

O respeito à liberdade nas escolas anarquistas estava configurado nas salas de aulas para ambos os sexos, aberta a todas as classes sociais e ensino racional e integral. Nesta época, isto representava uma contestação à educação do período, baseada em preconceitos, estereótipos e dogmas.

 

Durante a Comuna de Paris, as propostas libertárias no campo da educação ganharam enorme expressão.

 

Herdadas das idéias de Proudhon e Blanqui, entre outros, representavam um momento importante na luta pela laicização do ensino, processo iniciado um século antes pela Revolução Francesa e que interessava ao proletariado ampliar.

 

O precursor da pedagogia libertária foi o francês Paul Robin. Entre 1880 e 1894, Robin sistematizou suas teses nos congressos da Associação Internacional dos Trabalhadores. No Orfanato Prévost, situado nos arredores de Paris, Robin iniciou a aplicação de seus princípios de educação integral. Considerava que a educação compreendia a formação intelectual e a construção dos próprios saberes a partir das experiências.

 

A educação física era nesta metodologia uma proposta que não visava a competição, mas a solidariedade. A educação manual se desdobrava numa politécnica e a educação moral se configurava numa preparação para a vida em liberdade, a partir dos relacionamentos entre professores, funcionários e educandos.

 

Educação moral é o cultivo da vontade, sua direção na realização do bem estar comum. Educação prática é o treino da habilidade técnica ou vocação profissional. Educação social é o aperfeiçoamento da solidariedade como multiplicador de energias.


Em Barcelona, o professor catalão Ferrer i Guardiã criou a Escola Moderna no período compreendido entre 1901 e 1905. Ferrer desenvolveu o método racional, enfatizando as ciências naturais com certa influência positivista, privilegiando a educação integral. Propõe uma metodologia baseada na cooperação e respeito mútuo. Sua escola deveria ser freqüentada por crianças de ambos os sexos para desfrutarem de uma relação de igualdade desde cedo.

 

A concepção burguesa de castigos, repressão, submissão e obediência, deveria ser substituída pela teoria libertária, de formação do novo homem e da nova mulher. Ferrer considerava que o cientificismo não era um saber neutro. Aqueles que têm o poder se esforçam por legitimá-lo através de teses científicas.

 

Em 1909, Ferrer foi preso e condenado ao fuzilamento pelo governo monárquico espanhol. Posteriormente, com a ascensão do fascismo na Espanha em 1939, as escolas criadas por Ferrer foram fechadas. Contudo, suas idéias levaram à criação de outras escolas nas Américas e, sobretudo, no Brasil.

 

Com a morte de Ferrer em 1909 na Espanha,  os anarquistas brasileiros criaram o Comitê pró Escola-Moderna com o objetivo de incentivar o mesmo modelo de escola em nosso país. A preocupação dos libertários com o analfabetismo no movimento operário era grande. O jornal O amigo do povo declarava: "É necessário que o povo saiba, aprenda [...] Por isso nós queremos ensinar, principiar no presente a construção do futuro [...] Não há liberdade possível onde está a ignorância, onde assenta o fanatismo, onde se crê em fantasmas, onde reside a torpeza."

 

Em 1895, surge no Rio Grande do Sul, a Escola União Operária. Na cidade de São Paulo foram criadas duas escolas modernas. A primeira, em 1912 para ambos os sexos, organizada pelo Prof. João Penteado e situada na Rua Saldanha Marinho. A segunda, no Brás, na Rua Muller. Ambas as experiências tiveram curta duração pela pressão dos setores conservadores. Na construção dessa pedagogia libertária tiveram importante papel João Penteado e outros intelectuais, dentre eles: Adelino de Pinho e Florentino de Carvalho.

 

Penteado defendia a igualdade de todos livres  sobre a terra livre,  visão que ia de encontro ao objetivo da escola racionalista, ou seja, reabilitar a humanidade para a vida em harmonia e fraternidade.

 

No  Brasil,  as  escolas  de  educação  libertária  além  de  contestarem  a  pedagogia tradicional, constituíam-se numa das poucas opções de educação da classe trabalhadora, tendo em vista a omissão do Estado neste aspecto.

 

A educação de adultos e o ensino profissional eram atendidos também pelas escolas libertárias.

 

Os Centros de Cultura Social realizavam cursos, palestras aos domingos e à noite, para atender os trabalhadores. Os jornais eram utilizados em sala de aula, servindo para divulgar as idéias libertárias e conhecer as experiências educacionais desta linha em outros países.


Nas oficinas a imprensa era uma das possibilidades de profissionalização, tendo como objetivo de todo educando, a educação integral.

 

Os trabalhadores haviam abandonado a escola pela fábrica aos seis ou sete anos de idade, daí o analfabetismo.

 

Por isso, os mais ilustrados tinham que ler os jornais e prospectos em voz alta em grupo nos locais e horas de almoço (...) para que os analfabetos pudessem ouvir, compreender as idéias, os métodos de luta, memorizá-los e assimilá-los.

 

Os libertários consideravam que a educação e a profissionalização permitiam estruturar melhor as formas de luta e resistência dos trabalhadores, evidenciando sua importância na revolução social.

 

Até 1920, pode-se dizer que os libertários fizeram mais pela educação operária e excluídos do que o ensino oficial.

 

Aproveitava-se todo tempo livre: o horário de almoço, os finais de semana, as noites, todos preenchidos com palestras, debates, teatro,cursos, jornais. Desde a formação do Comitê Pró Escola Moderna, em 1909, previa-se a criação de uma editora para livros escolares que deveriam ser cedidos ou vendidos a baixo preço,.

 

A metodologia destas escolas enfatizava a co-educação dos sexos a convivência diferentes das classes sociais, a formação moral, e o ensino não dogmático, baseado nas ciências naturais, fato que gerou uma certa crítica pelo caráter acentuado da teoria positivista.

 

A  transformação  da  sociedade  e  o  propósito  da  revolução  social  alimentavam  a educação libertária. O educador João Penteado considerava que algumas instituições eram obstáculos à felicidade do povo e a educação deveria desenvolver a crítica a esta situação, abrindo caminho para a transformação social.

 

Estas experiências educacionais se repetiram em vários estados brasileiros. Os anarquistas preocupavam-se em atingir todos os segmentos etários da infância à educação de adultos, passando pela Universidade Popular de Ensino, organizada de forma temática, para que os alunos mesmo perdendo algumas palestras pudessem seguir o curso sem graves prejuízos.

 

Em São Paulo, as Escolas Modernas foram fechadas pela polícia em 1919, acusadas de propagar perigosa ideologia, num momento em que o movimento libertário sofria extrema repressão do Estado Brasileiro. Combatidos pelo capitalismo e comunismo, consideravam que a educação criando uma nova consciência, mudaria as relações cotidianas e representações sociais, estruturando uma outra sociedade, na qual a hierarquia, as diferenças sociais e formas de poder não sobreviveriam.

 

O resgate dessas idéias na sociedade atual torna-se importante não só para preservar a memória libertária, mas também para discutir suas propostas que guardam uma impressionante atualidade com os anseios e necessidades da sociedade brasileira contemporânea.


PARTE IV – avaliação – duração de quatro horas

 

Nesta última aula será realizada uma avaliação com consulta e a ser realizada em formato de dissertação com, no mínimo, duas páginas de conteúdo. O tema obviamente será “A educação anarquista no Brasil”. Os alunos poderão tomar como base: os livros da bibliografia indicada, os textos indicados e as anotações de aula.

 

Os alunos deverão descrever e articular as seguintes questões:

 

a) Os principais conceitos anarquistas;

 

b) A origem do movimento anarquista no Brasil;

 

c) Educação anarquista no Brasil da Primeira República;

 

d) O movimento pedagógico “Escola Moderna” e seus princípios;

 

e) Pedagogia Libertária no Brasil e seus conceitos.

AnexoTamanho
A educação anarquista no Brasil.pdf473.89 KB