Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola

Nome: Raphael Leon de Vasconcelos Período: vespertino

Nº Usp: 7199008

Sequência didática

Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola

-Nós somos história-

Universidade de São Paulo

São Paulo – 2º semestre de 2014

 

 

Sequência didática

 

Objetivos:

A presente sequência didática possui como objetivo fazer com que o estudante se sinta parte da escola e da própria história. Muitas vezes história é vista como uma matéria muito distante do cotidiano das crianças e dos jovens, assim o trabalho é um esforço de aproximação. A partir do estudo da própria escola a qual eles estudam, será feito algumas reflexões sobre o estudo, sobre fontes e sobre análise e pesquisa. O trabalho final consiste na montagem de uma linha do tempo história da escola a partir da perspectiva dos próprios estudantes.

 

Tuma: 6º ano do ensino fundamental

Eu decidi fazer uma sequência de aulas voltada para os alunos que estão fazendo o seu primeiro contato com a disciplina de história. A noção de tempo será uma das principais temáticas a serem apresentadas.

 

A divisão em partes

Preferi dividir a sequência em partes ao invés de aulas, pois o tempo pode variar de turma para turma. Como este conjunto de aulas depende da participação ativa dos estudantes, não é possível determinar ao certo o número exato de tempo que se levará para concluir.

 

 

Nós somos história

 

Prévia:

 

Antes de começar as aulas propriamente dita, é interessante pedir ao aluno para escrever a sua própria história de vida como estudante. Através dessas memórias será realizado um trabalho que dará ensejo a discussões como os recortes temáticos, a diversidade de narrativas históricas, memória e fontes. Além disso as memórias servirão para complementar a linha do tempo da história da escola. O trabalho final da sequência não consistirá em apenas expor as datas, mas também em contar um pouco sobre o ambiente e assim deixar a própria marca pessoal da sala que o produziu.

 

Parte 1- Os diversos tempos da história e o recorte temático

 

Através da história de vida deles, é possível montar uma linha do tempo destacando os principais eventos. É importante que o docente demonstre como se constrói uma linha para que os alunos tenham algo como modelo. Pode parecer algo óbvio, mas creio é algo que deve ser ressaltado e explicado na lousa para que dê nenhuma margem de dúvida. Deve ser traçado uma linha e na parte de cima colocado o ano em que ocorreu o evento (ou outra marcação temporal caso o estudante tenha optado por seguir uma outra) e embaixo uma pequena descrição do evento. Abaixo está um pequeno exemplo.

Depois que ela estiver pronta, será montada uma roda de conversa a qual o professor deve demonstrar que existe diversos modos de se contar uma história e que dependendo de qual será o nosso foco o resultado pode sair bem diferente, o que não significa que esteja errado. Estabelecer uma conversa é dar voz aos estudantes e é importante que eles cheguem a tais conclusões por eles mesmos, afinal é a partir das concepções deles próprios que se montará o trabalho a seguir. Para isso foi estabelecido algumas sugestões de perguntas que o professor pode fazer para começar o seu diálogo com a classe.

 

  • Que elementos vocês destacaram sobre vocês?

  • Vocês colocaram tudo sobre a sua vida?

  • Vocês não poderiam ter feito uma história da vida de vocês baseado em outras coisas? Como os videogames que jogaram? Como os passeios que fizeram?

  • Como seria uma linha do tempo desse modo?

 

Se for possível, peça aos estudantes que eles montem uma linha do tempo com outro enfoque da própria escolha deles. Pode ser uma linha que privilegie a vida deles como gamer, pode ser uma que privilegie a vida social com seus amigos, pode ser sobre as viagens que eles fizeram etc.

 

Ainda que se possa ter pontos em comum de uma linha para outra, percebe-se que a maneira de se lidar com o tempo foi diferente. Esta uma reflexão a qual os alunos deve chegar e que pode ser extrapolada para uma reflexão sobre a própria história como disciplina acadêmica.

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • Afinal, o que é história?

  • Será que é possível estudar a história do mundo inteiro e todas as coisas?

  • Será que é possível escrever uma história única? Que contemple a todas as pessoas, questões e grupos sociais do mundo?

 

Com estas perguntas a reflexão que se quer estabelecer é a necessidade de se realizar recortes temáticos e que ao se realizar tais estudos algumas coisas são destacadas mais e outras ficam excluídas. No entanto isso não significa uma vertente seja mais importante que a outra, elas só possuem finalidades distintas. História não é o estudo do passado por si só, mas também deve ser lidar com grupos sociais humanos. História é o estudo das transformações das sociedades humanas no passado.

Após estas reflexões será montado pequenos grupos de estudantes e para cada um destes grupos, será distribuído uma série de linhas do tempo e algumas perguntas em fichas. Assim os alunos poderão discutir sobre como cada linha destaca elementos específicos mesmo que às vezes represente o mesmo espaço de tempo. Peça com que eles discutam sobre qual é tema de cada um delas e que as compare. O importante dizer que os alunos não precisam entender todos os termos a qual a linha do tempo está se referindo, apenas a ideia geral sobre o que cada uma está tratando.

 

Primeira linha do tempo- História do Brasil1

 

O Brasil Colonial.............................................................................................................1500-1822

O Primeiro Reinado........................................................................................................ 1822-1831

A Regência.......................................................................................................................1831- 1840

O Segundo Reinado …....................................................................................................1840- 1889

A Primeira República.......................................................................................................1889- 1930

O Estado Getulista...........................................................................................................1930- 1945

O período democrático....................................................................................................1945- 1964

O Regime militar …........................................................................................................1964- 1985

Completa-se a transição: O Governo Sarney...................................................................1985- 1989

Modernização democrática.............................................................................................1989- ...

 

Ficha de perguntas:

  • A história do Brasil não poderia ser contada de outra forma?

  • Por que ele optou por esta forma e não outra?

  • O que o autor desta linha do tempo está privilegiando?

 

Percebe-se que está se destacando é a organização política dos diversos estágios da história brasileira. O que está em evidência são os governantes e as políticas públicas. Apesar desta ser a forma mais tradicional de dividir a história do Brasil, outras divisões poderiam ser realizadas.

 

Segunda linha do tempo- História do Brasil2

 

_____________________________________________________________

1 Para a formação desta linha do tempo foi tomado como base o índice do livro “História do Brasil” de Boris Fausto.

2 Para a formação desta linha do tempo foi tomado como base o seguinte site: http://educarparacrescer.abril.com.br/historia-educacao/index.shtml

 

 

Ficha de perguntas:

  • E esta história do Brasil? Qual é a diferença com a primeira?

  • O que esta linha está destacando mais?

 

Esta linha não deixa de ser uma história do Brasil, mas diferente da primeira que se concentra em aspectos políticos, esta o foco é o sistema educacional. Ambas contam a história de um mesmo país, todavia os enfoques são distintos o que demonstra a pluralidade do estudo do passado.

 

Terceira linha do tempo- História da USP3

 

1827. Fundação da Faculdade de Direito.

1886. Criação da Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo (que, desde 1946, é o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP).

1893. Escola Politécnica inicia as atividades. Fundação do Museu Paulista, incorporado à USP em 1963.

1898. Criação da Escola Livre de Farmácia de São Paulo (que depois se desmembraria em duas unidades da USP: Faculdade de Odontologia e Faculdade de Ciências Farmacêuticas).

1901. Criação da Escola Agrícola Prática de Piracicaba (atual Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”)

1912. Implantação da Faculdade de Medicina

1918. Fundação do Laboratório de Higiene de São Paulo, que daria origem à atual Faculdade de Saúde Pública.

1919. Criação do Instituto de Veterinária (atual Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia).

1934. A Universidade de São Paulo inicia atividades com as seguintes unidades:

• Faculdade de Direito

• Faculdade de Medicina

• Faculdade de Farmácia e Odontologia (derivada da Escola Livre de Farmácia de São Paulo)

• Escola Politécnica

• Instituto de Educação (desde 1969, a Faculdade de Educação)

_____________________________________________________________

3 http://www5.usp.br/institucional/a-usp/historia/linha-do-tempo/

 

 

• Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

• Instituto de Ciências Econômicas e Comerciais (de ICEC mudou o nome, apenas, para FCEA – Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas, em 1940; em 1946 é criada oficialmente a FCEA; que muda de nome para a atual FEA, em 1969)

• Escola de Medicina Veterinária (derivação do Instituto de Veterinária)

• Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”

• Escola de Belas Artes

1940. Criação do Instituto de Eletrotécnica e Energia

1941. Obtenção de área no bairro do Butantã para a instalação do campus universitário.

1942. É criada a Escola de Enfermagem.

1943. Inauguração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina.

1946. Incorporação da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas à USP; Criação do Instituto Paulista de Oceanografia (atual Instituto Oceanográfico desde 1951); Criação do Instituto de Administração na FEA; Incorporação do Instituto Astronômico e Geográfico.

1948. Criação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Bauru (atual Faculdade de Odontologia de Bauru, desde 1962) e da Escola de Engenharia de São Carlos.

1948. É fundado o Museu de Arte Moderna de São Paulo. O professor Antonio Candido, da unidade hoje conhecida como Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, é um dos integrantes do conselho da nova instituição.

1950. Estudantes da Escola Politécnica constroem o Cadopô (Casa do Politécnico), importante centro de articulação política do movimento estudantil.

1951. Instituto Oceanográfico é incorporado à USP e é criada a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto.

1955. Como entidade autárquica, é criado o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

1957. Criação do curso de Psicologia na FFCL e do Diretório Central de Estudantes da USP.

1959. Criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, que só viria a ter suas atividades efetivamente concretizadas em 1964. Em 1974, a instituição foi incorporada à USP.

1962. É criado o Instituto de Estudos Brasileiros.

1963. Criação do Museu de Arte Contemporânea e incorporação definitiva do Museu Paulista à USP.

1964. É criado o Museu de Arte e Arqueologia, posteriormente denominado de Museu de Arqueologia e Etnologia.

1964. Criação da Associação dos Servidores da Universidade de São Paulo.

1966. É criada a Escola de Comunicações Culturais (que depois teria seu nome modificado para Escola de Comunicações e Artes em 1969), e que incorpora a Escola de Arte Dramática.

1967. Criação, em Bauru, do Centro de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, que em 1973 torna-se Centro Interdepartamental da FOB, e que, desde 1998, é conhecido Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, o popular Centrinho.

1968. O governo federal promulga o AI-5, que marca o período mais obscuro do regime militar. A USP vive as tensões e centraliza grande parte do movimento estudantil da época. Neste ano, ocorre uma batalha campal entre estudantes da USP e do Mackenzie.

1969. O Museu de Zoologia é criado. Ocorre uma reforma universitária que modifica o nome de algumas unidades e determina a criação de outras, como o Instituto de Psicologia, originado do curso de psicologia mantido pela então Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências (FFCL, que passa a se chamar Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, a FFLCH).

1969. A Escola de Educação Física é incorporada à USP.

1969. Criação da Faculdade Municipal de Engenharia Química de Lorena (Famenquil). Dois anos depois, a instituição muda seu nome para Faculdade de Engenharia Química de Lorena (Faenquil).

1970. Criação do Instituto de Física (IF), do Instituto de Matemática e Estatística (IME) e do Instituto de Química.

1971. São criados o Coral da USP e os Institutos de Física e Química de São Carlos e o Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos.

1972. A Escola Politécnica constrói o primeiro computador brasileiro, apelidado de Patinho Feio.

1972. É criada a Orquestra Sinfônica da USP.

1973. Estudante Alexandre Vanucchi Leme é morto por policiais do DOI-Codi.

1976. Criação do Hospital Universitário.

1976. É criada a Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo.

1977. Início das transmissões da Rádio USP.

1979. Sancionada a lei de anistia a presos políticos. Alguns docentes e alunos da USP estão entre as pessoas que retornam ao Brasil neste momento.

1981. Cria-se o Sistema Integrado de Bibliotecas (Sibi).

1983. Faculdade de Farmácia e Odontologia de Ribeirão Preto é desmembrada em duas unidades: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto e Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto.

1986. O Instituto de Estudos Avançados é criado.

1988. São criadas as Pró-Reitorias de Pesquisa, Graduação, Pós-Graduação e Cultura e Extensão Universitária.

1989. Lançada a primeira edição da Revista USP.

1990. Criação do curso de Fonoaudiologia na Faculdade de Odontologia de Bauru.

1992. Criação da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto e a Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, em Pirassununga.

1992. Rio de Janeiro recebe a Eco-92, maior evento mundial sobre o meio ambiente à época. Diversos professores da USP têm participação direta ou indireta no encontro.

1993. Início das atividades do projeto Universidade Aberta à Terceira Idade.

2004. Criação do Instituto de Relações Internacionais.

2005. Inauguração do campus da USP Leste e a Escola de Artes, Ciências e Humanidades.

2006. Extinção da Faenquil e conseqüente criação da Escola de Engenharia de Lorena, incorporada à USP.

2007. São criadas a Faculdade de Direito de Ribeirão Preto e a Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto.

 

Ficha de perguntas:

  • A história só estuda os governos ou os países?

  • Se a linha ficar muito grande, isso significa que tem mais história?

  • A história da USP não é uma história brasileira? Por que as duas linhas do tempo são diferentes?

  • Se a Usp pode, por que nós não podemos montar a nossa própria linha do tempo?

 

 

Após eles terem realizado a discussão nos pequenos grupos, eles apresentam o resultado da atividade sobre a própria diversidade de recortes temáticos. Isto serve para demonstrar que não necessariamente precisamos seguir a história que está no livro didático e que existem outras a qual se pode estudar, como por exemplo, a própria escola. Em seguida, mais um jogo de diálogos para concluir a primeira parte e reforçar o que vem sendo estudado.

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • Será que existe a forma mais certa de contar o tempo?

  • Será que existe uma única história ou diversas vertentes dela?

  • O que será que a história pode estudar? Será que ela tem um objeto único e principal ou será que podemos fazer diversas histórias?

 

E no final, propor aos estudantes que façamos uma história da própria escola. Este será o começo de um trabalho que irá culminar em uma complexa linha do tempo para demonstrar que o ambiente e que os seus agentes também estão inseridos. A linha do tempo será um trabalho de toda a sala e todos deverão ter a sua participação para constituí-la. Além disso se for possível fazer o trabalho com outras salas do sexto ano, a última análise comparativa de linha do tempo pode ser feita entre eles mesmos após os términos do trabalho.

 

Parte 2- A coleta de material da própria escola – Parte 1: Uma sessão de fotos

 

Esta é uma pequena parte que consiste em uma sessão de fotos referentes ao espaço da escola e dos seus agentes que fazem com que ela funcione, incluindo os estudantes. A intenção é usar o material que eles mesmo obtiveram para uma reflexão para a terceira parte da sequência e sobre fonte histórica e as melhores fotos podem ser incluídas no mural com a linha do tempo. As fotografias podem registrar a turma, o material escolar, o índice do livro didático, a lousa, o giz, as carteiras, os diversos cômodos do ambiente e mais o que eles quiserem. Se o colégio é capaz de dar autonomia às crianças de tal modo que elas sintam livres para circular, esta segunda parte pode ser feito como lição de casa. No entanto caso haja dificuldades, o professor pode fazer junto com a própria turma e orientando conforme as necessidades.

Quando todas as fotos forem tiradas, um novo diálogo pode ser estabelecido.

 

Sugestões de perguntas a serem feitas

 

  • Será que a partir do que já temos conseguimos montar uma trabalho histórico?

  • Nós podemos montar um mural, mas nós temos subsídios para entender como foi o passado?

  • Nós conseguimos realizar uma análise crítica somente com as fotos que temos?

 

Para analisar é necessário fazer as perguntas certas e para termos as perguntas é necessário um referencial teórico. História lida com transformações e nós não sabermos como antes era, não poderemos montar a linha do tempo. Tudo pode servir como fonte histórica, mas se não soubermos fazer as perguntas não conseguiremos analisar. Uma caneta pode revelar muito de nossa sociedade, mas se não temos referenciais para isso, sua serventia estará restrita ao valor mais prático de escrever. Assim a terceira parte irá demonstrar que a escola se transforma com o tempo e que muitas das coisas que vemos possui a sua historicidade.

Por fim, já que está se discutindo fontes, é importante voltar na atividade da parte 1 em que se pede que as crianças falem sobre a suas vidas como estudantes. Há o risco deles confundirem história com memória. Afinal toda fonte documental precisa ser questionada e analisada. A documentação oral não é a “verdadeira história” e é preciso realizar todo exercício de análise. Apesar desta diferenciação, os alunos poderão usar as suas memórias para complementar a linha do tempo dando suporte para o trabalho que se realizará no final.

 

Sugestões de perguntas a serem feitas

 

  • E a história de vida de vocês? Podemos usar sem nenhum questionamento?

  • Não seria bom comparar as informações antes de começarmos a linha do tempo para ver se não houve nenhuma divergência?

  • E os nossos sentimentos? Quem pode julgá-lo? Eles não são uma verdade para mim?

  • Qual é a diferença entre história e memória?

 

É necessário estudar, questionar e fazer as perguntas necessárias. Para compreender a historicidade das coisas que vemos na atualidade, a terceira parte permitirá uma reflexão maior.

 

Parte 3- Será que as escolas sempre foram assim?

 

Seria muito interessante se o professor conseguisse o material proeminente da própria escola para analisar e realizar as seguintes questões para os estudantes. Mas se a escola for muito nova ou caso não haja o material para a pesquisa, foi separado um conjunto de documentos que servirão para que os estudantes comparem o material que eles obtiveram na parte 2.

 

Fotos de estudantes

 

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • Quais são as semelhanças da foto mais antiga com a mais a nova que vocês tiraram?

  • Quais são as diferenças da foto mais antiga com a mais nova?

  • Existe alguma diferença de gêneros existentes na foto mais antiga e das mais novas?

  • Por que você acha que existem essas diferenças?

  • Quem está tirando esta foto? São os próprios alunos?

 

Esta é uma foto de um professor com seus alunos do curso primário da Escola Caetano de Campos registrada em 19084. Percebe-se a ausência de meninas indicando que elas estavam excluídas desta sala específica. Isto leva a algumas indagações que merecem ser pensadas. Se antes os alunos encararam as suas fotos com normalidade, agora eles possuem perguntas. O estudo do passado revela coisas sobre o presente e ajuda a questioná-lo. As coisas nem sempre foram assim, elas mudam e isso é o objetivo principal: não naturalizar o presente.

Ainda sobre a questão de gêneros é possível analisar uma outra imagem da Escola Pedro Varela de 1923 a qual demonstra uma sala de aula feminina5. Isto reforça a segregação que havia entre meninos e meninas, algo que já não ocorre com tanta frequência nos tempos atuais.

________________________________________________________________________________

4 VIDAL, Diana. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e práticas escolares. Currículo sem fronteiras, volume 9, número 1, jan.jun, 2009.

5 DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil- 1917- 1945. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

 

 

 

 

 

Um outro detalhe que pode ser observado é a organização dos agentes envolvidos ao se tirar uma foto. Ainda que se possa haver uma imagem parecida com esta, provavelmente muitas delas terão uma outra conformação. Selfies, alunos fazendo caretas, algum tipo de brincadeira, e outros. Para conduzir um diálogo desse tipo, pode-se preguntar sobre quem está tirando a foto antiga e porque os alunos não estão com o equipamento em mãos. Se pode discutir a própria materialidade ma máquina fotográfica e a facilidade em se obter o produto final nos dias atuais, em detrimento de tempos pretéritos a qual demorava muito mais tempo para tirar uma única imagem.

Uma ideia bastante recorrente é que os alunos de antigamente eram mais disciplinados. Caso isso apareça nas falas dos alunos, existe uma imagem abaixo que pode ser usada para contrapor tal pensamento. A figura é uma ampliação da primeira focando-se em um garoto que está demonstrando uma língua para o fotógrafo.

 

  • Você acha que os estudantes mais antigos eram mais disciplinados?

Ou seja, os alunos não eram tão mais comportados assim como se imagina o senso comum. Ainda que possa ter havido um controle maior, este não destrói todas as esferas de rebeldia. Mesmo numa foto bastante formal como esta revela-se um pouco da própria cultura escolar.

 

 

Exemplos de carteiras

 

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • Quais são as semelhanças da foto mais antiga com a mais a nova?

  • Quais são as diferenças da foto mais antiga com a mais nova?

  • Quantos alunos cabem nesse tipo de carteira?

  • Por que você acha que fizeram carteiras para que os alunos estejam tão juntos?

  • Será que elas são fáceis de manusear?

  • Por que você acha que existem essas diferenças?

 

A primeira é uma representação de uma escola de ensino mútuo ou de Lancaster produzida pela equipe do Museo Virtual de la escuela (Universidad Nacional de Lujan) e exposta no VIII Congresso Ibero-americano de Historia de la educación na Argentina. Neste método de ensino os alunos eram agrupados de acordo com a hierarquização de conhecimentos e um aluno-monitor repetia a lição que deveria ser copiada e decorada. Percebe-se que não é possível realizar arranjos na sala com esses tipos de cadeiras, não é possível montar círculos ou movê-las. Existe uma orientação a qual os estudantes devem aprender apenas através da memorização e que essas seriam o mobiliário ideal para o projeto pedagógico imposto.

 

 

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • E esta imagem? O que ela possui de diferente com a primeira imagem e com as imagens que vocês trouxeram?

  • Percebe-se que as cadeiras agora são individuais. Mas será que elas são iguais a que temos?

  • De que material elas são feitas?

  • Será que é fácil mover essas cadeiras?

 

A segunda imagem pertence a uma sala da escola Caetano de Campos em 1895 e o mobiliário é fruto de toda uma discussão envolvendo uma maior cuidado com os alunos baseado em teses científicas e higienistas. Existe um cálculo feito para saber a altura ideal sem prejudicar a coluna ou a visão dos estudantes, eles são dirigidos ao professor que, por sua vez, deve expor o conteúdo. Existe uma série de semelhanças, mas também se percebe que as cadeiras são de um material da qual é difícil erguê-la. Além do mais não há uma separação entre os dois móveis, cadeira e mesa, conforme é o padrão nas maiorias das escolas atuais.

A terceira imagem é uma propaganda do jorna Estado de São Paulo de l9336 que está promovendo uma carteira escolar. Percebe-se com maior nitidez a disposição do assento e da mesa revelando uma forma bastante distinta de conceber o ensino-aprendizagem.

 

 

A história no plano de estudos do Colégio Pedro II7

 





Ano/ Série

1858

1862

1912

 

 

 

 

Geografia e história antiga

 

Geografia e história da Idade Média

Geografia e história romana

 

História Moderna e contemporânea e corografia

História da Idade Média

 

Corografia e história do Brasil

História Moderna e Contemporânea

História universal

História Antiga

Corografia do Brasill

História universal: história do Brasil

 

História do Brasil

 

 

Sugestões de perguntas a serem feitas:

 

  • Quais são as diferenças entre o conteúdo do livro de vocês e esses quadros de estudos?

  • O que você acham sobre como está organizado o conteúdo?

  • E o livro didático de vocês? Como está organizado? Por temas, ordem cronológica, ...?

 

Se percebe que o próprio estudo muda. O que ocorre é muito mais do que um simples acréscimo de conteúdo devido ao passar dos tempos, mas toda uma ordenação nova que vai se adquirindo. Ou seja os conteúdos passados em uma sala de aula também são históricos.

 

Após o término da análise destas fontes, a intenção é perceber que as escolas podem mudar e nós somos parte disso. Para reforçar este objetivo o ideal seria montar uma conversa final sobre a questão das transformações da escola e da educação. A sociedade altera a escola. Os avanços tecnológicos permitiram, por exemplo, que possamos tirar fotografias com mais facilidade permitindo que se possa realizar um trabalho em sala de aula como é a linha do tempo. Ao mesmo tempo a escola transforma a sociedade, afinal as mudanças na legislação na parte 1 com a linha do tempo da educação são realizadas para que o ensino assuma um determinado papel e isto é importante.

_________________________________________________________________________

6 http://economia.estadao.com.br/blogs/reclames-do-estadao/volta-as-aulas-3/

7 GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidade. São Paulo: Iglu, 2004.

 

 

  • Será que a escola nunca se transforma?

  • Por que essas transformações existem?

  • Que tipos de transformações vamos ver em nossa escola se estudarmos a fundo?

  • Quem causa essas transformações?

 

 

Parte 4- A coleta do material da própria escola- parte 2.

 

A sala deve estar toda envolvida no projeto. Os estudantes terão bastante autonomia para planejarem como será organizado a sala de exposição, mas o professor jamais deve se ausentar de suas funções. Apesar de não estar exercendo o papel do expositor, ele deve orientar para que o trabalho saia de acordo como o planejado. Primeiramente para refletir o que foi dito na parte anterior sobre as transformações da escola, o professor poderia ler o poema abaixo de Bertold Brecht a qual coloca ênfase nos agentes históricos que muitas vezes é apagado pelos livros.

 

Perguntas de um trabalhador que lê

 

Quem construiu a Tebas de Sete portas?

Nos livros estão nomes de reis.

Arrastaram eles os blocos de pedra?

 

E a Babilônia várias vezes destruída

Quem a reconstruiu tantas vezes?

 

Em que casas da Lima dourada moravam os construtores?

Para onde foram os pedreiros, na noite em que a Muralha da China ficou pronta?

 

A grande Roma está cheia de arcos de triunfo:

Quem os ergueu?

Sobre quem triunfaram os Césares?

 

A decantada Bizâncio

Tinha somente palácios para os seus habitantes?

 

Mesmo na lendária Atlântida

Os que se afogavam

gritaram por seus escravos

Na noite que o mar a tragou?

 

O jovem Alexandre consquistou a Índia.

Sozinho?

 

Cézar bateu os gauleses.

Não levava sequer um cozinheiro?

 

Felipe da Espanha chorou,

quando a sua Armada naufragou.

Ninguém mais chorou?

 

Frederico II venceu a Guerra dos Sete anos.

Quem venceu além dele?

Cada página uma vitória.

Quem cozinhava o banquete?

 

A cada dez anos um grande homem.

Quem pagava a conta?

 

Tantas histórias.

Tantas questões.

 

(Bertolt Bretcht: 1898- 1956)

 

Questões:

 

  • Sobre o que se refere este poema?

  • É necessário ser rico e poderoso para construirmos coisas?

  • Quem faz a história?

  • E nós? Somos história?

 

Este poema serve para que os alunos identificassem o próprio protagonismo deles na história e que podemos montar uma linha do tempo através das percepções dos próprios agentes que constituem a escola. Para isso é necessário fazer uma seleção de documentos para estudar e as analisá-los com a cautela demonstrada na parte 3 da sequência. Esta quarta parte é a coleta do material para estudarmos especificamente a escola em si.

 

Plantas da escola:

Para se ter uma ideia das mudanças de arquitetura, as plantas da escola podem ser um importante documento. A partir delas, pode-se registrar a ampliação, a redução, a criação de áreas, entre outros que envolvem o território. Elas irão levantar questões importantes e as dúvidas podem suscitar pesquisas interessantes. Por que uma determinada área deixou de existir? O que mudou na escola para que não fosse mais necessária? Por que uma sala foi ampliada? Quais são os interesses? O que ocorreu para que houvesse a transformação?

 

Depoimentos sobre a escola:

Nem todas as perguntas podem ser respondidas pelas plantas e talvez algumas das respostas possam ser encontradas através de entrevistas com os próprios agentes da escola. A diretora, por exemplo, pode ter uma explicação para as mudanças de espaço. Assim através de uma roda de perguntas, os alunos poderiam montar relatórios para explicar as transformações e construir uma história para o lugar a qual também lhes pertence. As perguntas podem ser ter bastante amplas como “O que mudou na escola?” ou “O que você acha da escola?” e até mesmo perguntas mais diretas como “Porque o aumentaram a biblioteca no ano passado?”.

Estudantes mais velhos podem falar de eventos ocorridos na própria escola como campeonatos, festas, estudos de campo que marcaram as suas vidas. As experiências de cada pessoa também contam. Conforme já foi explicado anteriormente, a linha do tempo é algo livre e pode extrapolar o regimento oficial. Funcionários da limpeza podem ter um outro tipo de visão da escola do que os funcionários das lanchonetes ou dos da segurança e portaria. O que seria interessante é convocar os diversas pessoas que compõe a escola para uma coletiva com os estudantes do 6º ano para que eles montem a sua linha do tempo. Um trabalho que envolverá toda a escola.

Creio ser importante dar autonomia para as crianças formularem as suas próprias perguntas verbalmente, mas é importante que o professor tenha algum repertório caso a sala fique em silêncio. A partir do incentivo do docente, os alunos podem adquirir maior segurança para fazer as suas próprias perguntas. Se for possível gaste alguns minutos com os estudantes para falar de possíveis questões a serem feitas para que eles não fiquem perdidos.

 

Sugestões de perguntas:

 

  • Em que ano você entrou na escola?

  • O que mudou na escola?

  • Que eventos marcantes ocorreram no colégio?

 

Livros:

Além disso é importante ver se a própria biblioteca ou sala de estudos não guarda material referente a escola. Ás vezes tais lugares guardam informações valiosas para se entender a origem ou até mesmo alguns acontecimentos da escola como a mudança de regras ou de propostas pedagógicas. É aconselhável que o docente faça esta pesquisa primeiro para saber se realmente há conteúdos que possam ser usados para a linha do tempo, afinal não adianta pedir que os estudantes pesquisem em um espaço que não contém informações relevantes. Assim a tarefa do professor é ajudar na recolha do material, demonstrar como se manusear os livros e ensinar a fazer a referência das obras. É necessário ensinar ao aluno como se pesquisa, pois nem sempre a sala de estudos ou a biblioteca é um espaço em que toda a turma se sinta familiarizado.

Os livros estão organizados de uma forma específica e é necessário ter cuidado para não estragá-los, pois eles pertencem a todos da escola. E por fim, sempre referendar o livro que estiver sendo usado. Letras maiúsculas para o último termo do sobrenome do autor. O nome do autor, o nome do livro em itálico ou sublinhado, o Estado em que foi publicado, a editora e o ano. Como exemplo, está a referência abaixo.

 

GORDINHO, Margarida Cintra. Liceu de Artes e Ofícios: missão excelência. São Paulo: Marca d'água, 2000.

 

Internet:

A internet é um modo para se conseguir algumas informações e para complementar a pesquisa ainda mais, pode ser pedido que eles tentem responder as seguintes perguntas:

 

  • Por que o nome da escola?

  • Será que é possível encontrar imagens antigas do colégio?

  • Informações extras

 

Recomendo que a internet não seja o mecanismo principal de pesquisa, pois creio ser mais interessante que os alunos procurem traçar a história dentro da própria escola. Os sites teriam mais uma função de se conseguir imagens antigas e saber o significado do nome do colégio, descobrir quem está sendo homenageado. Tal tarefa pode ser realizada por um grupo de alunos voluntários não necessitando que toda a classe esteja responsável, afinal não se pede muita coisa e se todos fizerem o mesmo, haverá um elevado número de informações repetidas.

Gostaria de salientar novamente que o professor deve ter papel ativo nessa etapa de pesquisas e não deixar os alunos abandonados. O docente deve ensinar a como realizar as pesquisas, deve organizar para que os entrevistados apareçam na sala, deve fazer perguntas a eles caso a sala fique em silêncio, …. Os alunos devem ter autonomia para montar o trabalho conforme a sua criatividade, mas isto jamais deve ausentar a função do professor.

 

Parte 5- A montagem de uma linha do tempo da escola

 

Realizado toda a pesquisa sobre o histórico da escola é possível montar uma linha do tempo. Abaixo está um modelo que poderá servir como suporte.

 

É importante que se explique passo a passo como fazer esta linha do tempo para que não reste dúvidas. O trabalho pode ser feito em papel kraft ou com diversas cartolinas coladas, pois o tamanho deve ser bastante grande já que a responsabilidade pela montagem será de toda a classe e será exposto para que toda a escola possa ver. Assim as aulas da parte 5 referem-se a elaboração. Se for possível, pode-se tentar fazer alguma parceria com o professor de artes para complementar com maior experiência e número de aulas.

Na coluna “escolas de antes” serão colocados imagens de outras escolas do século XIX e do início do XX, que é para fazer a comparação entre o que nós vemos atualmente e o que eram os diversos colégios. Este setor será o único a qual o professor terá o seu material específico que foram as imagens utilizadas na parte 3, o que caberá aos alunos é combinar a melhor forma de dispor estas figuras. A partir disso, o material selecionado e os textos a qual eles vão usar serão de responsabilidade da turma.

Abaixo da linha, haverá alguns espaços para escritos e imagens que podem ser complementados da maneira que os estudantes achar conveniente. Pode ser sobre a história oficial da escola, pode ser as memórias que eles usaram na parte 1, pode ser registros de coisas que acontecem ou já aconteceram no ambiente. É a hora deles fabricarem os seus próprios textos analisando as transformações e publicarem no trabalho final. Os alunos devem se sentir livres e o professor cabe orientar e apenas restringir as imagens ou textos que ferirem aspectos éticos.

Quando o pôster estiver pronto, ele pode ser exposto em um corredor da escola e demonstrado como um trabalho da própria sala. É importante ressaltar este trabalho coletivo e que também o próprio produto deles faz parte da história também. Os estudantes ajudaram a transformar a própria escola, afinal até então não havia uma linha do tempo da escola com o olhar deles. Isto demonstra que a escola muda e que eles são agentes da própria história que devem ser considerados. Este foi um pequeno passo, mas que demonstra que eles possuem voz ativa. A história pode ajudar a pensar que estruturas que parecem sólidas podem desmanchar-se no ar. Por fim, pode-se pedir os alunos respondam, em forma de redação, duas questões:

 

  • O que mais a escola poderia mudar?

  • O que nós podemos fazer para a escola mudar?

 

Estas perguntas são reflexivas e irão contribuir para que o estudante sinta-se parte da escola. As suas sugestões podem ser encaminhadas fazendo com que o próprio ambiente atenda algumas de suas demandas. Se o projeto pedagógico envolve o aprendizado do aluno, é importante que se pergunte a ele a sua própria opinião.

 

 

 

 

Bibliografia

 

CASTRO, Cesar Augusto; CASTELLANOS, Samuel Luís Velásquez (orgs.) A escola e seus artefatos culturais. São Luis: EDUFMA, 2013.

 

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil- 1917- 1945. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

 

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

 

GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidade. São Paulo: Iglu, 2004.

 

GRANGEIRO, Cândido Domingues. As artes de um negócio: no mundo da técnica fotográfica do século XIX. Revista brasileira de História, vol. 18, nº 35, 1998.

 

VIDAL, Diana. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e práticas escolares. Currículo sem fronteiras, volume 9, número 1, jan.jun, 2009.

 

 

Sitografia

 

http://educarparacrescer.abril.com.br/historia-educacao/index.shtml

 

http://www5.usp.br/institucional/a-usp/historia/linha-do-tempo/

 

http://economia.estadao.com.br/blogs/reclames-do-estadao/volta-as-aulas-3/

 

1Para a formação desta linha do tempo foi tomado como base o índice do livro “História do Brasil” de Boris Fausto.

2Para a formação desta linha do tempo foi tomado como base o seguinte site: http://educarparacrescer.abril.com.br/historia-educacao/index.shtml

4VIDAL, Diana. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e práticas escolares. Currículo sem fronteiras, volume 9, número 1, jan.jun, 2009.

5DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil- 1917- 1945. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

7GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidade. São Paulo: Iglu, 2004.

 

AnexoTamanho
Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola.odt849.13 KB
Projeto de construção de uma linha do tempo da história da escola.pdf526.5 KB