A evolução da escolaridade feminina brasileira no estudo de diversas fontes - século XIX ao XXI

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
Sequência didática
A evolução da escolaridade feminina brasileira no estudo de diversas fontes - século
XIX ao XXI
Isabela Rodrigues de Souza
Número USP: 8980089
SÃO PAULO
2015

 

Tema:
A evolução da escolaridade feminina brasileira no estudo de diversas fontes - século XIX ao XXI.

• Público alvo: alunos do 9º ano do Ensino Fundamental.

Objetivos:
A elaboração dos fatos históricos, ao longo do tempo, tem mostrado uma clara preferência pela
História do homem e das grandes figuras masculinas, permeados por uma visão eurocentrica. Isso
levou a exclusão dos agentes femininos como construtores dos acontecimentos, sendo esse assunto
interesse de pesquisa apenas recentemente.

Este trabalho quer contribuir, de certo modo, para a elevação dos estudos que possuem as mulheres
como foco central em análises sobre a educação. Pensando nisso, o intuito dessa sequência didática
é a elucidação da história da educação das mulheres desde a permissão de ensino ao gênero
feminino até os dias de hoje.

Para isso, será realizado um estudo comparativo de textos e leis referentes ao final do século XIX e
início do XX e relatos recolhidos pelos alunos com avós, mães, outros familiares e/ou vizinhas
relativos a segunda metade do século XX. Destarte, os estudantes conseguirão observar as
principais mudanças no decorrer do tempo. Ademais, enfatizar-se-á que os próprios alunos podem
ser construtores do saber histórico, pois os dados para análise da educação das mulheres no século
XX serão recolhidos e examinados por eles mesmos.

 

Conteúdo:
Esse trabalho está inserido no conteúdo de História do Brasil, História da Educação e História das
Mulheres.
Duração das atividades:
Duração de aproximadamente 6 aulas de 50 min cada. Entretanto, esse tempo está sujeito a
alterações dependendo do interesse dos alunos pelas atividades, bem como da dinâmica do
professor.

 

 

Materiais:
Durante as aulas, os professores irão precisar de:
• Computadores, notebooks e projetores
• Impressora para disponibilização dos textos a serem discutidos em aula
Os alunos para a realização dos trabalhos precisarão:
• Gravador, câmera ou celular
• Cartolina
• Lápis e canetas

 

 

Método avaliativo:
Os alunos serão submetidos a avaliações de participação nas discussões na sala de aula, bem como
entrega dos relatos solicitados pela professora e do trabalho final da construção da linda do tempo.

 

 

Desenvolvimento das atividades:

Atividade 1:
Na primeira aula seria interessante que o professor realizasse uma apresentação dos conteúdos que
serão dados nas próximas aulas, tal como das avaliações que serão realizadas ao longo do curso.

 

Para isso, sugiro que leve impresso os nomes dos tópicos das aulas e das avaliações, as quais
poderão ser explicadas melhor posteriormente, ou que escreva na lousa os mesmos.
Após isso, o professor poderia promover uma discussão sobre o que os alunos pensam da educação
das mulheres nos dias atuais, refletindo igualmente as vivências desses estudantes. Proponho
algumas questões a seguir, todavia o docente poderá realizar outras perguntas, levando o debate
pelo caminho que achar mais conveniente.
Vocês acham que atualmente existe alguma diferença nos conteúdos que são passados ás meninas e
aos meninos ? Por que ?
Meninas e meninos são tratados da mesma maneira pelos professores e diretores da sua escola ?
O que vocês acham de escolas separadas para meninos e meninas ? São melhores ou piores ? Por
que ?
Na sua escola vocês tem alguma aula separada de meninos ou meninas ?

 

 

Atividade 2:
Essa atividade abordará a co-educação dos sexo no final do século XIX e início do XX por meio de
propostas realizadas da efetiva prática, as quais contém fatos do cotidiano da educação da mulher.
Para a realização da mesma, propus a análise de trechos do texto “Nova proposta de educação na
Primeira República brasileira: a co-educação dos sexos” e fotos e trechos sobre a história da
Escola Normal Caetano de Campos relativos a esse mesmo período
Para o andamento do exercício o professor entregará aos alunos impressões com os excertos e
fotografias, bem como poderá deixa-los expostos com o projetor caso tenha disponibilidade. Além
disso, seria interessante a divisão da sala em pequenos grupos para discutirem as questões e que
depois comporiam um debate geral com o docente.

“Foi a partir do fim do século XIX e início do XX que a educação das meninas passou a ser permitida em
colégios particulares. Somente as jovens com melhores condições econômicas podiam receber aulas de
noções elementares, mas a dedicação era voltada às prendas domésticas e a preparação para o casamento.
[…] As escolas femininas dedicavam intensas e repetidas horas ao treino de habilidades manuais de suas
alunas produzindo jovens 'prendadas', capazes dos mais delicados e complexos trabalhos de agulha ou de
pintura”- p. 130

“Os debates sobre a co-educação dos sexos foram iniciados em 1880, por meio do estabelecimento da Escola
Normal na província de São Paulo, onde foram principiadas as aulas mistas”. Por mais que ela “tenha sido
criada para o sexo masculino, foi a primeira possibilidade de acesso do sexo feminino à instrução escolar
pública”- p. 133

“Considera-se que as discussões do Congresso de Instrução (1882-1884) referentes à co-educação dos sexos
foram caracterizadas por um discurso contraditório, pois, por um lado foi proposto que as meninas
obtivessem o acesso ao mesmo conteúdo que os meninos em salas mistas no ensino primário, por outro lado
legitimou-se a posição feminina como inferior por não ter capacidade física e intelectual de atingir o ensino
superior”- p. 140

“É importante observar que, no espaço escolar da Escola Normal Caetano de Campos, no ambiente destinado
ao ensino de normalistas, havia uma completa separação entre a seção masculina, ocupando a ala direita do
edifício, e a seção feminina, ocupando a ala esquerda. Essa separação de corpos, ocorria também na Escola
Modelo, demonstrando uma intencionalidade na formação diferenciada de professores e professoras;
ampliada ainda pelo currículo escolar, que prescrevia disciplinas diferenciadas para cada sexo”

 

 

 

 

 

O primeiro trecho refere-se às escolas exclusivas femininas e os demais, juntamente com as fotos,
às escolas mistas ou com co-educação. A partir disso, o professor poderia promover
questionamentos para comparação dessas instituições, levantando dados principalmente sobre a
continuidade no tratamento dado das mulheres e do objetivo da educação para esse gênero.
Como sugestão, insiro a seguir algumas perguntas que podem ser escolhidas pelo educador:

As escolas de co-educação garantiram igualdade entre meninas e meninos ?
Houve alterações na maneira de tratar as mulheres na primeira para a segunda escola descrita ?
O objetivo da educação das mulheres se alterou ? Se sim, qual o objetivo na primeira e na segunda
instituição ? Se não, qual o objetivo de ambas as educações ?
Quais as diferenças da primeira e da segunda instituição ?

 

 

A passagens seguinte está contida na discussão sobre a grade horária de meninos e meninas.

“Pelo Horário Geral das Aulas da Secção Masculina e Feminina da Escola Modelo Caetano de Campos, do
ano letivo de 1895, observamos que havia em média 27 aulas por dia, distribuídas nas cinco classes, já que o
curso tinha duração de cinco anos. Dentre as disciplinas, podemos mencionar:Português, Francês, Alemão
(facultativo),Aritmética, Latim, Astronomia, Desenho, Caligrafia, Música, Mecânica, História
Natural, Educação Cívica e Canto. O ensino destas matérias será comum a ambos os sexos, excepto o de
agrimensura, economia política e exercícios militares, que é destinado exclusivamente aos homens e o de
economia doméstica exclusivamente às mulheres”

O professor a partir desse fragmento pode conduzir a discussão para diversos caminhos. Entretanto,
considero interessante relacionar o papel atribuído à escola na construção das normas sociais.
Destarte, relativo a esse assunto, proponho uma atividade a ser desenvolvida pelo mesmo grupo do
exercício anterior: peça aos alunos que componham um parágrafo sobre o papel da escola na
manutenção de ideologias de dominação, pegando um exemplo presente nos trechos ou imagens da
aula.
A conclusão da aula poderá ser dada pelos alunos a partir desta tarefa, sob orientação do educador.

 

 

Atividade 3:
A terceira atividade do curso está baseada no trabalho com projetos oficiais e leis, o primeiro
relativo ao século XIX e o segundo ao século XX. São eles, respectivamente, Congresso de
Instrução de 1882-84 e o Decreto-lei Nº 4.244, de 9 de Abril de 1942 (Lei orgânica do ensino
secundário).

Espera-se com essa aula que o aluno realize uma comparação das propostas para o ensino feminino
passados 60 anos.

 

 

TÍTULO III
Do ensino secundário feminino

Art. 25. Serão observadas, no ensino secundário feminino, as seguintes prescrições especiais:
1. E' recomendavel que a educação secundária das mulheres se faça em estabelecimentos de ensino de
exclusiva frequência feminina.
2. Nos estabelecimentos de ensino seeundário frequentados por homens e mulheres, será a educação destas
ministrada em classes exclusivamente femininas. Este preceito só deixará de vigorar por motivo relevante, e
dada especial autorização do Ministério de Educação.
3. Incluir-se-á, na terceira e na quarta série do curso ginasial e em todas as séries dos cursos clássico e
científico, a disciplina de economia doméstica.
4. A orientação metodológica dos programas terá em mira a natureza da personalidade feminina e bem
assim a missão da mulher dentro do lar.

Rio de Janeiro, 9 de abril de 1942, 121º da Independência e 54º da República.

Após a leitura dos documentos poderá ser realizada um debate em conjunto com a sala, em que o
professor traz questões para os alunos responderem, deixando aberturas para que os estudantes
também realizem suas próprias indagações.
Algumas perguntas que podem ser realizadas são:

O que é possível depreender sobre o ensino secundário feminino até 1882 pelo Congresso de Instrução ?
Quais as mudanças que a organização do ensino secundário quer implementar ?
Em relação a Lei Orgânica, mais especificamente a seção “Do ensino secundário feminino”, quais as
semelhanças com o apresentado pelo Congresso de Instrução ?
Existem diferenças nas premissas de ambos os documentos ?
Relacionando com a atividade anterior, é possível dizer que houve rupturas significativas no ensino
secundário de 1942 com as escolas femininas ou de co-educação ?
Retire uma passagem ou mostre uma imagem da atividade 2 que comprove continuidades no objetivo do
ensino das mulheres na Lei Orgânica do Ensino Secundário.

Atividade 4:

As atividades seguintes entrarão em um novo período: a segunda metade do século XX. Para a
análise dessa época espera-se que os alunos realizem entrevistas com suas avós, mães, outros
familiares mulheres, amigas e vizinhas, com a finalidade de recolherem dados relativos a educação
das mulheres.
Em vista disto, o aluno torna-se agente construtor do conhecimento desejado e deixa de ser apenas
um agente passivo na assimilação de conteúdos. Ademais, esse exercício procura mostrar a
importância dos relatos orais na composição da História, desmistificando e preponderância que
recebem os documentos oficiais e escritos.
Seria interessante que o professor usasse de uma aula para explicação do objetivo das entrevistas e
composição das questões a serem realizadas.
Os alunos executarão duas entrevistas: uma com as avós e outra com as mães. Caso o aluno não
tenha possibilidades de fazer com nenhuma das duas ou apenas com uma, ele poderá produzir com
uma pessoa mais nova e outra mais velha, com uma considerável diferença de idade entre as duas (a
princípio 15 anos de diferença, no mínimo). Poderá acontecer igualmente de uma das entrevistas
não fornecer informações satisfatórias para os alunos, sendo permitido à ele a realização de uma
outra entrevista, a qual complementará os dados da primeira.

Forneço a seguir perguntas básicas, podendo o educador e os estudantes adicionar outras:

Nome e idade da entrevistada
Local de nascimento
Onde estudou ?
Até que série permaneceu na escola ?
Quais as matérias ensinadas ?
A sala era mista ou exclusiva de meninas ?
Existiam matérias dadas só a meninas ou só a meninos ?
Conte um pouco sobre o cotidiano escolar (entrada na escola, recreio, atividades, saída)
Havia tratamento diferente pelos professores e/ou diretores aos meninos e às meninas ?
Qual o objetivo do ensino dado as mulheres na sua escola ?
Estudou em escola religiosa ou laica ?
Se possível, peça as entrevistadas fotos da época de escola, do uniforme adotado. Caso não tenha fotos,
peça que descrevam como eram os uniformes usados.

Atividade 5:

Nessa atividade os alunos trarão a aula as entrevistas para a realização dos debates e das
comparações. Mais uma vez sugiro que a sala seja dividida em grupos para uma discussão mais
detalhada, em que os pontos principais de cada roda serão levados posteriormente para a classe.
O intuito desse exercício, como ja foi explicado, é a composição de dados sobre a educação da
mulher na segunda metade do século XX.
Dito isto, formulo algumas perguntas a seguir que servem de sugestão para o educador:

 

O que é possível concluir sobre a educação das mulheres nas entrevistas com as avós ou as entrevistadas
mais velhas ? Conte as principais características
O que é possível concluir sobre a educação das mulheres nas entrevistas com as mães ou as entrevistadas
mais novas ? Conte as principais características
Existem diferenças entre a educação dada as suas avós ou entrevistadas mais velhas e suas mães ou
entrevistadas mais novas ? Quais ?
Existem semelhanças entre a educação que receberam as duas ?
Comparando com a educação das mulheres no século XIX, quais as semelhanças e diferenças
encontradas com a educação dada a sua avó ou entrevistada mais velha ?
Comparando com a educação das mulheres no início do século XX, até 1942, quais as semelhanças e
diferenças encontradas com a educação dada a sua avó ou entrevistada mais velha ?
Comparando com a educação das mulheres no século XIX, quais as semelhanças e diferenças
encontradas com a educação dada a sua mãe ou entrevistada mais nova ?
Comparando com a educação das mulheres no início do século XX, até 1942, quais as semelhanças e
diferenças encontradas com a educação dada a sua mãe ou entrevistada mais nova ?
O professor poderia no final dessa atividade compor um quadro na lousa, junto com os alunos, o
qual resuma as informações recolhidas pelas entrevistas sobre a educação feminina neste período.

Avaliação:

A avaliação deverá ser entregue na última aula do curso, feita em casa, e poderá ser explicada em
qualquer uma das outras aulas, de acordo com o que o professor achar mais conveniente.
Ela consiste na produção de uma linha do tempo, onde os alunos coloquem as principais
características de cada época dada nesta sequência, inclusive na atualidade. Ademais, espera-se
igualmente que evidenciem as mudanças, as quais ocorreram com o passar do tempo.
A linha do tempo terá de ser feita em cartolina, para que os alunos tenham espaço para escrever.
Sugiro também que eles coloquem fotos do uniforme ou das salas de aula de cada período, duas no
máximo para cada época. Caso não possuam fotos das entrevistadas, peça a eles que desenhem o
que foi descrito por elas, como substituição das fotos.

Referências Bibliográficas:

Fabiane Freire França e Kelly Priscilla Lóddo Cezar, Nova Proposta de Educação na Primeira
República Brasileira: A Co-Educação dos Sexos. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/
revista/edicoes/27/art10_27.pdf

Primitivo Moacyr, A instrução e o Império - 2º vol. Disponível em: http://www.brasiliana.com.br/
obras/a-instrucao-e-o-imperio-2-vol/pagina/536/texto

Legislação Informatizada - DECRETO-LEI Nº 4.244, DE 9 DE ABRIL DE 1942 - Publicação
Original. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4244-9-
abril-1942-414155-publicacaooriginal-1-pe.html

ZAIDMAN, Claude. Educação e socialização. In: Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo:
Editora Unesp, 2009. pp. 80-84.

ROSEMBERG, Fúlvia. Mulheres educadas e a educação de mulheres. In: PINSKY, Carla
Bassanezi e PEDRO, Joana Maria. Nova História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p.
333-359.

AnexoTamanho
A evolução da escolaridade feminina brasileira no estudo de diversas fontes - século.pdf476.85 KB