Ditadura Militar 1964 – O Plano, Resistências, Memórias e Legados

Aluno: Marcus Vinícius Assis da Costa Matrícula: 8073938
Disciplina: Ensino de História: teoria e prática – profa. Antonia Terra
Tema:
Ditadura Militar 1964 – O Plano, Resistências, Memórias e Legados.

Unidade 1 - Projeto

 

I- Introdução

É no ano de 2014 que se completaram 50 anos o golpe militar de 1964. O tema além de “tabu polêmico” na imprensa repercutiu tanto no congresso nacional no dia 31 de abril, como nas ruas. Isso nos mostra a atualidade em que envolve o tema, pela simples razão do regime militar ter deixado legados tanto políticos, como sociais e econômicos.

A guerra ideológica vai muito mais além do que uma mera dualidade, no entanto não nega o fato do choque ideológico. O regime militar é resultado deste conflito, sendo hoje usado para legitimar o discurso de diferentes concepções.
 

A escolha do tema consiste em principalmente explorar as diferentes interpretações historiográficas do Regime Militar brasileiro de 1964 a 1985, a fim de evidenciar sua ideologia e intenções políticas. Ainda, seguindo a proposta plural e democrática, este trabalho visa sensibilizar os alunos da importância dos memoriais de resistência para diferentes grupos culturais.
Antes, viso lembrar que para tal sequência didática, considerei condições ideais para as realizações das atividades, bem como priorizei a flexibilidade para a adaptação didática do professor. Ainda importante ressaltar que cada atividade não corresponde necessariamente a uma aula.

 

 

I- Proposta:

Esta sequencia didática visa o estudo das diferentes concepções ideológicas do regime militar brasileiro de 1964. O intuito não é a imparcialidade, mas sim a evidenciar a pluralidade historiográfica, não isentas de críticas, assim como também sua finalidade política. Esta sequencia didática, portanto, não focará em fatos, mas nas interpretações ideológicas do regime militar às quais serviram de exemplo para o amadurecimento da concepção política do aluno.
 

Não só uma contribuição para o amadurecimento da concepção política do aluno estas atividades estão preocupadas em sensibilizar as questões sociais, bem como a importância de memoriais para determinados grupos.
 

Este trabalho também possui o objetivo de ser mais adaptável possível aos conteúdos possíveis, dentro do Regime Militar, assim como também à realidade que ele trabalha.
 

Por fim a proposta deste trabalho confunde-se com a sua metodologia, ou seja, valorizar-se aqui o debate aberto entre os alunos, ao qual o professor será responsável em guiar a discussão, bem como apresentar e esclarecer conteúdos envolvidos, para conclusão das atividades.
 

 

II- Objetivos:
 

Entre os objetivos deste trabalho é mostrar aos alunos a diversidade de discursos e concepções referente à ditadura militar. Treinar a capacidade de observação e interpretação em fotos, quadrinhos, textos e músicas. Desconstruir paradigmas e apresentar a pluralidade cultural nos respectivos conteúdos:

 

  • Índios
  • Camponeses
  • Resistencia na cidade
  • Repressão
  • Continuidade
  • Memoriais
  • Anistia
     

 

Importante apontar aqui que os indivíduos não se separam nestas categorias, nem que estas também esgotam a realidade. Expus aqui de maneira genérica quais serão os campos a mim mais explorados nas atividades. Pode-se ainda entender como exemplos, sendo facilmente substituídos por outros temas, contanto que não prejudique a proposta deste trabalho.
 

 

III- Materiais:
 

Grande parte do material será da colaboração dos alunos através de pesquisas na internet, ou em outras fontes, como em livros, jornais e revistas¹. A pesquisa consiste em pelo menos em uma das possibilidades: foto, quadrinhos de jornais, músicas, slogans, discursos, vídeos, textos de blogs/rede sociais. O procedimento da coleta de material não tem a finalidade em si, a importância desta etapa é para que o aluno se prepare tanto para o debate e avaliações, como também o material coletado servirá de recurso para as aulas expositivas e de interpretação.
 

O professor também será responsável na distribuição de material não só como textos, quadrinhos² e fotos³ a serem analisados em sala de aula como também música4 ou filmes5, vídeos e slogans.
 

 

IV- Roteiro

Não há uma estimativa certa para quantas aulas essa sequencia didática ocupa. Aqui tentarei esclarecer melhor como poderão ser as aulas:
 

a) Abertura da aula com umas das músicas sugeridas para introdução, seguido de sua interpretação e discussão.
 

b) Apresentação, discussão do material pesquisado pelos alunos. Esta etapa está apenas designada para uma aula, de preferencia a primeira, o resto das aulas será o professor quem irá apresentar o material para as próximas atividades.
__________________________________________________________________

¹A pesquisa pode ou não, ser orientada pelo professor conforme os sites expostos nas referencias neste trabalho, ou às que preferir.

²Serão propostos quadrinhos antes do Regime Militar e depois de Arnaldo Angeli Filho.
³Irei propor a famosa foto de Vladmir Herzog tirada em sua cela, morto.
4Três são as alternativas: “Acorda Amor”, “Apesar de Você”, “Vai Passar” todas de Chico Buarque.
5 Dada a complexidade que se tornou o a sequencia, o filme poderá ocupar muito tempo e aulas. Isso dependerá da disponibilidade ou adaptação. A proposta de filme deste trabalho é “Cabra Marcado para Morrer” de Eduardo Coutinho. O filme pode ser facilmente alternado para outro, desde que se mantenha salvo a proposta a ser trabalhada, que logo a frente será apresentada.

 

c) As aulas devem ter o objetivo de apresentar a natureza do golpe e do regime militar; apoio ao regime militar; a repressão e as resistências; diversidade e memória; e a continuidade do regime.

 

Unidade 2 - Atividades
 

I- Atividade – Pesquisa e discussão
 

Como já mencionado esta primeira etapa da sequencia didática é responsável pela coleta do material. A pesquisa consiste simplesmente em “Regime Militar de 1964 no Brasil”, podendo ser algum texto ou discurso que interessou ao aluno, bem como uma foto, charges, músicas e vídeos. O aluno poderá fazer uma pesquisa em qualquer campo, desde livros e revistas até as redes sociais na internet. Seria interessante, para o exercício das atividades o professor orientar aos alunos que estes ao escolherem uma foto ou charge procurem o seu autor e suas referências. Em sala de aula o exercício com o material coletado consiste na analise e discussão dos materiais que os alunos trouxeram. Segue uma charge Por exemplo:

 

 

O professor irá analisar a imagem guiando os alunos com estas possíveis questões:
 

  • Esta imagem está direcionada ao regime militar brasileiro de 1964?
  • O que transmite a expressão do rosto “tampado” na foto?
  • O que significa as mãos tampando a boca e os olhos?
  • Esta imagem se enquadraria no caso do regime militar brasileiro de 1964?
  • Essa imagem se enquadraria também à democracia atual?
     

Caso a sala contenha muitos alunos o professor pode selecionar o material pesquisado para evitar que o exercício não fique muito longo.
 

II- Documentos históricos, comparação e interpretação

O professor também terá que apresentar seu próprio material, realizando o mesmo exercício anterior. Este material, porém terá o objetivo de representar a natureza da repressão do regime militar, bem como trabalhar a interpretação de texto dos alunos. Serão propostos cinco meios, não sendo necessário a utilização de todos:
 

      a) Música: A música foi uns dos meios mais explorados para expressão artística contra a Ditadura Militar, será aqui em particular que o professor poderá também trabalhar os recursos pelos quais os artistas usavam para se expressar. Ainda o professor também pode esboçar rapidamente o momento cultural do Brasil durante o Regime militar. São três as músicas propostas neste trabalho, todas de Chico Buarque de Holanda: “Vai Passar”, “Apesar de Você” e “Acorda Amor”. Recomendo que em cada aula inicie com uma destas músicas6, já para desperta o interesse do aluno. Além de ouvir a música o aluno deverá possuir a letra em mãos, ou na lousa, para que depois possa fazer junto com o professor o exercício de interpretação. Não há necessidade de interpretar toda a música, apenas trechos que interessar ao professor.
 

 

Exemplo de trechos para interpretação:

“Vai Passar”

(...)

Num tempo

Página infeliz da nossa

história

Passagem desbotada na

memória

Das nossas novas

gerações

Dormia

A nossa pátria mãe tão

distraída

Sem perceber que era

subtraída

Em tenebrosas

transações

(...)

Palmas pra ala dos

barões famintos

O bloco dos napoleões

retintos

E os pigmeus do bulevar
________________________________________________________________________

6 Em vídeos do youtube, com fotos marcantes do regime militar. Segue os links nas referencias.
 

Meu Deus, vem olhar

Vem ver de perto uma

cidade a cantar

A evolução da liberdade

Até o dia clarear

(...)

Ai, que vida boa, olerê

Ai, que vida boa, olará

O estandarte do sanatório

geral

Vai passar

Link: http://www.vagalume.com.br/chico-buarque/vai-passar.html#ixzz356sFVcoJ

 

Nesta composição Chico Buarque e Francis Hime fazem a alegoria que a história do Brasil é um grande desfile de carnaval ao qual o “bloco” do regime militar já estava terminando o seu “desfile”. A música faz referencia ao passado “sombrio”, uma “página infeliz da nossa história”, “O estandarte do sanatório geral”, era o regime militar que chegava no inicio do seu fim em 1979. Ainda a música cria uma perspectiva para o futuro, de uma abertura política gradual, em “A evolução da liberdade”.
 

      b) Filmes: Este tópico é o que mais ocupa tempo das aulas, dado a isso caberá ao professor se lhe interessa trabalhar com a proposta desta sequencia didática. O filme sugerido é “Cabra Marcado para Morrer” de Eduardo Coutinho7, um filme longo, porém de fácil acesso na internet. O objetivo deste filme é reforçar a diversidade cultural e política durante o regime militar brasileiro, no caso recorrendo a realidade camponesa. Por ser um filme longo o professor pode passar o filme para os alunos assistirem em casa, por outro lado o aluno durante o filme pode perder o interesse, assim o professor pode trabalhar com algumas cenas rápidas aqui sugeridas:
 

I- Do início aos 8:55 minutos -> Aqui o aluno conhecerá as lutas camponesas do nordeste em meados do século XX, bem como também o objetivo inicial do projeto de filmagem, a razão da sua interrupção e o novo projeto após a abertura. Neste ponto o professor pode discutir em sala de aula as seguintes questões:
 

  • Questão agraria no país, por que ela existe?
  • Por que as Lutas camponesas?
  • Por que João Pedro, marido de Elizabeth Teixeira e líder da liga camponesa, foi assassinado? O que demonstra o seu assassinato?
     

Por que o regime militar apoiou os grandes fazendeiros ao reprimir a liga camponesa? -> Objetivo da discussão -> O regime militar possui o projeto nacional de garantir uma modernização que garantisse a concentração de renda, isso implica então na repressão

____________________________________________
7 https://www.youtube.com/watch?v=VJ0rKjLlR0c

 

 

das tensões sociais.

II- Já no final, 1:52:30 à 1:55:20 -> Aqui o professor pode mostra o engajamento político de Elizabeth Teixeira, que apesar de parecer ser contraditória ao “agradecer” a abertura política e falar sobre seus ideais socialistas, na verdade soube diferenciar uma conquista política da luta social que ela ainda segue8.

A discussão em sala de aula a partir daqui pode ser guiada da seguinte maneira: -A abertura política significa o fim da Ditadura militar, como propõe alguns historiadores que ela acabou em 1979?

c) Reportagem: Seguindo a proposta do filme, de reforçar a diversidade cultural brasileira, proponho aqui uma reportagem do SBT sobre o massacre de índios pelo regime militar9. O professor aqui poderá trabalhar em sala de aula o porquê do silêncio em relação a este massacre, bem como “quais os possíveis significados dos memorias de resistência para aqueles indígenas?”. Pode-se concluir, que como um projeto nacional do regime militar, a diversidade cultural não tinha espaço no país elaborado pelos militares, e que para tanto os índios ainda serviam aos olhos dos militares como um obstáculo para o avanço do projeto nacional desenvolvimentista.

d) Fotos: Nas atividades que envolvem a analise das fotos o professor deve explorar o porquê as fotos se tornaram tão emblemáticas, seguem as propostas:

 

________________________________________________________
8 Como terceira possibilidade entre os 51:32 e 57:35 minutos temos o caso de João Pedro Teixeira e de João Mariano. O professor pode usar como exemplo o assassinato de João Pedro Teixeira para denunciar a violência ao qual estavam sujeitos os camponeses. Já o caso de João Mariano pode servir de exemplo para o professor explorar com os alunos a complexidade dentro da comunidade camponesa, apontando que não existe uma “mecânica” em que mesmo aquele que sofreu com a desigualdade social imposta a ele, concorda com a luta camponesa.
9 https://www.youtube.com/watch?v=NkyE8nKMajE.

 

 

 

Apesar de ser uma imagem forte10, esta foto tornou-se símbolo da repressão estatal durante o regime militar. Aqui, além de apresentar o famoso caso de Vladmir Herzog, pode ser discutido a tortura e os assassinatos daqueles que se opunham ao regime militar, e o medo social que foi instaurado. Ainda o professor pode trabalhar com a ideia da continuidade do regime militar, no que tange a repressão policial e as alegações cínicas de suicídio ou legitima defesa contra suas vítimas.

______________________________________________________
10 O professor deve tomar cuidado a utilizar esta imagem.

 

 

 

Com esta imagem o professor pode trabalhar com a repressão policial nas ruas sobre as mobilizações contra o regime militar, principalmente a passeata dos cem mil em 1968. Ainda aqui pode ser debatido em sala de aula o controle estatal sobre as universidades, bem como também as seguintes questões podem ser levantadas para discussão:

 

  • O que esperavam as pessoas das classes média e alta do golpe militar de 1964? Visto que apesar do apoio no período, anos depois vão às ruas manifestar contra o regime imposto.
  • O que poderia ser considerado “subversivo” para os militares?
  • Por que é problemática a ideia de que a ditadura militar brasileira foi mais “branda” do que as demais ditaduras do cone sul?
  • Que tipo de convivência as pessoas poderiam ter assumido durante o dia-dia neste período?
  • Há pessoas que dizem “o regime militar não causou mal algum àqueles que não tinham nada a temer”, vocês concordam com isso? O que isso implica na vida política da pessoa ao afirmar isso?
     

 

Esta foto, por último levanta inúmeras questões às quais o tema envolve, desde a repressão, ao domínio político dos militares, até o medo social imposto. Ela pode ser usada para iniciar um livre debate entre os alunos, com a pergunta inicial “O que lhe vem em mente ao olhar para esta imagem?”.

Ainda podem ser debatidos os seguintes temas:

 

  • A que custo o regime militar trouxe o milagre econômico?
  • Este milagre econômico trouxe satisfação para classe média, no entanto ele foi sentido pelas camadas populares?
  • É possível dizer que o regime militar teve “pontos” positivos e negativos11?
  • O que era a doutrina militar? O que ela visava garantir e proteger? Quais eram seus parâmetros?

e) Charges: O professor aqui poderá explorar dois tipos de charges: Charges durante o regime militar e depois do regime militar. O professor deve ter em mente que as charges do período, hoje já não possuem o mesmo efeito humorístico, para isso deve explicar a razão da piada em cada charge proposta. Neste exercício o professor também deve concluir o tom sútil das charges para que passasse despercebida da censura12. Cabe por fim ao professor a interpretação intertextual entre as charges.

Segue aqui as charges de Ziraldo e Fortuna, durante o regime militar, todos do Pasquim:

____________________________________________________________________
11 Particularmente trabalho aqui com uma simples resposta, não. Não é possível entender o regime militar por esta maneira simplista, visto que ela generaliza o que é “bom”, ou melhor, o que atende os interesses para um setor minoritário para um todo. Como expus aqui neste trabalho, já fica implícito que a política do regime militar acentuou ainda mais as desigualdades sociais, atendendo os interesses apenas de uma minoria.
12 A mesma ideia das músicas de Chico Buarque, ao qual as músicas tinham o duplo sentido.

 

 

Esta charge de Ziraldo apresenta uma crítica menos sútil do que as demais, por isso foi barrada. A interpretação não é difícil, vemos que um homem apresenta-se a disposição para dar conselhos ao advogado Dr. Petrônio Portela, responsável pela transição democrática, ou “distensão política” como era denominada pelos presidentes Ernesto Geisel e João Figueiredo. A piada consiste que a “iniciativa para aperfeiçoar o regime” são todas questões que acabariam com o regime militar, como o fim da censura e a reforma constitucional, ou que não interessava ao regime militar, como a reforma agraria.

 

O professor, portanto, deve contextualizar a charge e em seguida pode guiar a discussão e interpretação dos alunos por essa charge a partir das seguintes questões:
 

  • O que o homem na charge traz consigo?
  • É possível ler algumas palavras nos papeis em que o homem traz, outras podemos apenas cogitar o que pode estar escrito, como “Renda ... uma justa distribuição”, “liberdade de expressão”, “Controle das multinacionais” e “477” talvez uma referencia ao decreto-lei 477 que prevê punição aos professores, estudantes e funcionários das universidades publicas e particulares. Se essas referencias se confirmem porque elas estariam escondidas?
  • Em que sentido o homem na charge interpretou a suposta fala do Dr. Petrônio Portela? E em que sentido, provavelmente Dr. Petrônio quis se referir no momento em que disse “aperfeiçoar o regime”?

Nesta charge Fortuna também realiza uma ironia mais evidente à censura do regime militar em 1972. A piada não só está pelo fato do homem reclamando se foi sua esposa que cortou uma notícia ou se a Lei de Imprensa, prevista no AI-5 já começou, mas pelo fato da censura não permitir que ele saiba se a censura já começou. Exposto o contexto da censura aos alunos o professor, assim como o quadrinho anterior então pode ajuda-los a discutir e refletir sobre esta charge da seguinte forma:

 

  • Por que o homem está reclamando?
  • Por que o homem não saberia dizer se foi Maria ou a Lei de Imprensa a causa da sua reclamação?
  • Que tipo de notícia a Lei de Imprensa poderia censurar?
  • Apesar da censura por que a mídia apoiou o golpe e por muito tempo apoiou o regime militar?

 

Outro cartoon de Fortuna ao qual mostra um professor de história que irá explicar como foi a “revolução” de 1964. Em seguida o professor larga seus livros e papeis e segura duas armas. O humor da charge consiste na representação do golpe ou revolução pelo professor. A partir daí podemos iniciar uma discussão da seguinte maneira:

 

  • Por que na charge não está explicito a revolução que o professor se refere?
  • Considerando que o professor se refira ao golpe de 1964 por que o professor representa a chamada “revolução” desta maneira?
  • Existe apenas esta maneira de se referir ao golpe?
  • Por que o professor menciona o golpe de 1964 como revolução?
  • Qual é o termo correto? Golpe? Revolução? Contra Golpe? Contra Revolução?
  • O golpe foi apenas militar? Ou Civil-Militar?
  • É correto pensar que os culpados pelo golpe de 1964 foram os comunistas e a política de Jango?

 

Este cartoon de 1979 apresenta a crítica mais sútil à ditadura dentre as apresentadas aqui. Como podemos ver a charge representa um elefante casando-se com uma formiga e o sacerdote consagrando o matrimônio. A sátira de Ziraldo consiste na alegoria absurda de um elefante casar-se com a formiga, sendo o elefante batizado de “Athos Sinco” e a formiga “Edi-stensão”, podendo ser entendidos alegoricamente que o AI-5 não convêm com uma política de “distensão” ou de abertura. O professor, antes, precisa fazer uma contextualização do que foram os Atos Institucionais e depois poderia ajudar os alunos a interpretar e discutir da seguinte maneira:

 

  • No que consiste a charge?
  • Pode-se dizer que este casamento é normal? Qual seria a anormalidade?
  • Os nomes das personagens se referem ao que?
  • Se é tão absurdo uma formiga se casar com um elefante, por que seria o mesmo absurdo uma abertura política, ou distensão, do regime militar enquanto o AI-5 vigora?
  • É certo entender o AI-5 como o momento do golpe dentro do golpe, como alguns estudiosos defendem?

 

Seguem agora algumas propostas de charges atuais de Angeli, Carlos Latuff:

Neste quadrinho de Angeli o militar está pregando história na lousa para seus alunos. A sátira consiste no que a interpretação literal do quadrinho de “pregar história” conotando ao sentido de escrever a história como convém aos militares. A partir daí o professor poderia abrir a discussão da seguinte forma:

 

  • Como poderia ser a história segundo os próprios militares, ou aqueles que apoiaram o regime?
  • A história do regime militar pregada por eles poderia negar o que?
  • Essa história poderia estar errada?
  • Qualquer história contada, ou melhor, historiografia não poderia ser contada da maneira que convém a quem conta?
  • Comparando com a charge anterior do professor ensinando aos alunos o que foi o golpe ou “revolução”, quais as semelhanças e diferenças entre elas?
  • Qual, entre as duas charges, melhor representa uma posição de resistência?
  • Ambas as charges representam um contexto de guerra ideológica?
  • Quais as diferenças entre os dois contextos da guerra ideológica no Brasil e no Mundo?
  • Essa imagem poderia ilustrar uma continuidade da educação brasileira?

 

Carlos Latuff nesta charge representa um militar, com as mãos sujas de sangue, dormindo tranquilamente numa rede sustentada pelo governo, representada provavelmente por Dilma Rousseff e por um magistrado do Supremo Tribunal Federal. A crítica de Latuff consiste na garantia destas instituições em assegurar a lei da Anistia aos militares. Neste ponto o professor pode expor o que foi a Lei da Anistia de 1979, o porquê da constituição de 1988 não poder interferi-la. Expostas estas condições a interpretação da charge pode ser feita da seguinte maneira com a classe:

 

  • O que aparenta o militar? Por que o governo e o Supremo tribunal nacional sustentam sua rede?
  • Por que as mãos do militar estão sujas de sangue?
  • Qual a relação da lei da Anistia com o negacionismo dos militares?
  • Se o governo promoveu a comissão da verdade, por que este logo não se mobiliza para o fim da anistia?
  • Que relações de poder envolvem o governo atual do PT e a lei da Anistia?

 

Outra charge de Angeli ao qual ironiza o silêncio e o negacionismo dos militares em relação aos arquivos secretos e a tortura do regime militar. O humor está no momento em que os militares ao abrirem seus arquivos secretos mostrarem que estavam “certos”, que os documentos secretos eram apenas bonequinhos, algo absurdo. O professor pode realizar uma reflexão com os alunos da seguinte forma:

 

  • Qual seria a ironia da charge?
  • Por que os militares esconderiam os documentos secretos?
  • Qual a relação desta charge com a charge anterior do professor militar?

Esta outra charge de Angeli ironiza a continuidade das mesmas pessoas que eram do partido favorável ao regime militar ARENA continuarem no poder com partidos de outro nome, como: PDS, PFL, DEM e PP. Aqui o professor poderá apresentar o que foi o AI-3 que instituiu o bipartidarismo a ARENA e o MDB, partido de oposição ao regime militar. Exposto o que foi a ARENA e o MDB, o professor pode refletir o assunto da seguinte maneira:

 

  • Por que as mesmas pessoas do regime militar ainda continuam no poder?
  • Essas pessoas depois do fim da ARENA mantiveram suas alianças políticas13?
  • Que relações de poder essas pessoas implicam nos três poderes, tanto no âmbito nacional como estadual?
  • Muitos defendem que o regime militar brasileiro foi democrático, visto que possuía eleição para o congresso, bem como de maneira indireta para presidente. No entanto é possível afirmar isso diante o AI-5, torturas, censura e outros abusos do regime militar?
  • José Sarney torna-se presidente logo no fim do regime militar, isso implica numa continuidade do regime militar?
  • E quais outros aspectos políticos podemos ver uma continuidade do regime militar?
  • Além dos aspectos políticos, onde mais podemos ver uma continuidade do regime militar?

 

Latuff ironiza nesta charge o memorial dedicado ao ex-presidente Medici, responsável pelo auge da ditadura militar. Este monumento de memorização aqui serve como uma alegoria a todos os monumentos que fazem referencia à aqueles que atuaram e colaboraram ao regime militar. A ironia consiste no memorial, no caso uma praça, marcada pelos instrumentos de tortura, além de um esqueleto simbolizando a morte. Este para o cartunista é a ironia, a dedicação da memorização da morte e da tortura. O professor neste tópico deve chamar a atenção que a ironia aos monumentos dedicados a memoria devem ser cautelosos. Isso porque eles implicam na identidade de grupos, bem como na resistência e respeito quando a causa se trata de luta. A questão não é mostra o

____________________________________________________________
13 Isto é, após o fim da ARENA, começaram alianças partidárias “bizarras” como PT e PP, dois partidos ideologicamente opostos.

 

 

que pode e não pode fazer piada, mas mostrar que os monumentos memoriais envolvem significados para determinados grupos, e que para tanto é importante respeita-los.
 

Ainda é importante ressaltar que existe uma diferença crucial entre os memoriais que ressaltam os que colaboram ao regime militar e aqueles memoriais de resistência ao regime militar.

Os memoriais de resistência visão proteger a identidade de um grupo social, como a dos índios, já os monumentos que são dedicados aos que colaboraram ao regime militar de certa maneira ofendem a quem eles oprimiram. Posto isso o professor pode guiar um debate com os alunos lançando as seguintes questões:

 

  • A memorização de Médici nesta charge se refere ao que?
  • Este monumento memorial poderia ofender alguém?
  • Para quais grupos sociais uma memorização a alguém que contribuiu ao regime militar poderia ofender?
  • O que poderia ser um monumento de memória?
  • Por que devemos respeitar os monumentos de memoria das minorias sociais?
  • Que relação os monumentos de memoria dedicados aos militares e civis que contribuíram para o regime militar tem em relação com o negacionismo?
  • É importante separar de memoria e história?

Sugeridos aqui as charges o professor poderá concluir com os alunos fazendo uma comparação geral entre charges durante o período militar e durante o período democrático. Proponho aqui o professor desenha um quadro comparando as charges da seguinte forma:

 


 

___________________________________________________________________
14 Isso não pode se aplicar a todas as charges atuais referentes ao regime militar, no entanto é importante apresentar a mudança no método dos cartunistas.

 

 

III- Atividade – Continuidade do regime militar

Como bem vimos na ultima atividade o regime militar implica ainda em muitas continuidades de suas características, como a repressão policial, voto obrigatório, discussão pelo fim da lei da Anistia, abertura de documentos secretos, continuidade dos mesmos políticos que colaboraram ao regime militar e até ainda a insuficiência democrática atual, isto é a pequena participação política do povo apontada por muitos intelectuais. O próprio tema, ainda muito polêmico, já induz a sua continuidade.
 

O professor pode mostrar o quão polêmico é o tema da ditadura militar, e de quebra já apresentando as continuidades ou os legados do regime militar a partir da leitura em sala de aula de dois textos, um por Rômulo Bini Pereira15, general favorável ao regime militar e outro texto de Vladmir Safatle professor de filosofia da USP16. É aconselhável que leia-se primeiro o texto do General Rômulo Bini Pereira e depois o do professor Vadmir Safatle, pois este faz referencia ao texto do general.

 

A partir da leitura o professor em sala de aula poderá discutir com os alunos quais os legados ambos procuram ressaltar do regime militar, bem como os aspectos estudados aqui nas atividades presentes nos textos:

 

 

 

________________________________________________________________

15 http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-arvore-boa,1131960

16 http://www.cartacapital.com.br/politica/a-eterna-transicao-7263.html

 

 

A partir dos tópicos levantados o professor poderá selecionar os que interessa e refletir com os alunos, por exemplo:

 

Ameaça comunista no Brasil e a violência da esquerda:

 

  • Seria mesmo possível uma revolução comunista no Brasil? A realidade das forças esquerdistas espalhadas pelo Brasil comprova essa ameaça?
  • Houve sim confronto entre militares e guerrilheiros, no entanto, estes guerrilheiros foram massacrados, sendo seus sobreviventes torturados. Ainda não seria a violência da esquerda pelos guerrilheiros uma resposta ao regime ditatorial imposto pelos militares?

A continuação do regime militar na atual democracia, ou a transição democrática que nunca acabou:

 

  • Para Vladimir Safatle vivemos em uma democracia?
  • Quais legados o General Rômulo Bini Pereira entende que a atual democracia herdou do regime militar? E quais legados para Vladmir Safatle foram herdados?
  • Em que aspectos podemos observar os legados do regime militar na atual democracia?
  • Por fim o professor pode concluir a atividade sobre os legados da ditadura militar apontando para a violência policial. Sugiro aqui a comparação em sala de aula acompanha da discussão destas duas fotos:

 

 

 

  • Qual a semelhança entre as duas fotos?
  • Ambas as fotos remetem ao desaparecimento e assassinato de duas pessoas, porém em momentos distintos. Houve alguma mudança em relação a violência policial?
  • Estas pessoas foram consideradas “subversivas” ou criminosas pela força policial. O que seria o “subversivo” ou criminoso durante o regime militar e nos dias de hoje?
  • Quais as diferenças das realidades da vida de Vladmir Herzog e Amarildo?
  • Quais as diferenças entre os dois casos?
  • O desaparecimento e assassinato de Amarildo ilustra o que na sociedade?

O professor assim conduz a discussão para a manutenção das tensões sociais, bem como do racismo, não necessariamente legados do regime militar, mas que foram acentuados durante este período. Segue uma sugestão de charge para conclusão desta sequencia didática:

 

 

IV- Atividade - Avaliação

Avaliação também será adaptável conforme o interesse do professor, bem como a exigência da escola.

A proposta deste trabalho é oferecer a alternativa ao aluno da seguinte maneira:
 

a) Duas avaliações, sendo a primeira irá avaliar a participação do aluno nas atividades, como também no material pesquisado. Caso o aluno não esteja satisfeito com a nota poderá fazer um trabalho que envolve apenas um dos temas da proposta “c)”. A última avaliação seria obrigatória que consistira em uma prova feita em sala de aula, sem consulta e individual. Esta prova poderá conter questões de vestibulares, desde que se enquadrem com a proposta desta sequencia didática17.

b) Uma avaliação, ao qual recomenda-se usar a comparação de fotos ou charges, bem como o trabalho de interpretar músicas. Além de recorrer a todos os materiais e atividades desta sequencia didática terá como requisito a leitura de dois textos: “Especial Veja: 50 ano depois” de Augustos Nunes18; “O Inaceitável Risco da Igualdade” por Mino Carta19. Ambos os textos na avaliação exigiram a interpretação do aluno, ao qual este deve ser capaz de discernir o papel do ex-presidente Jango é atribuído em ambos os textos, bem como a articulação midiática e o apoio das classes mais altas ao golpe. Para melhor esclarecer Augustos Nunes praticamente responsabiliza o golpe a política de Jango, classificado como um homem bem intencionado, mas imprudente. Já no caso texto de Mino Carta, seria interessante também trabalhar com duas afirmações suas retiradas de trabalhos historiográficos: Ditadura Civil Militar e Golpe dentro do Golpe em 1969, ambas ideias discutidas neste trabalho.

c) Uma avaliação a qual consiste na montagem da primeira página (capa) de um jornal, esboçando várias posições sobre os temas:

 

  • Marcha da Família em 1964
  • Golpe 1964
  • A primeira medida do Ato Institucional número 5 (AI-5) em 1969 com o fechamento do congresso nacional.
  • “Memorização” do Golpe Militar e do Regime. Exemplo: 50 anos do golpe.

 

Referências:

 

Bibliografia:

 

Napolitano, Marcos “1964 Historia do regime Militar Brasileiro”, 2014, ed. 1ª, editora contexto.

 

______________________________________________________
17 Seguem algumas sugestões de alguns sites em que pesquisei: http://historiaintegrada.blogspot.com.br/2011/09/banco-de-questoes-brasi... http://exercicios.brasilescola.com/historia-do-brasil/exercicios-sobre-d...
18 http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/o-pais-quer-saber/50-anos-de... -> Edição da revista Veja 2366 – Ano 47 – número 13 – 26 de março de 2014 – pagina 57 a 59.
19 http://www.cartacapital.com.br/revista/793/o-inaceitavel-risco-da-iguald... -> Edição da revista Carta Capital número 793 – 2 de abril de 2014 – página 34 a 37.

 

 

Dantas, Audálio “O Brasileiro Vladimir Herzog”, in Cadernos CONIB, janeiro de 2014, ed. 2.

Aarão Reis, Daniel “Ditadura e Democracia no Brasil”, ed. 2014, editora Zahar.

http://www.unicap.br/coloquiodehistoria/wp-content/uploads/2013/11/5Col-p.1183-1194.pdf

 

Links

Letras das músicas e vídeos recomendados:

“Acorda Amor”

Letra: http://letras.mus.br/chico-buarque/45103/

 

Vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=tHBDbJTGnMc

 

“Apesar de Você”

Letra: http://www.vagalume.com.br/chico-buarque/apesar-de-voce.html Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=33-bMTOlvx0
 

“Vai Passar”

Letra: http://www.vagalume.com.br/chico-buarque/vai-passar.html#ixzz356sFVcoJ

 

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=P6C5bZOr3xQ

 

Fotos recomendadas:

 

  • http://www.pragmatismopolitico.com.br/wp-content/uploads/2012/09/herzog1.jpeg
  • http://blog.gvces.com.br/wp-content/uploads/2014/03/Protestos_contra_regime_militar.jpg
  • https://catracalivre.com.br/wp-content/uploads/2014/02/orlando_britto.jpg

Reportagem do SBT sobre os índios:

 

https://www.youtube.com/watch?v=NkyE8nKMajE

Filme “Cabra Marcado para Morrer” restaurado:

https://www.youtube.com/watch?v=JE3T_R-eQhM

 

Charges:

 

  • http://2.bp.blogspot.com/_T0azdcZGeXw/TA-kKyAdElI/AAAAAAAAAB8/lr_10mGGJV...
  • http://www.lpm-blog.com.br/wp-content/uploads/2011/02/charge_fortuna.jpg
  • http://www.elaineelesbao.com.br/wp-content/uploads/2014/03/124-Pif-Paf-3_3-Vou-explicar-a-Revolucao.jpg
  • http://2.bp.blogspot.com/_T0azdcZGeXw/TA-kNepjPwI/AAAAAAAAACM/jcWtvLbnsLI/s1600/AChargeNoTempo18_08_09.jpg
  • http://img.scoop.it/stw1RaOmcsj_4nWrTRjyujl72eJkfbmt4t8yenImKBVvK0kTmF0xjctABnaLJIm9
  • http://sibila.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2010/11/herzog.jpg
  • https://pimentacomlimao.files.wordpress.com/2011/12/enquanto-isso.jpg
  • http://idejust.files.wordpress.com/2010/07/latuff-16-07-10-praca1.gif
  • http://idejust.files.wordpress.com/2010/07/angeli-fsp-13012010.gif
  • http://3.bp.blogspot.com/-GijZxR39zEc/Uzt4sX1SZoI/AAAAAAAAVis/XuXvkXDGhuk/s1600/angeli_Colegio+militar.gif
  • http://idejust.files.wordpress.com/2010/07/angeli-char25072010.gif
  • https://latuffcartoons.files.wordpress.com/2013/05/lei-da-anistia-no-brasil.gif

 

Textos:

  •  
  • http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/o-pais-quer-saber/50-anos-depois/
  • http://www.cartacapital.com.br/revista/793/o-inaceitavel-risco-da-igualdade-5114.html
  • http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-arvore-boa,1131960
  • http://www.cartacapital.com.br/politica/a-eterna-transicao-7263.html
AnexoTamanho
Ditadura Militar 1964 – O Plano, Resistências, Memórias e Legados.pdf1.52 MB