UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

ENSINO DE HISTÓRIA: TEORIA E PRÁTICA

GIULIANA VASCO DE PAULA MISORELLI

10326792 – VESPERTINO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA:

A história LGBTQ+: um desafio pedagógico contra a intolerância

São Paulo

2019

Sequência didática: a história LGBTQ+ como um desafio pedagógico contra a intolerância

Introdução:

Por excelência, a escola é um dos principais espaços de formação de crianças, jovens e adolescentes, na maior parte das vezes servindo como seu primeiro meio de socialização depois da família. Mesmo sendo em parte responsável pela formação ética dos jovens, muitas vezes a escola peca ao introduzir temas como a diversidade em sala de aula, evitando abordar assuntos que são considerados “tabus” sociais.

Segundo uma pesquisa do Instituto Unibanco realizada em 2016, apenas 10 dos 23 Planos Estaduais de Educação (PEEs) abordavam a questões de gênero e diversidade sexual. A falsa sensação de segurança ao evitar esses assuntos, seja por medo da reação que pode ser recebida ou por acreditar que eles não vão fazer diferença no aprendizado dos alunos, está longe de ser uma ação que vai manter a sala de aula como um ambiente seguro.

Em uma pesquisa realizada pela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) em 2009, dados apontaram que as principais vítimas de discriminação nas escolas eram os jovens LGBTQ+. Não somente, o estudo também demonstrou que os resultados dos alunos vítimas da homo e transfobia geralmente tinham resultados acadêmicos menos satisfatórios que seus colegas, e tinham uma taxa de evasão maior.

No país que mais mata LGBTs no mundo, com uma taxa de uma morte (por suicídio ou assassinato) a cada dezenove horas, é a função social da escola introduzir os temas de diversidade sexual para que se construa uma sociedade que não apenas é mais tolerante como também confiante em sua própria identidade. Ensinar aos alunos a História da diversidade de gênero permite que eles passem a se posicionar de forma crítica em frente aos preconceitos, assim como se sintam mais confortáveis para se expressar e confrontar questões sobre a sua própria existência sem medo.

Objetivos:

Esta sequência didática tem como objetivo abordar questões de gênero e orientação sexual, assim como problematizar o fato que há uma grande parcela da sociedade que foi apagada da História – a população LGBTQ+. Através desses assuntos, procura-se construir uma vivência em sala de aula que seja mais construtiva e inclusiva, apostando no conhecimento como a principal forma para lutar contra a opressão de gênero e sexualidade.

Através da leitura de textos literários e a análise de documentos, procura-se demonstrar para os alunos as questões particulares da diversidade sexual, sobre a opressão e as formas de resistência e luta que foram travadas para reverter situações de violência seculares. A sequência tem como objetivo absoluto tornar a sala de aula um ambiente mais seguro para a comunidade LGBT – que ali está e sempre esteve presente – e mais disposta a se posicionar em frente ao preconceito.

Informações práticas:

A sequência didática tem como alvo alunos entre o 8º e 9º anos, assim como alunos do Ensino Médio, tendo como previsão a duração de três aulas de quarenta e cinco minutos. Para a sua realização, é essencial que o docente tenha acesso a uma impressora para entregar materiais como documentos, imagens e textos aos alunos. Como a atividade final será a produção de cartazes, é ideal que sejam disponibilizadas cartolinas, assim como revistas e jornais para colagem e materiais como lápis de cor e canetinhas.

Metodologia:

A metodologia escolhida para as aulas desta sequência didática é a construtivista. Para que ela seja possível, o professor deve considerar que o conteúdo não deve ser apenas exposto para os alunos, mas sim construído juntamente a eles. É a partir dos conteúdos disponibilizados em sala de aula e os debates realizados em grupo que os discentes deverão montar a aula. O método construtivista é ideal para o desenvolvimento de um pensamento crítico, algo muito necessário considerando o tema veiculado nesta sequência didática.

Materiais utilizados:

Para a construção da sequência didática, foi selecionada uma grande diversidade de materiais (textos literários, documentos escritos e imagens) não apenas com o propósito dos alunos verem nossa temática ser repetida em diferentes mídias, mas também para que eles saibam interpretar conteúdos mais variados.

Atividades:

A sequência didática foi dividida em três aulas. Nas duas primeiras, a temática da diversidade sexual e identidade de gênero deverão ser introduzidas para os alunos, e por conta disso é interessante que elas sejam dadas uma em seguida da outra ou no mesmo dia. A terceira

aula vai ser a oportunidade de os alunos apresentarem abertamente o que eles aprenderam nas duas primeiras aulas e veicularem esses conhecimentos na frente da turma, servindo como uma grande revisão das duas primeiras aulas.

Aula 1:

A primeira aula da sequência didática tem como objetivo introduzir os alunos à temática da diversidade sexual e de gênero, a fim de que os alunos passem a naturalizar esses temas não como algo que está fora do padrão ou da norma, mas sim como algo que acontece naturalmente. Para tanto, na primeira parte a turma deverá fazer uma leitura coletiva de trechos selecionados da obra Grande sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. Para garantir que a atenção esteja presa no texto durante toda a sua leitura, é recomendado que cada um dos alunos faça a leitura de um parágrafo. Os trechos selecionados dizem em específico sobre a narrativa do amor entre Riobaldo e Diadorim, apresentados às narrativas como homens.

Nos trechos selecionados, o amor das duas personagens não deixa dúvidas ser algo genuíno e puro. Apesar dos questionamentos que o narrador coloca para si mesmo sobre a paixão que sente pelo outro homem, nem por um momento ele parece duvidar do que sente, e se recusa a se culpar por tudo aquilo que sente. Mais tarde na narrativa, após a morte de Diadorim, quando descobre que seu companheiro tem, na realidade, a fisionomia feminina, Riobaldo não se culpa pelo amor que se sentiu ele também não se culpa pelo amor que sentiu e também não se enraivece com seu parceiro por ter partido sem deixar explicações.

                   • Trechos

 

Aquele lugar, o ar. Primeiro, fiquei sabendo que gostava de Diadorim – de amor mesmo amor, mal encoberto em amizade. Me a mim, foi de repente, que aquilo se esclareceu: falei comigo. Não tive assombro, não achei ruim, não me reprovei – na hora. Melhor alembro. O nome de Diadorim, que eu tinha falado, permaneceu em mim. Me abracei com ele. Mel se sente é todo lambente – “Diadorim, meu amor...” Como era que eu podia dizer aquilo? E como é que o amor desponta. Coração cresce de todo lado. Coração vige feito riacho colominhando por entre serras e varjas, matas e campinas. Coração mistura amores. Tudo cabe. E eu – como é que posso explicar ao senhor o poder de amor que eu criei? Minha vida o diga. Se amor? Era aquele latifúndio. Eu ia com ele até o rio Jordão... Diadorim tomou conta de mim. E de repente eu estava gostando dele, num descomum, gostando ainda mais do que antes, com meu coração nos pés, por pisável; e dele o tempo todo eu tinha gostado. Amor que amei – daí então acreditei. A pois, o que sempre não é assim?

Explico ao senhor: como se drede fosse para eu não ter vergonha maior, o pensamento dele que em mim escorreu figurava diferente, um Diadorim assim meio singular, por fantasma, apartado completo do viver comum, desmisturado de todos, de todas as outras pessoas – como quando a chuva entre-onde-os-campos. Um Diadorim só para mim. Tudo tem seus mistérios. Eu não sabia. Mas, com minha mente, eu abraçava com meu corpo aquele Diadorim-que não era de verdade. Não era? A ver que a gente não pode explicar essas coisas. Deus é que me sabe.

O Reinaldo era Diadorim – mas Diadorim era um sentimento meu. Aquilo me transformava, me fazia crescer dum modo, que doía e prazia. Aquela hora, eu pudesse morrer, não me importava. Diz-que-direi ao senhor o que nem tanto é sabido: sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na ideia, querendo e ajudando; mas, quando é destino dado, maior que o miúdo, a gente ama inteiriço fatal, carecendo de querer, e é um só facear com as surpresas. Amor desse, cresce primeiro; brota é depois (189). Tudo turbulindo. Esperei o que vinha dele. De um aceso, de mim eu sabia: o que compunha minha opinião era que eu, às loucas, gostasse de Diadorim, e também, recesso dum modo, a raiva incerta, por ponto de não ser possível dele gostar como queria, no honrado e no final. Ouvido meu retorcia a voz dele. Que mesmo, no fim de tanta exaltação, meu amor inchou, de empapar todas as folhagens, e eu ambicionando de pegar em Diadorim, carregar Diadorim nos meus braços, beijar, as muitas demais vezes, sempre. Abracei Diadorim, como as asas de todos os pássaros (50). Diadorin é minha neblina... amor é a gente querendo achar o que é da gente.

O que brotava em mim e rebrotava: essas demasias do coração. Meu corpo gostava de Diadorim. Estendi a mão, para suas formas; mas, quando ia, bobamente, ele me olhou – os olhos dele não me deixaram. Diadorim, sério, testalto. Tive um gelo. Só os olhos negavam. Vi – ele mesmo não percebeu nada. Mas, nem eu; eu tinha percebido? Eu estava me sabendo? Meu corpo gostava do corpo dele, na sala do teatro. Maiormente. As tristezas ao redor de nós, como quando carrega para toda chuva. Eu podia pôr os braços na testa, ficar assim, lorpa, sem encaminhamento nenhum. Que é que queria? Não quis o que estava no ar; para isso, mandei vir uma idéia de mais longe. Falei sonhando: – “Diadorim, você nãotem, não terá alguma irmã, Diadorim?” – voz minha; eu perguntei.

Sei lá se ele riu? O que disse, que resposta? Sei quando a amargura finca, o que é o cão e a criatura. De tristeza, tristes águas, coração posto na beira. Irmã nem irmão, ele não tinha: – “Só tenho Deus, Joca Ramiro... e você, Riobaldo...” – ele declarou. Hê, de medo, coração bate solto no peito; mas de alegria ele bate inteiro e duro, que até dói, rompe para diante na parede.

Ah, mas falo falso. O senhor sente? Desmente? Eu desminto. Contar é muito, muito dificultoso. Não pelos anos que se já passaram. Mas pela astúcia que têm certas coisas passadas – de fazer balancê, de se remexerem dos lugares. O que eu falei foi exato? Foi. Mas teria sido? Agora, acho que nem não. São tantas horas de pessoas, tantas coisas em tantos tempos, tudo miúdo recruzado.

Medo de errar. Sempre tive. Medo de errar é que é a minha paciência. Mal. O senhor fia? Pudesse tirar de si esse medode-errar, a gente estava salva. O senhor tece? Entenda meu figurado.

Conforme lhe conto: Gostar ou não gostar, isso é coisa diferente. O sinal é outro. Um ainda não é um: quando ainda faz parte com todos. Eu nem sabia.

Mas, pensar na pessoa que se ama, é como querer ficar à beira d’água, esperando que o riacho, alguma hora, pousoso esbarre de correr Diadorim, de meu amor – põe o pezinho em cera branca, que eu rastreio a flor de tuas passadas.

Aquela Mulher não era má, de todo. Pelas lágrimas fortes que esquentavam meu rosto e salgavam minha boca, mas que já frias já rolavam. Diadorim, Diadorim, oh, ah, meus-buritizais levados de verdes... Buriti, do ouro da flor... E subiram as escadas com ele, em cima de mesa foi posto. Diadorim, Diadorim – será que amereci só por metade? Com meus molhados olhos não olhei bem – como que garças voavam... E que fossem campear velas ou tocha de cera, e acender altas fogueiras de boa lenha, em volta do escuro do arraial... [...]

Sufoquei, numa estrangulação de dó. Constante o que a Mulher disse: carecia de se lavar e vestir o corpo. Piedade, como que ela mesma, embebendo toalha, limpou as faces de Diadorim, casca de tão grosso sangue, repisado. E a beleza dele permanecia, só permanecia, mais impossivelmente. Mesmo como jazendo assim, nesse pó de palidez, feito a coisa e máscara, sem gota nenhuma. Os olhos dele ficados para a gente ver. A cara economizada, a boca secada. Os cabelos com marca de duráveis... Não escrevo, não falo! – para assim não ser: não foi, não é, não fica sendo! Diadorim...

Eu dizendo que a Mulher ia lavar o corpo dele. Ela rezava rezas da Bahia. Mandou todo o mundo sair. Eu fiquei. E a Mulher abanou brandamente a cabeça, consoante deu um suspiro simples. Ela me mal-entendia. Não me mostrou de propósito o corpo.

E disse...

Diadorim – nu de tudo.

E ela disse: – “A Deus dada. Pobrezinha...”

E disse. Eu conheci! Como em todo o tempo antes eu – não contei ao senhor – e mercê peço: – mas para o senhor divulgar comigo, a par, justo o travo de tanto segredo, sabendo somente no átimo em que eu também só soube... Que Diadorim era o corpo de uma mulher, moça perfeita... Estarreci. A dor não pode mais do que a surpresa. A coice d’arma, de coronha...

Ela era. Tal que assim se desencantava, num encanto tão terrível; e levantei mão para me benzer – mas com ela tapei foi um soluçar, e enxuguei as lágrimas maiores. Uivei. Diadorim! Diadorim era uma mulher. Diadorim era mulher como o sol não acende a água do rio Urucuia, como eu solucei meu desespero.

O senhor não repare. Demore, que eu conto. A vida da gente nunca tem termo real.

Eu estendi as mãos para tocar naquele corpo, e estremeci, retirando as mãos para trás, incendiável: abaixei meus olhos. E a Mulher estendeu a toalha, recobrindo as partes. Mas aqueles olhos eu beijei, e as faces, a boca. Adivinhava os cabelos. Cabelos que cortou com tesoura de prata... Cabelos que, no só ser, haviam de dar para baixo da cintura... E eu não sabia por que nome chamar; eu exclamei me doendo:

– “Meu amor!...”

Foi assim. Eu tinha me debruçado na janela, para poder não presenciar o mundo. A Mulher lavou o rpo, que revestiu com a melhor peça de roupa que ela tirou da trouxa dela mesma. No peito, entre as mãos postas, ainda depositou o cordão com o escapulário que tinha sido meu, e um rosário, de coquinhos de ouricuri e contas de lágrimas-de-nossa-senhora. Só faltou – ah! – a pedra-de-ametista, tanto trazida... O Quipes veio, com as velas, que acendemos em quadral. Essas coisas se passavam perto de mim. Como tinham ido abrir a cova, cristamente. Pelo repugnar e revoltar, primeiro eu quis: – “Enterrem separado dos outros, num aliso de vereda, adonde ninguém ache, nunca se saiba...” Tal que disse, doidava. Recaí no marcar do sofrer. Em real me vi, que com a Mulher junto abraçado, nós dois chorávamos extenso. E todos meus jagunços decididos choravam. Daí, fomos, e em sepultura deixamos, no cemitério do Paredão enterrada, em campo do sertão.

Ela tinha amor em mim.

E aquela era a hora do mais tarde. O céu vem abaixando. Narrei ao senhor. No que narrei, o senhor talvez até ache mais do que eu, a minha verdade. Fim que foi.

Aqui a estória se acabou. Aqui, a estória acabada. Aqui a estória acaba.

João Guimarães Rosa, Grande sertão: Veredas

Caso o debate não seja imediatamente iniciado pelos alunos, é interessante que o docente comece a discussão com uma série de perguntas.

1. O que Riobaldo sentia por Diadorim era amor ou amizade?

2. Qual era a relação de Riobaldo e Diadorim?

3. O que no texto sugere que essa relação era diferente das demais?

4. Hoje em dia, essa relação é comum? Por quê?

5. Como Riobaldo se sentia em relação aos sentimentos que tinha por Diadorim?

6. O que aconteceu ao final do texto? Como Riobaldo se sentiu em relação ao que descobriu sobre Diadorim? Foi uma reação boa ou ruim?

7. Qual é a importância de ter personagens como Riobaldo e Diadorim na literatura?

 

Em seguida, o docente deverá entregar as tirinhas aos alunos e fazer sua leitura em conjunto. É interessante apontar que, enquanto todas giram em torno da temática LGBTQ, cada uma se volta para um assunto específico, sendo a primeira sobre os moldes da família “tradicional” brasileira (que espera um casal heterossexual e seus filhos), a segunda sobre a liberdade de expressão de gênero e a terceira sobre a LGBTfobia.

Documentos – tirinhas:

1)

imagem molde de família

2)

imagem tirinha de quadrinhos

3)

imagem quadrinhos

Após a leitura dos quadrinhos de Laerte, o docente deverá novamente iniciar uma conversa sobre os conteúdos que foram analisados pela classe, pedindo para que a classe explique o que é que está desenhado em cada uma das tirinhas e o que é que significam aquelas situações. Algumas das perguntas que podem ser feitas pelo docente para aprofundar a discussão são:

1. No primeiro quadrinho, aparece um molde de família. Como é esse molde?

2. Todas as famílias se encaixam nesse molde?

3. No segundo quadrinho, uma situação está gerando estranhamento para uma das personagens. Qual é essa situação? Por que é que ela lhe é estranha?

4. No terceiro quadrinho, o personagem azul está fazendo um discurso. É comum escutar coisas parecidas no dia a dia?

5. Por que é que a personagem rosa disse que crimes contra heterossexuais e homossexuais não são iguais? O que vocês pensam sobre esse discurso?

 

É importante que o professor de espaço para um debate livre dos alunos, desde que eles se mantenham dentro da temática da aula. Sempre que for usado um termo interessante (alguns que poderiam surgir seriam: preconceito, homofobia, transfobia, direitos, opinião, liberdade, família, tradição), é recomendado que o docente o registre na lousa para que os discentes os memorizem, já que eles serão interessantes mais à frente da discussão.

Aula 2:

A segunda aula da sequência didática serve para que os alunos se aprofundem mais diretamente na temática. Para que isso seja possível, eles deverão ser divididos em cinco grupos e então sorteados para uma das cinco estações temáticas.

Após a análise dos documentos ser realizada em forma conjunta, os alunos deverão responder a uma série de perguntas sobre os conteúdos analisados. Quando estiver chegando ao fim da aula, o docente deverá pedir para que os alunos se preparem para uma pequena apresentação sobre o tema estudado em sua oficina, permitindo que assim toda a turma tenha aos conteúdos articulados. A apresentação será realizada na terceira aula.

 

                   • Estação 1: identidade de gênero, sexo e sexualidade

 

Nesta estação, os alunos serão apresentados às diferenças conceituais entre identidade de gênero e sexualidade, assim como à temas como transfobia e expressão de gênero.

- Imagem 1:

imagem estudo de genero

- Texto 1:

Que T é esse?

LGBT

Essa sigla significa lésbicas, gays, bissexuais e transexuais e serve para designar o grupo de pessoas que têm uma orientação sexual (LGB) ou uma identidade de gênero (T) diferente da dominante.

Sexo biológico

Determinado pelos genitais, sistema reprodutivo, cromossomos e hormônios. Pode ser feminino, masculino ou intersexo (quando há presença de determinantes tanto masculinos quanto femininos).

Identidade de gênero

É como a pessoa se vê, que pode ser como mulher, como homem, como gênero neutro ou como bigênero. Na maioria das vezes, a pessoa se identifica com o gênero correspondente ao seu sexo biológico, ou seja, nasce com um corpo masculino e se sente homem (se identifica

com o gênero masculino) ou nasce com um corpo feminino e se sente mulher. Indivíduos assim são chamados de cisgêneros. Mas, para algumas pessoas, não acontece dessa maneira.

Transgêneros

São todos os indivíduos cuja identidade de gênero não corresponde ao seu sexo biológico. De maneira geral, essas pessoas sentem um grande desconforto com seu corpo por não se identificar com seu sexo biológico. Por isso, têm a necessidade de adotar roupas características do gênero com o qual se identificam, se submetem a terapia com hormônios e realizam procedimentos para a modificação corporal [...]

Expressão de gênero

É como alguém se mostra para os outros, diz respeito à aparência. É possível ter uma aparência feminina, masculina ou andrógina (que mescla elementos tidos como femininos e masculinos). [...]

Transfobia

É o preconceito, o ódio e a violência dirigidas às pessoas transgêneras.

Transgênero e orientação sexual

Muitas pessoas ainda confundem orientação sexual/romântica e identidade de gênero. A primeira diz respeito ao interesse sexual por outras pessoas. Pode ser por pessoas do mesmo gênero (homoafetivo/homossexual), por pessoas do gênero oposto (heteroafetivo/heterossexual), por ambos os gêneros (biafetivo/bissexual) ou por pessoas de ambos os gêneros e pessoas não binárias (pan-afetivo/pansexual).

A identidade de gênero não determina a orientação sexual de alguém. Assim, um homem transexual (que nasceu com o corpo feminino e o transformou em um corpo masculino) pode tanto ser gay (gostar de homens) quanto heterossexual (gostar de mulheres) ou bissexual (gostar dos dois). O mesmo pode acontecer com uma travesti. Se ela gostar de homens, ela será uma travesti heterossexual. Se gostar de mulheres, será uma travesti lésbica.”

Hellen Leite

Questões:

1. Considerando a ilustração sobre identidade de gênero e sexualidade e o texto de Hellen Leite, defina:

a. O que é identidade de gênero?

b. Qual é a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual?

c. Como é que a identidade de gênero se relaciona com a transfobia?

 

- Imagem 2:

imagem quadrinhos

Questões:

2. Relacionando o quadrinho de Laerte com a primeira ilustração e o texto de Hellen Leite, responda:

a. Qual é a história que está sendo contada nos quadrinhos?

b. As pessoas parecem respeitar a forma como a personagem Meire se reconhece ao olhar no espelho e pensar em si mesma? Por quê? Como a história se relaciona com o texto e a ilustração vistos anteriormente?

3. Considerando o que foi lido nesta oficina, qual você considera ser a importância de saber a diferença entre todas as identidades apresentadas?

 

 

                   Estação 2: a luta brasileira pelos direitos civis LGBT

 

Nesta estação, os alunos serão apresentados às primeiras movimentações pelos direitos LGBT no Brasil e serão apresentados à algumas das legislações mais recentes.

- Texto 1:

A trajetória e as conquistas do movimento LGBT brasileiro

“O movimento pelos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil começou a partir de reuniões em espaços sociais, como bares e clubes nos anos 1970, em plena ditadura (1964-1985). Eram nesses espaços que publicações homossexuais circulavam. Elas serviram de referência numa fase inicial de organização. “Gueto era um nome que já usávamos para boates frequentadas por gays, lésbicas e travestis. Fazíamos panfletagem e buscávamos montar nossa pauta de reivindicação e apoio lá”, diz Alice Oliveira, militante lésbica.

‘O LAMPIÃO DA ESQUINA’

O primeiro jornal de temática homossexual com grandes tiragens e circulação nacional foi “O Lampião da Esquina”, fundado em 1978 como parte da imprensa alternativa da época. Ela se beneficiava do abrandamento da censura imposta pelo regime militar. A ideia da publicação era “dizer não ao gueto e, em consequência, sair dele”, conforme afirmava o editorial da primeira edição do veículo. O “Lampião” fazia oposição à ditadura e servia para denunciar abusos contra LGBTs, como a prisão arbitrária de lésbicas devido a sua orientação sexual em 1980, em São Paulo, no que foi apelidado de “Operação Sapatão” —algo que continuou a ocorrer com transexuais e travestis após a redemocratização.

‘CHANACOMCHANA’

Em sua edição de 1979, “O Lampião da Esquina” abriu espaço pela primeira vez para participantes lésbicas, que escreveram um longo artigo chamado “Não somos anormais”. Em 1981, elas criam um jornal, depois transformado em boletim: “Chanacomchana”, vendido no Ferro’s Bar, frequentado por lésbicas no centro de São Paulo. Sua venda não era aprovada pelos donos, e as militantes chegam a ser expulsas. No dia 19 de agosto de 1983, participantes do Galf (Grupo Ação Lésbica-Feminista, fundado em 1981), com apoio de outras feministas e de gays, driblam o porteiro do Ferro’s, fazem um ato político e conseguem reverter a proibição. O evento repercutiu nacionalmente e é frequentemente comparado à Revolta de Stonewall, de 1969, em que LGBTs revidaram a uma ação policial no bar Stonewall Inn, em Nova York. Décadas depois, militantes propuseram a comemoração do 19 de agosto como Dia do Orgulho Lésbico, reconhecido no Estado de São Paulo pela Assembleia Legislativa.”

- Imagens 1, 2, 3 e 4:

imagem jornal lampião

imagem jornal lampiãoimagem jornal lampião

Reproduzidas ao lado estão as capas da Revista Lampião referentes aos anos de Maio de 1970, Abril e Agosto de 1979.

Questões:

1. A partir da matéria de André Fábio e as capas de revista reproduzidas acima, responda:

a. Qual foi a origem do movimento LGBT brasileiro? Onde ele se deu e quando?

b. Qual era a importância de se unir naquele momento?

c. O movimento pareceu sempre abranger todos os grupos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis)?

d. Qual é a importância da Revista Lampião para montar uma História LGBT?

 

- Texto 2:

‘HOMOSSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA’

“Desde a promulgação do Código Penal Imperial de 1830 não havia uma lei que punisse o amor com pessoas do mesmo sexo. Mas o “homossexualismo” ainda era rotulado na década de 1980 do século 20 como “desvio de transtorno sexual” no Código de Saúde do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social. Em 1981, o Grupo Gay da Bahia iniciou uma campanha nacional junto à sociedade civil, psicólogos e psiquiatras pela despatologização da homossexualidade. A vitória veio em 1985, com decisão favorável do Conselho Federal de Medicina. A despatologização ocorreu no Brasil cinco anos antes de a Organização Mundial de Saúde retirar a homossexualidade de sua lista de doenças.”

André Cabette Filho

- Imagem 5:

imagem protesto contra a cura gay

imagem protesto contra cura gay

Questões:

2. A manchete do jornal El País se refere às movimentações populares que se espalharam por todo o Brasil no ano de 2017 em resposta a uma liminar realizada para que psicólogos passassem a oferecer terapias de reversão sexual, ou como são popularmente chamadas, “cura gay”. Considerando isso e o trecho da matéria, responda:

a. Qual era a resolução da lei promulgada em 1985? Quais são seus resultados para a sociedade LGBT?

b. A liminar que tentaram promulgar no ano de 2017 vai de acordo com a antiga determinação? Justifique.

 

3. Para você, as mudanças causadas pelo movimento LGBT brasileiro tem surtido algum efeito? Qual? Você acredita que as medidas tomadas em um geral são respeitadas?

 

 

                   Estação 3: “No meu tempo não era assim...”

 

Nesta estação os alunos entrarão em contato com documentos que confrontam o discurso conservador que procura afirmar que a pauta LGBT é um assunto recente e inventado. A intenção é que o grupo perceba que sempre existiram aqueles que confrontavam a norma e que muitas vezes não tiveram escolha sobre a forma que sua história não era contada.

- Texto 1:

Carta de Mario de Andrade ao seu amigo Manuel Bandeira, em abril de 1928.

“[...] Está claro que eu nunca falei a você sobre o que se fala de mim e não desminto. Mas em que podia ajuntar em grandeza ou milhoria pra nós ambos, pra você, ou pra mim, comentarmos e elucidar você sobre a minha tão falada (pelos outros) homossexualidade? Em nada. Valia de alguma coisa eu mostrar o muito de exagero nessas contínuas conversas sociais? Não adiantava nada pra você que não é indivíduo de intrigas sociais. Pra você me defender dos outros? Não adiantava nada pra mim porque em toda vida tem duas vidas, a social e a particular, na particular isso só interessa a mim e na social você não conseguia evitar a socialisão absolutamente desprezível duma verdade inicial. Quanto a mim pessoalmente, num caso tão decisivo pra minha vida particular como isso é, creio que você está seguro que um indivíduo estudioso e observador como eu há de tê-lo bem catalogado e especificado, há de ter tudo normalizado em si, si é que posso me servir de “normalizar” neste caso. Tanto mais, Manu, que o ridículo dos socializadores da minha vida particular é enorme. Note as incongruências e contradições em que caem. O caso de Maria não é típico? Me dão todos os vícios que por ignorância ou por interesse de intriga, são por eles considerados ridículos e no entanto assim que fiz duma realidade penosa a “Maria”, não teve nenhum que caçoasse falando que aquilo era idealização para desencaminhar os que me acreditavam nem sei o que, mas todos falaram que era fulana de tal. Mas si agora toco nesse assunto em que me porto com absoluta e elegante discrição social, tão absoluta que sou incapaz de convidar um companheiro daqui a sair sozinho comigo na rua (veja como eu tenho a minha vida mais regulada que máquina de pressão) e si saio com alguém é porque esse alguém me convida, si toco no assunto é porque se poderia tirar dele um argumento pra explicar minhas amizades platônicas, só minhas. Ah, Manu, disso só eu mesmo posso falar, e me deixe ao menos pra você, com quem, apesar das delicadezas da nossa amizade, sou duma sinceridade absoluta, me deixe afirmar que não tenho nenhum sequestro não. Os sequestros num casos como este onde o físico que é burro e nunca se esconde entra em linha de conta como argumento decisivo, os sequestros são impossíveis. Eis aí uns pensamentos jogados no papel sem conclusão nem sequência, faça deles o que quiser.”

Questões:

1. No ano de 2015, a Fundação Casa Rui Barbosa abriu a carta de Mário de Andrade que havia sido selada e mantida em segredo por cerca de trinta e cinco anos por pedido de sua família. Durante sua vida, o autor foi cercado por rumores em torno de sua sexualidade. Considerando estes fatores, responda:

a. Qual é o conteúdo da carta?

b. Por qual motivo você imagina que a família tenha mantido a carta do autor em segredo?

c. Qual é a importância da divulgação dessa carta para a construção de uma memória?

 

- Imagens 1 e 2:

imagem vintage portraits

imagem vintage portraits

The Invisibles: Vintage Portraits of Love and Pride” é um livro de fotos que oferece uma perspectiva diferente sobre a cultura gay. São imagens que contam a história de uma época considerada enrustida.

Ao longo de suas viagens pelo Estados Unidos, França, Alemanha e Portugal, o autor e cineasta Sébastien Lifshitz começou colecionar fotografias que retratavam a “cena gay” dos anos 20, o que resultou no livro de 144 páginas e um trabalho de pesquisa de 20 anos.”

Questões:

2. É comum que se escute um discurso como “No meu tempo as pessoas não eram assim...” quando se trata da luta pelos direitos da população LGBTQ. Este tipo de afirmação procura afirmar que orientações sexuais e identidades de gênero não normativas são pautas inventadas recentemente. Considerando os documentos analisados, você considera esse tipo de afirmação verdadeira?

 

- Texto 2:

DON'T ASK, DON'T TELL: A LEI DO ARMÁRIO COMPULSÓRIO

“[...] A tensão entre as forças armadas e a homossexualidade levaram à assinatura da lei conhecida como "Don't ask, don't tell", em 1994, pelo então presidente Bill Clinton. "Não pergunte, não conte" foi uma política adotada pelas forças armadas norte-americanas que, ao mesmo tempo, buscava aceitar homossexuais em suas tropas e impedir que eles se assumissem.

Pela lei da época, qualquer pessoa que demonstrasse "propensão ou intenção de se envolver em atos homossexuais" estaria proibida de servir as forças armadas, inclusive podendo ser demitida. Segundo os defensores da lei, a presença de homossexuais assumidos "poderia criar um risco inaceitável para os altos padrões de moral, ordem, disciplina e coesão das unidades que são a essência das capacidades militares". A pessoa, então, estava proibida de mencionar seus relacionamentos, inclusive casamentos e relações familiares.

Para, então, manter gays e lésbicas alistados e servindo o país, o DADT também proibia que superiores investigassem ou até perguntassem a seus membros sobre sua sexualidade. Porém, se fosse detectado algum tipo de comportamento que despertasse suspeitas, como atitudes afeminadas, demonstrações de afeto ou algo dito sem intenção, um inquérito ainda poderia ser aberto. Muitos homens e mulheres homo e bissexuais, então, foram demitidos do exército, marinha e aeronáutica norte-americanos mesmo com o vigor da "Don't ask, don't tell".

A lei, então, passou a ser duramente criticada e perseguida por LGBTs norte-americanos, que alegavam ter direito de servir a seu país, mas não de amar livremente seus parceiros e parceiras. A esperança para o fim da prática cresceu com a eleição de Barack Obama, em 2008. Dois anos depois, em dezembro de 2010, o então presidente assinou a revogação da lei, permitindo que gays, lésbicas e bissexuais assumidos pudessem se alistar nas forças armadas dos Estados Unidos.

R. Wilbert, na página Igreja de Santa Cher na Terra, no Facebook

Questões:

3. Considerando a política do “don’t ask, don’t tell” (não pergunte, não fale) americana, responda:

a) Em que ano foi promulgada a lei? Do que ela trata?

b) Qual é a justificativa para a sua criação?

c) Qual é o efeito do fim dessa lei?

 

4. Em sua opinião, como é que uma política de segredo influencia a forma como contamos a História?

 

 

                   • Estação 4: a LGBTfobia e seus efeitos

 

Nesta estação se propõe trazer para os alunos o perigo da LGBTfobia, problema presente e mortal no Brasil. Não apenas, a estação se propõe a demonstrar que há formar de reverter esta situação.

- Imagem 1:

imagem denuncia

- Texto 1:

“Para quem acredita que esta é uma discussão sem fundamento, os números a respeito da violência contra essas pessoas não deixam dúvidas sobre a importância do debate. Segundo dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), associação que se dedica, entre outras coisas, a fazer um levantamento detalhado sobre a violência contra este público, registrou desde o começo deste ano até a segunda semana de abril um total de 126 crimes violentos (mortes) praticados contra LGBTs no Brasil. Isso significa que, a cada 19 horas, um LGBT é assassinado ou se suicida em nosso país. De acordo com a entidade, 52% dos homicídios contra LGBT no mundo ocorrem em terras brasileiras.

Em 2017, a organização registrou 445 mortes documentadas, um crescimento de 30% em relação ao ano anterior, com 343.”

- Imagem 2:

imagem criminalização lgbt

“Em julgamento concluído na quinta-feira (13), o Supremo Tribunal Federal decidiu que a homofobia e a transfobia devem ser equiparadas ao crime de racismo. A penalização ocorre sob o argumento de omissão do Congresso Nacional. Ela valerá até que os parlamentares legislem sobre o tema.”

- Imagem 3:

imagem mapa mundi lgbt

Questões:

1. Considerando as manchetes e o mapa acima, responda:

a. Qual foi a decisão do Supremo Tribunal Federal?

b. Quais mudanças esta decisão sugere?

c. Em um geral, o Brasil está adiantado ou atrasado em relação a esta legislação?

d. Dada a situação da violência contra LGBTs no país, qual é a importância dessa lei? Ela é suficiente?

 

- Texto 3:

Brasil lidera o ranking mundial de assassinato de transexuais

“O Brasil matou ao menos 868 travestis e transexuais nos últimos oito anos, o que o deixa, disparado, no topo do ranking de países com mais registros de homicídios de pessoas transgêneras. O dado, publicado pela ONG Transgender Europe (TGEu) em novembro de 2016, é assustador, mas não representa novidade para essa parcela quase invisível da sociedade brasileira, que precisa resistir a uma rotina de exclusão e violência.

Por tudo isso, as mais de 800 vidas perdidas no Brasil e as 2.190 no mundo são apenas a ponta do iceberg. Mas as histórias que passam pelo filtro do preconceito e da falta de informações deixam claro o estado de vulnerabilidade das pessoas que se identificam com um gênero diferente daquele que foi atribuído a elas no nascimento.

Em 2014, no Rio de Janeiro, um pai espancou até a morte uma criança de 8 anos, para ensiná-la “a ser homem”. Alex vestia roupas femininas e rebolava enquanto lavava a louça. O monitoramento da TGEu também conta a história de uma garota trans de 13 anos de Araraquara (SP), vítima de exploração sexual, encontrada com 15 facadas pelo corpo, incluindo a cabeça e a face, além de uma fratura no crânio. Em outra ocorrência, em 2010, Erica, 14, levou 11 tiros em Maceió. Vanessa, também de 14 anos, recebeu ameaças de morte da própria avó e foi estrangulada, em 2014, em Angélica (MS).”

Por Thaís Cunha

mapa múndi intolerância

imagem gráfico de assassinatos

Questões:

2. Considerando os dados que foram oferecidos nessa oficina, responda:

a. Dos grupos citados no texto e no gráfico, qual é o mais vulnerável a agressões?

b. Considerando tudo que foi visto nesta oficina, quais medidas poderiam ser tomadas para evitar essas violências?

 

 

                   Estação 5: o LGBTQ e o direito à educação

 

Nesta estação, procura-se fundamentar justamente a importância desta sequência didática. Uma das formas de violência mais poderosas que se dá contra a população LGBT é à alienação à educação por conta do preconceito e violência que se faz presente nas escolas.

- Texto 1:

“Em 2009, pesquisa encomendada pelo Ministério da Educação à Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, da USP) concluiu que as principais vítimas de bullying e discriminação no ambiente escolar eram homossexuais*, negros e pobres.

O estudo identificou também que em escolas em que havia mais atitudes preconceituosas, o desempenho médio dos alunos (não apenas daqueles que eram alvo dessas práticas) em português e matemática era menor. Outra conclusão é que, em geral, níveis maiores de preconceito numa escola não prejudicam apenas um grupo. Se há preconceito contra alunos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), é maior a probabilidade de no mesmo ambiente haver preconceito também contra negros, pobres, mulheres ou qualquer outra forma de discriminação estudada no levantamento.

Outro estudo que identificou a discriminação contra a população LGBT foi divulgado no ano passado pela Flacso (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais), no livro “Juventudes na Escola, Sentidos e Buscas: Por que Frequentam?”. Foi confirmado o alto percentual de rejeição pelos colegas enfrentado pelos jovens homossexuais, transexuais, transgêneros ou travestis. Os pesquisadores fizeram ainda entrevistas aprofundadas com grupos de alunos, o que permitiu identificar em muitos casos uma tendência apenas de tolerância (ao invés da aceitação) da homossexualidade.

OUTROS EFEITOS NEGATIVOS

Pesquisas internacionais trazem mais evidências de como a discriminação afeta o desempenho e bem-estar de estudantes na escola. Em 2009, cientistas da Universidade de Illinois publicaram um estudo feito com cerca de 10 mil estudantes norte-americanos que mostrou que jovens gays, lésbicas e bissexuais são as principais vítimas de agressões e manifestações discriminatórias. Constatou também que esses grupos, por conta dessa discriminação, estavam mais propensos a faltarem às aulas, a usarem drogas, a se sentirem deprimidos e a adotarem comportamentos suicidas em comparação com os demais estudantes.”

Instituto Unibanco, Aprendizagem em foco

- Imagem 1:

imagem gráfico bullying

Questões:

1. Considerando o texto do Instituto Unibanco e os gráficos do Fipe/MEC, responda:

a. Quais grupos são os mais atingidos pelo bullying e a discriminação em ambiente escolar?

b. Quais são as consequências dessa conduta dentro da sala de aula? E fora?

c. Que mensagem o preconceito deixa para as pessoas que são vítimas dele?

 

- Texto 2:

Violência e evasão

“Constantes manifestações de preconceito, bullying, ameaças e agressões físicas fazem parte da rotina de alunos LGBT nas escolas brasileiras.

Estudo realizado pela Secretaria de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ABLGBT), divulgado em dezembro de 2016, mostra que 73% dos estudantes que não se declaram heterossexuais no Brasil já foram agredidos verbalmente na escola. Já as agressões físicas ocorreram com um a cada quatro desses alunos. Dos 1.016 jovens ouvidos na pesquisa, 55% afirmaram ter ouvido, ao longo do ano anterior, comentários negativos especificamente a respeito de pessoas trans no ambiente escolar, e 45% disseram que já se sentiram inseguros devido à sua identidade/expressão de gênero.

Com um ambiente tão hostil, é quase um milagre que um adolescente transgênero termine o ensino médio. Pesquisa conduzida pelo defensor público João Paulo Carvalho Dias, presidente da

Comissão de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), estima que o país concentre 82% de evasão escolar de travestis e transexuais, uma situação que aumenta a vulnerabilidade dessa população e favorece os altos índices de violência que ela sofre.”

Questões:

2. Em relação ao texto Violência e evasão:

a. Como, em geral, são recebidos os alunos LGBT nas escolas brasileiras?

b. Quais são as consequências disso para os alunos? Eles se sentem seguros para continuar frequentando a escola?

c. O que isto significa para o futuro profissional deles?

d. Considerando os dados que foram apresentados nesta oficina, qual é a importância de debater gênero e sexualidade na sala de aula?

 

3. Quais atitudes você acredita que as escolas devam tomar para combater esta situação?

Aula 3:

A última aula desta sequência didática serve para que os alunos tenham uma visão ampla sobre sua temática. Cada um dos grupos terá cerca de cinco minutos para fazer uma pequena exposição sobre a oficina temática que exploraram na segunda aula. O docente deverá pedir para que a apresentação seja ampla, garantindo que todos os alunos consigam entender os temas sem ter acesso aos documentos e dados apresentados particularmente para cada um dos grupos.

Uma vez que todos os grupos tiverem apresentados seus trabalhos, o professor deverá entregar uma cartolina para cada um dos grupos para que eles façam cartazes que se relacionam com a temática da aula e se preferirem, especificamente com o tema de sua oficina. Os grupos têm a liberdade para apresentar seus trabalhos da forma que preferirem: podem usar dados, podem fazer desenhos, usar colagem ou escrever.

A importância do preparo e exposição dos cartazes é que as mensagens de tolerância e coragem se mantenham frescas na memória dos alunos, para que eles tornem o respeito um exercício diário. Se possível, os cartazes devem ser pendurados nas paredes da sala de aula ou nos corredores da escola.

Referências bibliográficas:

Livros e artigos:

BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1998.

BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

MORAES, Marcos Antônio de (Org.). Correspondência: Mário de Andrade & Manuel Bandeira. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2001.

MOTT, Luis R. B. Escravidão, homossexualidade e demonologia. São Paulo: Ícone, 1988.

PEDROSA, Adriano; MESQUISA, André (Org.). Histórias da sexualidade: antologia. São Paulo: Masp, 2017

PRIORE, Mary del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997

TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso: A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: Moral, sexualidade e inquisição no Brasil. São Paulo: Campus, 1989

ZABALA, Antoni. As sequências didáticas e as sequências de conteúdo. In: A prática educativa - Como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

ZABALA, Antoni. Os enfoques didáticos. In: COLL, César, MARTÍN, Elena… (org.)

Sites:

Silêncio da escola em relação a diversidade sexual prejudica a todos. 2016. Elaborado pelo Instituto Unibanco. Disponível em: <https://www.institutounibanco.org.br/aprendizagem-em-foco/11/>. Acesso em: 20 jun. 2019.

BETIM, Felipe. Multidão protesta em São Paulo contra a "cura gay": "Não somos doentes!". 2017. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/23/politica/1506125381_227089.html>. Acesso em: 22 jun. 2019

CUNHA, Thaís. Rotina de exclusão e violência: Brasil lidera ranking mundial de assassinatos de transexuais. 2018. Disponível em: <http://especiais.correiobraziliense.com.br/brasil-lidera-ranking-mundial-de-assassinatos-de-transexuais>. Acesso em: 18 jun. 2019.

FÁBIO, André Cabrette. A trajetória e as conquistas do movimento LGBT brasileiro. 2017. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/explicado/2017/06/17/A-trajet%C3%B3ria-e-as-conquistas-do-movimento-LGBT-brasileiro>. Acesso em: 20 jun. 2019.

FÁBIO, André Cabrette. Criminalização da LGBTIfobia: As dimensões da decisão. 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/06/14/Criminaliza%C3%A7%C3%A3o-da-LGBTIfobia-as-dimens%C3%B5es-da-decis%C3%A3o>. Acesso em: 20 jun. 2019.

HANNA, Wellington; CUNHA, Thaís. Discriminação rouba de transexuais o direito ao estudo. 2018. Disponível em: <http://especiais.correiobraziliense.com.br/violencia-e-discriminacao-roubam-de-transexuais-o-direito-ao-estudo>. Acesso em: 21 jun. 2019.

LEITE, Hellen. Que T é esse? 2018. Disponível em: <http://especiais.correiobraziliense.com.br/transexual-travesti-drag-queen-qual-e-a-diferenca>. Acesso em: 20 jun. 2019.

MOIRA, Amara. "Monstruoso corpo de delito": Personagens transexuais na literatura brasileira. 2018. Disponível em: <https://www.suplementopernambuco.com.br/artigos/2198-monstruoso-corpo-de-delito-personagens-transexuais-na-literatura-brasileira.html>. Acesso em: 23 jun. 2019.

PEREIRA, Claudia. A cada 19 horas, uma pessoa LGBT é assassinada ou se suicida no Brasil. 2018. Disponível em: <https://emais.estadao.com.br/blogs/familia-plural/a-cada-19-horas-uma-pessoa-lgbt-e-assassinada-ou-se-suicida-no-brasil/>. Acesso em: 23 jun. 2019.

SOUZA, Caroline; MAIA, Gabriel. Os direitos das pessoas homossexuais ao redor do mundo. 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/grafico/2019/06/20/Os-direitos-das-pessoas-homossexuais-ao-redor-do-mundo>. Acesso em: 24 jun. 2019.

WILBERT, R. Don't ask, don't tell: A lei do armário compulsório. Disponível em: <https://www.facebook.com/igrejadesantacher/posts/2109530635935661/>. Acesso em: 23 jun. 2019.

Edições da Revista Lampião estão disponíveis em: <http://www.grupodignidade.org.br/projetos/lampiao-da-esquina/>. Acesso em 22 jun. 2019.

Referencia
Graduandos