África na Sala de Aula

Aluno (a): Iamara de Almeida Nepomuceno
Docente responsável: Prof. Dr. Antônia Terra
Disciplina USP: Ensino de História: Teoria e pratica, São Paulo 2009

 

 

Sequência didática

 

Objetivos gerais

     1-    Trabalhar a história da África antes e durante a colonização;

     2-    Mostrar o período colonial com a perspectiva do colonizador e do colonizado;

     3-    Trabalhar com diferentes tipos de documentos pra analisar um assunto;

     4-    Aproximar os alunos da História e da literatura sobre África, sem necessariamente passar pelas imagens da escravidão;

     5-    Possibilitar que os alunos aprendam a fazer leituras de mapas históricos.

 

Objetivos específicos

     1- Construir um imaginário em torno da África que considere seu dinamismo cultural econômico e político antes da chegada dos europeus;

     2-    Confrontar este imaginário com o imaginário dos europeus durante a estadia destes na África.

 

Primeira parte

Desenvolvimento da sequência didática em sala de aula

(Esta primeira parte da sequência deverá ser desenvolvida em duas aulas no mínimo: tempo necessário para avaliar os mapas, refletir sobre os elementos questionados e escrever os aspectos apreendidos através da leitura)

  • Questões para reflexão e ambientação com o tema

     1-    Perguntar aos alunos o que eles sabem sobre África?

     2-    Você acha que existiu no continente qual forma de poder, que fosse semelhante ou diferente do nosso mundo ocidental?

     3-    O que sabem sobre literatura africana, contos, mitos? Acha que eles tiveram algumas destas formas de produção?   

     4-    Já leram mapas, sabem como fazer?

     Divida a sala em pequenos grupos e para cada um deles mostre os seguintes mapas e peça que discutam as estas questões entre si:

  •  Mostrar mapa 1 referente aos impérios africanos

     1-    O que vocês vêem no mapa? Descreva os elementos que chamam atenção.

     2-    Sobre o que trata? Qual o título?

     3-    A qual período ele se remete?

     4-    De onde ele foi retirado, qual a fonte? 5-    O que as cores indicam?

 

  • Mostrar mapas 2.1, 2.2 e 2.3 referente às rotas de comércio interna da África

     1-    Estes mapas mostram as rotas de comércio de quais períodos?

     2-    Em dois deles são indicados os produtos que são comercializados, observe estes e indique qual você conhece.

     3-    Quais relações se estabelecem entre os reinos e as rotas de comércio?

 

  • Mostrar mapa 3 referente ao período colonial africano

     1-    Que mapa é este?

     2-    Existem diferenças em relação ao mapa anterior, quais são?

     3-    Ele foi retirado da mesma fonte?

     4-    Qual significado das cores na legenda?

     5-    O que ela nos apresenta?

     6-    Qual tema pode ser associado a partir da leitura da legenda e do título?

     7-    Sobre qual período este mapa trata?

 

     Após o levantamento de hipóteses o professor distribui informações que contribuam para maior entendimento a cerca do tema. Pode ser realizada uma exposição, rápida, de argumentos tomando como base o texto do primeiro capítulo de Leila L. Hernandez.

     Ao final das discussões peça que cada grupo elabore um pequeno resumo escrito em tópicos e apresente os elementos que discutiram sintetizados sobre os mapas, peça que este resumo estabeleça conexão entre os diversos mapas e indique os pontos trabalhados durante a aula e o que eles entenderam sobre ambos.

    

     Segunda parte

     Literatura sobre a África

     (Desenvolver esta segunda parte da atividade em pelo menos cinco aulas, ou seja, duas aulas para cada texto e uma para o debate e formulação de texto)

     Conto

     Todas as leituras devem ser realizadas pelo professor. Além disto, cada aluno deve estar com o material em mãos para realizarem a leitura individualmente. E ao longo da leitura o professor formula questões como:

     1-      Conhecem o autor?

     2-      Através do título, sobre o que o texto fala?

     3-      Qual região do continente você acha que ele descreve? Por quê?

     4-      Qual época do ano ele descreve?

     5-      Você diria que este texto foi produzido ante ou durante a colonização

     6-       Qual é a alimentação que está presente na narrativa, você já comeu?

     7-      Esta história tem elementos do real, quais? (o professor deve lembrar que para criar o mito são utilizados elementos do mundo real)

     8-      Porque o elefante é usado como personagem principal nesta história, e a figura do caçador é usada como personagem secundária? (Lembrar que este texto foi escrito já no período do contato com os europeus)

     9-      Por que os elefantes deixam o caçador ir embora mesmo sabendo que ele é um caçador? (pensar nos valores humanos de dos africanos)

 

Questões sobre os trechos do livro “Coração das trevas”

     1-    Quem é o autor do livro, você o conhece?

     2-    Quem são os personagens?

     3-    Por que a palavra marfim ressoa no ar por algum tempo?

     4-    Qual paisagem (vegetação) o narrador descreve, por que ele se sente pequeno?

     5-    O que é o “coração das trevas”, e porque este nome, onde fica?

     6-    O que é o besouro fuliginoso?

     7-    Por que o autor dizia que os negros eram pré-históricos? Suas palavras demonstravam que ele conhecia o lugar e as pessoas que descrevia? Por quê?

     8-    Você sabe por que os europeus queriam o marfim e no que utilizavam? Peça que os alunos formem pequenos grupos novamente, após as atividades. Peça que redijam os elementos para defesa e exposição dos argumentos em um texto. Organiza-se um debate em torno do tema das aulas, distribua a seguintes questões a cada grupo, e peça que se baseiem nas aulas, nos mapas e textos os quais devem estar à disposição do aluno durante esta segunda da atividade. Para isto, será necessário recorrer às informações extras também (mostrar mapa que indicam as climáticas e de vegetação africana).

 

Distribua as questões, uma para cada grupo:

  • Grupo 1

     Você acha que o deserto do Saara impediu que houvesse comunicação entre as diversas regiões no interior da África e mesmo com os demais lugares do continente, no período anterior a chegada dos europeus?

  • Grupo 2

     Qual a ligação existente entre os reinos africanos e as rotas de comércio no interior da África antes da chegada dos europeus, esta relação tomou novo significado quando houve o contato com estes povos?

  • Grupo 3

     Como era o olhar europeu em relação à África, e o seu olhar como era antes destas aulas? E agora como você percebe o continente, aponte os elementos.

  • Grupo 4

     Qual o argumento foi utilizado para que os colonizadores estivessem em África e tomassem à força, inclusive das armas, os territórios africanos. Houve resistência africana a esta situação?

  • Grupo 5

     Os africanos estabeleceram variados costumes em sua cultura, você teve acesso a uma forma deste costume – o de transmitir a história de seu povo através da fala, o que você acha disto, a África pode fazer História, esta é igual a que como nós ocidentais conhecemos? Cite exemplos de outras formas de construir história que sejam semelhantes a nossa forma de contar a História.

     Encerre a aula retomando os elementos trabalhados, situe o tema no contexto histórico, e deixe clara a importância da história para realizar uma leitura aprofundada da realidade, a qual pode estar num mapa, num texto literário ou em qualquer outro lugar, uma vez que “Tudo é História”.

 

Orientações para o professor

  1.  Mapas

     O ideal é que ao apresentar o mapa não sejam mostrados, num primeiro momento, os títulos gerais, como o de África colonial, por exemplo. Para que o aluno possa perceber através da própria imagem qual conteúdo está sendo trabalhado e os elementos que a constituem, no caso de mapas políticos o aluno já deve ter tido contato como o do Brasil, por exemplo, e associará por conta das semelhanças. Mesmo que a associação não ocorra, depois das especulações deles mostre os títulos.

     Ao analisar os mapas, em si, os questionamentos devem fazer com que o aluno perceba todos os elementos necessários para realizar a leitura destes. É importante deixar isto claro para eles.

  1.  Literatura

     É interessante que o aluno perceba a importância do conhecimento histórico para realização deste tipo de leitura, através destes questionamentos. Por isto torna-se necessário apontar diferenciações e aproximações entre mito e História e entre esta e Literatura, neste caso, pode ser usado os mesmos textos numa aula posterior, dotando de mais sentido ainda para o aluno as atividades desempenhadas.

     Os textos devem ser apresentados na sequência dos mapas para que os alunos tenham informações extras a fim de que a leitura dos textos literários se torne mais significativa já que diversos elementos sobre áfrica já estarão à disposição em seus conhecimentos prévios, auxiliando como ferramenta de análise.

     Além disto, é necessário trazer informações sobre o autor e sua obra. Outros materiais de apoio devem ser acrescentados.

     A leitura coletiva estimula o aluno a ouvir e se concentrar, principalmente os do ensino fundamental que pela idade tendem a ser mais agitados. O professor pode explorar aspectos do texto com questões mais especificas, realizando uma primeira leitura mesclada com perguntas, e uma posterior leitura completa após as atividades, finalizando mentalmente para o aluno todo o conteúdo apresentado no texto e elucidando as novas informações apresentadas.

     Para “acionar” nos alunos os conhecimentos prévios é importante mencionar elementos que formem o conjunto deste conhecimento ao longo da leitura, ou seja, é interessante ir apontado pistas sobre a leitura, estabelecer relações com as aulas anteriores sobre os mapas, falar sobre pontos que o autor aponta os elementos característicos de sua época, etc.

 

3. Comentário sobre os documentos (mapas e textos literários)

     As questões devem instigar os alunos a pensar no que já conhecem de África e a uma avaliação sobre os aspectos que consideraram na hora de sua reflexão, estes foram positivos ou negativos, o intuito é também de perceber se estão reproduzindo o olhar negativista em torno do tema tratado, e possibilitar que percebam os conflitos em torno do imaginário criado sobre o país.

    Além disto, elas devem proporcionar um confronto do olhar “velho” com o “novo” de maneira que o aluno possa perceber os conteúdos históricos que foram acrescentados com as aulas. Sendo por isto necessário sempre retomar algumas questões inicialmente postas a eles.

     A discussão sobre o dinamismo cultural no continente africano através de mapas e textos literários possibilita desconstruir não só o olhar negativo em torno da uma suposta não existência de uma história da África antes da chegada dos europeus, como também constrói no imaginário do aluno a idéia de que ela existia e era muito dinâmica e múltipla em sua diversidade.

     Para maiores informações sobre os mapas consultar livro de Leila Hernandez, principalmente o primeiro capítulo no qual ela indica a existência das rotas de comércio e aponta como se deu este tráfego e sua dinâmica pelo interior africano.

     Sobre os textos literários no próprio livro de Conrad, por exemplo, há um posfácio escrito por Luis Felipe de Alencastro, o qual fala sobre o autor e a obra. E o mesmo para o Livro de Pinguilly.

     Enfim, estas questões são apenas exemplos para realização da sequência elas podem ser modificadas ou acrescentadas de acordo com o que forem sendo trabalhado nos textos sobre este tema, na verdade, elas devem servir como norteadoras e instigadoras da curiosidade e participação dos alunos. Esta sequência didática deve ser desenvolvida no mínimo em sete aulas e com alunos das últimas séries do ensino fundamental e ensino médio.

 

Bibliografia

CONRAD, Joseph. Coração das trevas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

GUIA TEMÁTICO PARA PROFESSORES. Formas de Humanidades: África: culturas e sociedade. São Paulo: USP, 1999.

HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 2 ed. rev. São Paulo: Selo Negro, 2008.

PINGUILLY, Yves. Contos e lendas da África. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SERRANO, Carlos. Memórias d’África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007.

 

 

Anexos

iamara

 

 

Mapa 1 (Fonte: Guia temático para professores do MAE – Museu de arqueologia e etnologia)

iamara2

 

 

Mapa 3(Fonte: Guia temático para professores do MAE – Museu de arqueologia e etnologia)

 

iamara3

 

mapa 2.1(fonte: HERNANDEZ, 2008, p.36)

 

 

iamara4

 

mapa 2.2 (fonte: HERNANDEZ, 2008, p. 43 )

 

iamara5

 

mapa 2.3 (fonte: HERNANDEZ, 2008, p. 41 )

 

História africana

“Elefante antes, elefante outra vez”

     Os elefantes são como as árvores e como todo mundo. Quando faz muito calor, eles só pensam numa coisa: ir tomar banho de rio.

     Naquela estação, o sol estava tão quente que cozinhava todas as panelas do Céu e da Terra. Alguns elefantes gordos, grandes e cinzentos, com trombas corrompidas e traseiro pequeno, resolveram ir se refrescar. Para melhor tomarem banho no rio, despiram sua pele de elefante e tornaram-se homens e mulheres.

     Enquanto nadavam em cima d’água e debaixo d’água, deixando-se afagar pela caricia fresca da correnteza, apareceu um caçador. Ele acabava de encher sua cabaça. Imediatamente, com seus olhos aguçados de caçador,viu à beira-rio as peles dos elefantes deixadas no chão à sombra de uma macambeira.* Notou uma pele mais jovem,mais fina e mais suave do que as outras. Apoderou-se dela, depois ficou observando os banhistas se divertindo na água. Após um tempo avistou uma bonita moça, uma moça linda! A pele dela era tão luzidia quanto uma folha fresca de bananeira. Logo adivinhou que a pele mais jovem, mais fina, mais suave pertencia a ela. Escondeu a pele atrás de um espinheiro e, em seguida, foi ele mesmo se esconder ali.

     Esperou sem se mexer mais que um tronco de árvore adormecido.

     Os banhistas finalmente saíram da água. Vestiram suas peles e voltaram a ser elefantes gordos, grandes e cinzentos. A linda moça procurou em vão a dela. Quando entendeu que não encontraria mais sua pele, que a sombra da macambeira certamente a tinha engolido, chorou tanto que o caçador, que a espiava, acreditou que a fonte das lágrimas da moça tinha destrambelhado.

     Os elefantes foram embora despreocupados, para encher a pança numa grande plantação de milhete branco.

     O caçador saiu do esconderijo e se aproximou.

     – Como é seu nome?

     Ela respondeu, continuou a chorar.

     – Vamos, enxugue as suas lágrimas, não pode acontecer nada de ruim a quem não tem nome.

     Como ela continuava sem dizer nada e chorava sem parar, o caçador prosseguiu:

     – Se não consegue parar de chorar, pelo menos diga por quê.

     – Perdi...

     – O quê?

     – Perdi... Estou perdida!

     – Linda moça, você não se perdeu, eu estou aqui! Chega de chorar, venha comigo. Venha à minha casa.

     Ela o seguiu.

     De noite, depois de comerem o bolinho de milhete * com olho, ele afagou-lhe o rosto, o abdome, as pernas. Disse-lhe:   

     – Você é delicada como sorgo* doce. Vou construir uma linda casa para você e amanhã você será minha mulher.

     Dito e feito. No dia seguinte, a linda moça tornou-se mulher do caçador e, na noite desse dia seguinte, juntos na casa nova, eles lutaram de mãos desarmadas e... ele ganhou.

     Logo tiveram um, dois, três, quatro filhos.

     Todos os dias o caçador entrava na selva, na esperança de matar um antílope ou um leão. Antes de sair, pegava numa das suas tulhas a ração d milhete necessária, que dava para sua mulher moer ao pilão para o jantar.

     Certa manhã, quando as crianças já tinham crescido, ele saiu, esquecendo-se de dar o milhete. O filho mais velho, enviado pela mãe, foi a tulha buscá-lo. Subiu na escada, enfiou a mão para pegar um primeiro punhado de grãos. Mas a provisão estava no fim e a mão do garoto tocou no fundo. Arriscou uma olhada para ver o que era aquilo que sua mão tocava, e qual não foi a surpresa! Descobriu uma pele jovem, de elefante!

     Sim, estava na tulha, fazia muito tempo que o caçador havia escondido a pele que ele havia encontrado na beira do rio. A pele de sua mulher!

     Quando o garoto voltou para casa sem um único grão de milhete, mas com uma bela pele de elefante, que ele estendeu aos pés da mãe, ela logo reconheceu sua pele e deu pulos de alegria. Sem esperar, vestiu-a e voltou a ser imediatamente uma elefanta.

     Pôs-se a soltar barridos tão fortes que todas as casas da aldeia estremeceram. Com a tromba, acariciou os filhos e foi-se embora trotando, mais feliz que uma árvore morta transformada em cavalo! Não demorou muito para encontrar seu bando e contar a todos a história.

     Dois dias depois os elefantes pegaram o caçador, que lhes preparava uma armadilha. disseram alguns que deviam matá-lo logo, outros gritaram que deviam levá-lo ao rio e afogá-lo. Depois de ouvirem a irmã elefanta que havia voltado para junto deles contar que havia amado o marido, o velho chefe declarou:

     – Caçador, você tinha nos roubado nossa filha, nossa irmã, e feito dela sua mulher. Isso nós nunca vamos perdoar. Mas como ela foi sua única preferida e como você lhe deu as bênçãos do casamento com uma vara de goiabeira selvagem, pode ir embora.

     O caçador foi embora, um pouco triste, mas feliz por continuar vivo.

     Depois que essa história aconteceu, os quatro filhos do caçador escolheram o elefante como totem. É a imagem de um elefante que está desenhada na casa deles. Eles podem comer crocodilo, galinha-d’angola selvagem e até tanajura, mas elefante nunca!

 

“Pequeno abecedário africano para ler melhor os contos”

  • Bolinho de milhete: um bolinho redondo feito de pirão de milhete (um cereal parecido com o milho). No Chade, faz-se um buraco para pôr o molho. Daí a expressão popular “comer o bolino e o molho”, que significa “aproveitar tudo”.
  • Macambeira: palmeira de folhas em leque, cujos frutos são comestíveis.
  • Milhete: cereal da família das gramíneas, cultivado na África por seus grãos parecidos o do milho, mas bem miúdos, muito usados na alimentação.
  • Sorgo: planta parecida com o milho, cultivada nas savanas. Há o sorgo branco, o sorgo vermelho e o sorgo selvagem.
  • Tulha: na África negra, a tulha, que é o depósito onde se guardam as colheitas, é uma construção sobre pilares finos, cilíndrica, de barro ou caules vegetais trançados, com teto de palha.

(Fonte: PINGUILLY, Yves. Contos e lendas da África. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. p 139-148.)

iamara6

(O conto “elefante antes, elefante outra vez” foi retirado do país chamado Chade, o povo que conta esta história é o Saras)

 

 

iamara7

 

 

iamara8

 

iamara9

 

Imagens de apoio

 

iamara10 iamara11 iamara12

 

 

IMAGEM DO MAPA DE COMÉRCIO DE MARFIM

iamara13

(Fonte: SERRANO, Carlos. Memórias d’África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. p. 205) iamara14

AnexoTamanho
TRABALHO FINAL _Sequência didática.pdf5.25 MB