História de São Paulo: Av. Celso Garcia

Fundamentação

Breve histórico da Avenida Celso Garcia

Para grande parte dos moradores da região da Zona Leste de São Paulo, quando pensam em ir para a região central da cidade, Parque Dom Pedro, ou até mesmo para o Brás, se não pensam em ir de metrô, vão de ônibus, e grande parte desses ônibus, passam pela chamada Avenida Celso Garcia. Muitas das pessoas que passam por essa avenida diariamente acabam não notando sua situação e nem mesmo sabem a história que envolve tal avenida, história essa que perpassa também pela história da cidade de São Paulo.

 

Pode-se dizer que a história dessa avenida começa ainda no Brasil Colônia, com as romarias que seguiam para capela da Penha, que foi fundada em 1667 (século XVII), tendo tal avenida se chamado anteriormente de Estrada da Penha e Caminho do José do Brás.

 

No início do século XX a Avenida Celso Garcia começa a ganhar grande número de comércio, cinemas, presença de fábricas, ruas com feições de vilas e casarões, apresentando arquitetura com características colonial, tudo isso sendo movimentado por migrantes e imigrantes que se instalaram na região, todas essas pessoas que ali se instalavam davam vida e dinamicidade ao local.

 

Temos então, uma avenida que era caracterizada não apenas como uma via de acesso entre dois pontos diferentes da cidade, como também um local de vivências diversas. Por volta da década de 60, começa haver uma segregação da população de classe média dessa região, que acabam migrando em sua maioria para a região sudoeste da cidade, assim como a mudança de indústrias para outras regiões, o que acaba por afetar econômica e socialmente a região, que sofre ao longo do tempo um esvaziamento, comercial e habitacional, chegando até ao abandono de alguns pontos da avenida, onde podemos observar na atualidade tal avenida como um mero trecho de ligação entre bairro-centro / centro-bairro, que enfrenta uma série de problemas que merecem uma reflexão maior e tomada de ações urbanas mais efetivas por parte tanto da população como do governo.

 

Pensando, nas transformações que ocorreram na Avenida Celso Garcia, com o passar do tempo, trabalhando em duplas, escolham 3 imagens coladas neste material e descrevam o que se vê da avenida, quanto ao prédios, movimentação (meios de transporte e pessoas), limpeza urbana, etc. Após feito este trabalho apresentem aos colegas suas observações e o que acham da situações observadas, levando em consideração a história da avenida.

Atividades propostas

Orientações ao Professor

A atividade aqui proposta visa uma interação entre professor e alunos, onde o aluno não deve receber apenas informações sobre a história da avenida como também participar da visibilidade das transformações que ocorreram na avenida, assim como a refletir sobre a situação atual da avenida. Com essa atividade o professor pode trabalhar com os alunos noções de patrimônio e temporalidade, além disso, se houver um interesse maior, o professor pode inclusive trabalhar junto a outros professores, de matérias diversas, uma proposta de interdisciplinaridade, uma vez que a avenida apresenta além da sua desvalorização, desvalorização essa tanto econômica quanto social, com o passar do tempo ela não deixa de ser uma avenida que apresenta diversidade (concentra templos religiosos, cortiços, prédios abandonados, imóveis de classe média na região do Tatuapé, projeto de revitalização e até mesmo projetos que tratam da própria via como eixo de ligação entre o centro da cidade e o bairro), assim dando possibilidade a serem trabalhados diversos temas.

 

É importante nessa atividade que o professor esclareça aos alunos, que a história da avenida não está atrelada, diretamente, ao seu nome Celso Garcia, que ali se passa uma história distinta, ou seja, o lugar não tem necessariamente um nome ligado a alguém que habitou o lugar.

 

Algumas informações que podem ajudar como referências para o professor estão nos sites listados abaixo, que servem mais como fontes (depoimentos, reportagens de jornais de bairro, discussões sobre projetos para a avenida, etc.), que podem auxiliar o professor na montagem de sua aula, assim como para estender o tema junto aos alunos.

 

 

Documentos sugeridos

 

Foto 1 - Avenida em 1976

Foto 1 - Avenida em 1976

 

Foto 2 - Avenida em 2009

Foto 2 - Avenida em 2009

 

Foto 3 - Bonde na Av. Celso Garcia em 1916

Bonde na Av. Celso Garcia em 1916

 

Foto 4 – Av. Celso Garcia: caminho para a Penha 1904

Foto 4 – Av. Celso Garcia: caminho para a Penha 1904

 

Foto 5 - Av. Celso Garcia em 2000

Foto 5 - Av. Celso Garcia em 2000

 

Foto 6 - Avenida Celso Garcia em 2003

Foto 6 - Avenida Celso Garcia em 2003

 

 

Foto 7 - Av. Celso Garcia 2009

Foto 7 - Av. Celso Garcia 2009

 

Foto 8 - Av. Celso Garcia 2009

Foto 8 - Av. Celso Garcia 2009

 

Foto 9 – Prédio da antiga fábrica Cotonifício Paulista (2009)

Foto 9 – Prédio da antiga fábrica Cotonifício Paulista (2009)

 

Foto 10 – Casarão abandonado (2009)

Foto 10 – Casarão abandonado (2009)

 

Bibliografia

  • BONTEMPI, Silvio. “O bairro de São Miguel Paulista: a aldeia de São Miguel de Ururaí na história de São Paulo”. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1970.
  • PONCIANO, Levino. “Bairros paulistanos de A a Z”. 2ª. ed. rev. São Paulo: SENAC, 2002.
  • TORRES, Maria Celestina Teixeira Mendes. “O bairro do Brás”. 2ª ed. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1985.

Outras Referências

Fotos:

Jornais:

  • Diário de São Paulo
  • O Estado de São Paulo
  • Folha de São Paulo