Simón Bolívar e a figura do herói

Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Departamento de História

Disciplina: Ensino de História: Teoria e Prática
Profa. Dra. Antonia Terra Calazans Fernandes
Aluna: Fernanda Brandão de Lara – NºUSP 6839413

 

Sequência Didática

 

Título: Simón Bolívar e a figura do herói.

 

Tema: A construção e desconstrução da figura do herói ao longo da História, descrição passada e contemporânea. O imaginário popular e a propaganda política através de ícones.

 

Público Alvo: O assunto, que é específico, mas se encontra inserido dentro de um mais abrangente, o da Independência da América, deve ser tratado preferencialmente com os alunos que já tiverem noções desses processos de emancipação, a partir especialmente do 7º ano do ensino fundamental ao ensino médio.

 

Objetivos: o tema propõe uma reflexão acerca da imagem de um indivíduo que, em dado momento histórico, foi importante e como essa imagem pode ser construída pelo imaginário popular, pela propaganda e da mesma forma distorcida de acordo com interesses políticos da época ou mesmo por questões de revisionismo histórico.

 

Atividades: a sequência faria parte de uma aula dentro do tema da Independência da América, mas podendo também ser utilizada em outros contextos de discussão que considerassem essa questão da figura do herói. O conteúdo selecionado abrange possivelmente apenas uma aula (50-60 min), que parece suficiente para a discussão do tema. Apresenta-se também uma pequena sugestão bibliográfica para auxiliar na produção de mais aulas sobre História da América.

O mais importante nessa aula é que os alunos possam ler os trechos sugeridos e, com a ajuda do professor, conseguir levantar questões sobre eles, achar suas semelhanças, diferenças e mesmo contradições. É importante que o aluno consiga distinguir (se não for o caso, que o professor os lembre) que os pensamentos do próprio personagem tratado em questão, Simón Bolívar, e suas variantes ao longo dos anos (de acordo com o recorte escolhido) e o que outras pessoas falam sobre Bolívar, como interpretam seus atos e imaginam sua personalidade.

 

Atividades sugeridas:

- O professor pode mostrar imagens do personagem afim de que, no caso de nunca tê-lo visto, os alunos tentem dizer o que sua figura sugere, em um olhar de primeiro momento. Para a análise da imagem, pode-se ajudar os alunos com as seguintes perguntas:

- Que tipo de homem a imagem parece representar?
- O que o semblante de Simón Bolívar retratado na imagem parece tentar passar a quem observa a tela?
- O pintor, ao retratá-lo, usa elementos para indicar algo sobre a personalidade de Bolívar? Quais poderiam ser esses elementos?

 

Imagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assim como as imagens de exemplo, a grande maioria dos retratos de Simón Bolívar tem o semblante decidido, forte, valente - as vestes são sempre do exército e também por isso com destaque de cor vermelha, que realça a impressão de força que a figura passa. O Bolívar representado nas telas é sempre austero, um guerreiro. Ele é o libertador, o grande general, então sempre a indumentária militar e alguma arma de guerra, como a espada, vão aparecer junto com ele, o cavalo também é considerado o grande elemento que acompanha a figura do herói quando retratado em uma tela, enfim, vários elementos dessa construção de imagem podem ser abordados; o professor deve se atentar a esses detalhes e explicar aos alunos os significados, se eles não conseguirem chegar a conclusões ou idéias desse intuitivamente.

 

Imagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dados importantes sobre Bolívar na lutas pela Independência:

- Bolívar foi um dos fundadores da primeira união de nações independentes na América Latina, a chamada Grã – Colômbia (Colômbia, Equador e Venezuela), da qual foi Presidente de 1819 a 1830.

- Simón Bolívar lutou nas lutas de emancipação da Bolívia, da Colômbia, do Equador, do Panamá, do Peru e da Venezuela, e ajudou a lançar bases ideológicas democráticas na maioria da América Hispânica.

- A Junta de Caracas declarou a independência em 1810, mas em Julho de 1812, o líder da Junta, Francisco de Miranda, não conseguiu manter a resistência e acabou se rendendo às forças espanholas e Bolívar precisou fugir.

- Em 1813, Bolívar liderou a invasão da Venezuela, sendo proclamado El Libertador ("libertador"). Caracas foi reconquistada, sendo proclamada a Segunda República Venezuelana. Bolívar tornou-se comandante das forças nacionalistas da Colômbia, capturando Bogotá em 1814. Entretanto, após alguns revezes militares, Bolívar foi obrigado a fugir, em 1815, para a Jamaica onde pediu ajuda ao líder Haitiano Alexander Sabes Petión. Em 1816, concedida essa ajuda, Bolívar regressou ao combate, desembarcando na Venezuela, que conseguiu reconquistar.                                                                                                         

 

Pelos seus feitos como libertador Bolívar tornou-se a figura ícone da Independência na América Hispânica, posteriormente sendo homenageado até com o nome de uma dessas nações independentes: a Bolívia. Sua estratégia para as lutas de independência foi guiada pelo militarismo e acabou não adotando uma política antiescravista, porque precisava da ajuda da elite (que era escravocrata) para a luta da Independência. No que diz respeito a política pós-independência, Bolívar acreditava que só a união da América poderia ajudar a desenvolver as recém emancipadas repúblicas, era a idealização de uma Liga Americana.

 

Atividade: Leitura comparada

 

O Herói, o Apogeu e a Queda.

Simón Bolívar, como todo personagem considerado herói, é lembrado pelos seus ideais de força, superação, garra; suas conquistas, etc. Bolívar, que escreveu infinitas cartas, sendo isso até um traço marcante de sua personalidade, deixa transparecer nesses documentos todos os seus pensamentos. Mas que parte da história do herói tomamos conhecimento? Suas lembranças de glória e entusiasmo ou seus momentos de fracasso? O herói só tem conquistas? É sempre confiante? Qual é a perspectiva que ele tem de si mesmo e os outros tem dele? Para trabalhar nos alunos essa ampliação de perspectiva, sugerem-se diferentes leituras da vida de Bolívar.

 

Sugestão de leituras:

Como se trata de um documento relativamente curto pode ser lido e discutido em sala de aula. Pode-se também usar um recorte, como o feito abaixo, dos trechos da carta que exprimem suas idéias principais quando fala da luta pela independência:

 

“Carta da Jamaica”  

Kingston, 6 de setembro de 1815.

“(...) O sucesso coroará nossos esforços porque o destino da América se fixou de maneira irrevogável; o laço que a unia à Espanha está cortado: a opinião era toda a sua força, por ela estreitavam-se mutuamente as partes daquela imensa monarquia; o que antes as enlaçava, hoje as divide; maior é o ódio que nos inspirou a península do que o mar que nos separa dela; menos difícil é unir os dois continentes do que reconciliar os espíritos de ambos. O hábito à obediência, um comércio de interesses, de luzes, de religião, uma recíproca benevolência, uma terna atenção pelo berço e pela glória de nosso país, enfim, tudo o que formava nossa esperança, nos vinha de Espanha. Daqui nascia um princípio de adesão que parecia eterno apesar de a conduta de nossos dominadores afrouxar esta simpatia ou, melhor dizendo, este apego forçado pelo império da dominação. Presentemente ocorre o contrário: a morte, a desonra, tudo quanto é nocivo nos ameaça e tememos, tudo sofremos dessa desnaturada madrasta. O véu foi rasgado, já vimos a luz, e querem nos devolver às trevas; romperam-se os grilhões, já fomos livres, e nossos inimigos pretendem novamente escravizar-nos. Por isso, a América combate desesperadamente, e raras vezes o desespero não acarreta vitória ““.

“(...) Tão negativo era nosso estado que não encontro semelhante em nenhuma outra associação civilizada, por mais que percorra a série das idades e as políticas de todas as nações. Pretender que uma região constituída de modo tão feliz, extensa, rica e populosa seja meramente passiva, não é um ultraje e uma violação dos direitos da humanidade?          Estávamos, como acabo de expor, isolados, e, digamos assim, ausentes do universo no que diz respeito à ciência do governo e à administração do Estado. Jamais éramos vice-reis, nem governadores, a não ser muito excepcionalmente; arcebispos e bispos, poucas vezes; diplomatas, nunca; militares, apenas na qualidade de subalternos; nobres, sem privilégios

___________________________________________________

   1    Bolívar, Simón. Obras completas. Vol 1, p. 159-74.

 

 

reais; não éramos, finalmente, nem magistrados, nem financistas e quase que nem ainda comerciantes; tudo em contravenção direta de nossas instituições.                                  

Quando as águias francesas respeitaram apenas os muros da cidade de Cádiz e, com seu vôo, levaram de roldão os frágeis governos da península, aí então nos vimos na orfandade. Antes já havíamos sido entregues à mercê de um usurpador estrangeiro; depois, lisonjeados com a justiça que nos era devida e com esperanças atraentes, sempre burladas; por último, incertos sobre nosso destino e futuro e ameaçados pela anarquia, por ausência de um governo legítimo, justo e liberal, precipitamo-nos no caos da revolução. No primeiro momento cuidou-se apenas de estabelecer a segurança interior contra os inimigos que se encontravam entre nós. A seguir providenciou-se a segurança exterior; erigiram-se as autoridades que substituíssem as que acabávamos de depor e se encarregassem de dirigir a nossa revolução e de aproveitar a conjuntura feliz em que fosse possível estabelecer um governo constitucional, digno do presente século e adequado à nossa situação.                                                                    

Todos os novos governos registraram entre suas primeiras medidas o estabelecimento de juntas populares. Estas elaboraram em seguida regulamentos para a convocação de congressos que produziram alterações importantes. A Venezuela erigiu um governo democrático e federal, declarando previamente os direitos do homem, mantendo o equilíbrio dos poderes e estatuindo leis gerais em favor da liberdade civil, de imprensa e outras; finalmente, constituiu-se um governo independente.                                                                    

A Nova Granada seguiu uniformemente os procedimentos políticos e todas as reformas que fez a Venezuela, estabelecendo como base fundamental de sua Constituição o sistema federal mais radical que jamais existiu; recentemente aperfeiçoou-se no tocante ao poder executivo geral, que obteve todas as atribuições que lhe correspondem.     

                                                   
“(...) Quando as vitórias não estão garantidas, quando o Estado é fraco e quando os empreendimentos são remotos, todos os homens vacilam, as opiniões dividem-se, as paixões as agitam e os inimigos as incentivam para triunfar por este fácil meio. Tão logo sejamos fortes, sob os auspícios de uma nação liberal que nos empreste sua proteção, se nos verá concordes em cultivar as virtudes e os talentos que conduzem à glória; então, seguiremos a marcha majestosa em direção às grandes prosperidades para as quais a América meridional está destinada; então, as ciências e as artes que nasceram no Oriente e que ilustraram a Europa dirigir-se-ão à Colômbia livre, que as acolherá em seu regaço”.

Nesse documento, através desses trechos escolhidos ou não sua íntegra, pode-se perceber as idéias políticas de Bolívar, quais são suas perspectivas para América Hispânica, as possíveis e as utópicas. O professor pode utiliza-lo para fazer uma leitura atenta com os alunos de forma que estes identifiquem essas principais idéias e mesmo consigam perceber o ‘estado de espírito’, o ânimo, daquele que escreve, para depois comparar com outro escrito de Bolívar posterior (na íntegra), que segue abaixo:

 

Carta ao general Juan José Flores 

Barraquilla, 9 de novembro de 1830.

A S. Ex.ª o General Juan José Flores

Meu querido General:

V. Ex.ª sabe que governei durante vinte anos e deles tirei apenas pouco resultados certos: 1º) a América é ingovernável para nós; 2º) aquele que serve a uma revolução ara no mar; 3.º) a única coisa que se pode fazer na América é emigrar; 4.º) este país cairá infalivelmente em mãos da multidão desenfreada, para depois passar a pequenos tiranos quase imperceptíveis, de todas as cores e raças; 5.º) devorados por todos os crimes e extintos pela ferocidade, os europeus  não se dignarão a nos conquistar; 6.º) se fosse possível que uma parte do mundo voltasse ao caos primitivo, este seria o último período da América.  

               
A primeira revolução francesa degolou as Antilhas e a segunda causará o mesmo efeito neste vasto continente. A súbita reação da ideologia exagerada vai nos encher de tantos males quanto nos faltavam, ou melhor, os vão completar. V. Ex.ª verá que todo o mundo vai se entregar à torrente da demagogia, e desgraçados dos povos! E desgraçados dos governos! [...]

 

Podemos perceber, através dessa segunda carta, a grande mudança de idéias de Bolívar, seus ideais a perseverança com que lutou pela independência das republicas hispano-americanas dá lugar ao tom derrotista, desgostoso, de quem desistiu da luta a ponto de não ver mais sentido nela.

____________________________________________________________________

   2          Reproduzido de Bolívar, Simón. Obras completas. Vol III p. 501-2.

 

 

É esse tipo de escrito que lemos de ‘heróis’? Através dessas reflexões o professor pode ajudar os alunos a tentar montar a personalidade do herói.

- Como age o herói?

- Como ele pensa?

- O que alguém precisa fazer pra ser considerado um?

- Simón Bolívar parece um herói? O que inspira essa idéia: seus feitos ou seus escritos?

- O fato de o herói às vezes falhar (ou achar que falhou) torna ele menos digno de ser reconhecido como tal?

- O que um ícone pode fazer para perder a admiração dos outros?

 

Essa seqüência didática toca em um assunto bem complexo, que é mesmo o da idolatria, mas, apesar de isso ser abordado, não se pretende fazer nenhuma super explicação desse fenômeno tão profundo e caçar suas verdadeiras causas e efeitos, seria necessário muito mais espaço e tempo. O que se pretende é tentar levantar questionamentos acerca de figuras que passam a ser admiradas a ponto de virarem mito e entender um pouco dessa questão racionalizando os porquês. É curioso mencionar que essa admiração pode ser exemplificada até mesmo por Bolívar, que tinha muitas pessoas a quem admirava pelo seu poder político, mas quem mais lhe chamava atenção era Napoleão Bonaparte, do qual, enquanto esteve na Europa, Bolívar viu todas as coroações e procurava estar sempre perto, tamanha admiração da figura do imperador da França. Os ídolos também têm ídolos.

Como já foi anteriormente dito, Simón Bolívar escreveu infinitas cartas, e se elas são úteis para entender um pouco mais do personagem, não pode ser deixada de lado também a obra de Gabriel Garcia Márquez: O general em seu labirinto. Apesar de ser uma obra fictícia e romanceada sobre a vida de Bolívar, o autor recorre a muitos fatos verídicos e mesmo sua descrição pessoal do personagem é baseada no conhecimento dos escritos de Bolívar. O que Garcia Márquez faz, com todo o primor que lhe é peculiar, é resgatar esse sentimento de forma mais forte e trazendo pra narrativa em terceira pessoa, o que dá outro horizonte à narrativa da vida de alguém. Nesta obra, Garcia Márquez apresenta o fim da vida de Bolívar, todo seu desgosto, sua doença, seu conhecimento político, mas dentro de uma perspectiva já resignada, que, contudo, que ainda guarda ternura e preocupação pela América e seu povo - que ora tem Bolívar como um fracassado ou tirano, ora o vê como grande libertador e revolucionário, reconhecendo sua importância passada, mas não no cenário político contemporâneo. Mostra, enfim, o herói, mas não no seu momento de apogeu e de glória, e sim na sua triste decadência.

O livro é interessante de ser usado em classe também porque é uma forma de mudar o tipo de material utilizado, fazer uso da própria facilidade que uma obra literária acaba trazendo e, para quem aprecia a leitura, torna-se até mais prazeroso estudar a partir dela – embora seja sempre importante frisar seu caráter fictício. Segue abaixo um trecho da obra que exemplifica bem seu estilo e propósito:

 

“Era o fim. O general Simón José Antonio de la Santíssima Trinidad Bolívar y Palácios ia embora para sempre. Tinha arrebatado ao domínio espanhol um império cinco vezes mais vasto que as Europas, tinha comandado vinte anos de guerras para mantê-lo livre e unido, e o tinha governado com pulso firme até a semana anterior, mas na hora da partida não levava sequer o consolo de acreditarem nele”.

 

Na época de suas conquistas Bolívar era reconhecido pelos seus feitos, no seu governo acabou por descontentar alguns e foi criticado, julgado e até esquecido e tido como ruim. Hoje o que lembramos é dele como ídolo. Isso mostra que ao longo do tempo uma mesma figura pode ser vista de várias formas, só provando o quanto a história é dinâmica: ela é passado, mas o passado também muda, porque o analisamos sempre com perspectivas diferentes, que são peculiares do presente que vivemos. Esse é um assunto também interessante de ser abordado pelo professor durante a aula, e que pode ajudar e guiar os alunos à própria Metodologia da História, uma vez que saber História não é decorar acontecimentos e fatos, mas pensar sobre eles, pensar sobre como pensaram eles, etc.

 

Atividade: Análise de artigos jornalísticos.

Segue abaixo exemplo de notícias que exemplificam bem como um herói nacional pode ser apropriado por um político ou governo, fazendo uso desse para se promover ou promover sua ideologia. O caso óbvio de ser usado aqui é o do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, reconhecidamente fanático e exagerado pelo uso que faz da figura de Bolívar. O material oferece muitos elementos de discussão sobre o tema aqui tratado da figura do herói (e as proporções a que isso pode ser levado!) - e pode ampliar pra outras discussões políticas antigas e atuais, fanatismo, mitos históricos, etc.

_________________________________________________________________________________________________________________

17/07/2010

Hugo Chávez manda exumar corpo do revolucionário Simón Bolívar

Presidente contraria livros e desconfia que Bolívar foi assassinado.

Ex-militar participou da independência de vários países sul-americanos.

Do G1, com informações do Jornal da Globo.

 

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, mandou exumar os restos mortais do líder revolucionário Simón Bolívar para constatar se a causa da morte apontada pelos livros de História é verdadeira.

 

Imagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chávez escreveu na internet que acompanhou pessoalmente o trabalho de exumação durante a madrugada desta sexta-feira (16). Simón Bolívar era um militar venezuelano, que foi responsável pela independência de vários países sul-americanos. Morreu em 1830 de tuberculose, de acordo com os livros de História.

Chávez desconfia dessa versão. Ele acredita que seu herói tenha sido vítima de uma conspiração e tenha morrido assassinado por um general colombiano. A oposição achou a iniciativa descabida e disse que o presidente deveria se preocupar com os problemas atuais do país.

Um deles envolve justamente a Colômbia, que acusou, na quinta-feira, 15, o governo de Chávez de abrigar vários líderes das Farc na Venezuela. Chávez negou as acusações e disse que o presidente Alvaro Uribe quer impedir que as relações entre os dois países voltem ao normal. Em sinal de protesto, chamou de volta a Caracas o embaixador venezuelano em Bogotá.

Hugo Chávez volta a enterrar restos mortais de Bolívar.

24 Jul 2010. Agência France Press

Imagem

[ i ] Hugo Chávez participa de ato simbólico em homenagem a Simon Bolívar. Foto: AFP

Os restos enterrados no Panteão de Caracas foram exumados na semana passada de forma inesperada pelo governo, alegando querer se certificar de que pertencem à Bolívar.

 

 

 

 

 

 

Caracas - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, voltou a fechar, este sábado, o sepulcro do Libertador Simón Bolívar, herói da independência de vários países sul-americanos no século XIX, cujos restos haviam sido exumados na semana passada para analisar as causas de sua morte.

"Bolívar dignificado pelas mãos do nosso povo e dos nossos soldados. Aqui Bolívar, sua ossada histórica, hoje vive para sempre", disse Chávez ao presidir uma cerimônia no Panteão Nacional de Caracas, por ocasião dos 227 anos de nascimento do Libertador.

O presidente abriu o caixão e, em seguida, soldados com uniforme de gala ergueram a tampa do sarcófago e retiraram de seu interior uma bandeira da Venezuela com sete estrelas, feita na Inglaterra e colocada nos anos 1970.

Em seguida, Chávez colocou sobre o caixão uma nova bandeira, bordada exclusivamente na Venezuela, com oito estrelas, como havia decretado Bolívar em 1819.
"Nós te trazemos de presente tua pátria liberta com a nova bandeira confeccionada por teu povo heróico, que te encarna e te vive e te canta, hoje, dia de teu nascimento", exclamou o presidente venezuelano diante dos restos de Bolívar, nascido em uma família da alta sociedade, de origem européia, de Caracas, em 24 de julho de 1783.

"Não será uma bandeira improvisada como a que a burguesia colocou aqui, trancada, prisioneira como estavam prisioneiros os teus restos, como estava prisioneiro o teu pensamento, lastimado", acrescentou.

Os restos enterrados no Panteão de Caracas foram exumados na semana passada de forma inesperada pelo governo, alegando querer se certificar de que pertencem à Bolívar, determinar as causas de sua morte e preservar melhor sua ossada.

Uma equipe de especialistas, venezuelanos e estrangeiros, examinou durante várias horas o esqueleto do Libertador, cujo caixão estava fechado desde 1842, retirando várias amostras para um estudo cujas conclusões ainda não foram conhecidas.

 

_________________________________________________________________________________________________________________

 

Atividade: associação de personagens e fatos.

Um outro exercício muito válido de ser feito em sala de aula é tentar discutir a associação dos personagens aos eventos históricos nos quais tiveram papel importante. A discurso historiográfico tende a dedicar mais importância a algumas pessoas do que a outras em determinado momento ou fato histórico, mas o historiador sabe que não é um único indivíduo que faz uma revolução, um novo tipo de arte, uma nova ideologia – o aluno talvez não tenha essa consciência constante. Ainda que tenha grandes idéias (ou não tão grandes, e não necessariamente boas), a criação, material ou intelectual, não findam no indivíduo em si, sendo uma combinação das percepções individuais com o ambiente social vivido, os estudos ou pensadores que serviram de inspiração, outras idéias que serviram como base, enfim, um conjunto de fatores. O professor pode trabalhar essa perspectiva com os alunos de uma maneira simples: questionando-os sobre os personagens e a história que conhecem. Por exemplo:

- Foi Adolf Hitler que criou o nazismo? Sem ele o nazismo existiria?

- O Renascimento seria reconhecido como um movimento de grande efervescência cultural e artística se Michelangelo ou Leonardo da Vinci não tivesse dado suas contribuições?

Vários exemplos nesse sentido podem ser citados, mas pode-se findar a atividade com um bem importante:

- Se Simón Bolívar não tivesse se tornado um ‘libertador’, a América Hispânica não seria independente?

O questionamento é simples e quase impossível já não perceber seus efeitos: um único indivíduo pode começar algo, contribuir com idéias e ações, mas nunca vai ser inteiramente responsável por uma mudança radical, seja ela boa ou má; ele é reflexo das aspirações do ambiente social que vive e muitos poderiam ter executado o mesmo papel de ‘protagonista’ na História. Nesse sentido, qual é a função da personificação? Pode-se concluir a aula com uma questão instigante: porque a História precisa de heróis?

 

Bibliografia auxiliar:

Anderson, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Arfuch, Leonor. El espacio biográfico. Buenos Aires: Fondo Argentina, 2002

Arrigucci Junior, Davi. “Entre a lenda e a história”, in Folhetim. Folha de S. Paulo, 7 de maio de 1995

Bolívar, Simón. Escritos políticos. Campinas: Unicamp, 1992.

Carrera Damas, German. El culto a Bolívar. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1969.

Corrêa, Anna Maria Martinez e Bellotto, Manuel Lelo. “Bolívar e a luta pela independência da América: ação e pensamento político.”, in Bolívar. Textos-Política. São Paulo, Ática, 1983.

Fredrigo, Fabiana. História e memória no epistolário de Simon Bolívar (1799-1830). Tese de doutoramento, História-Unesp/Franca, 2005.

Girardet, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

Guerra, François Xavier. Modernidad e independencias: ensayos sobre las revoluciones hispánicas.  México: Fondo de Cultura Econômica, 1993.

Lefort, Claude. Pensando o político. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

Lima, Luiz Costa. O redemoinho do horror. As margens do ocidente. São Paulo: Planeta, 2003.

Márquez, Gabriel García. O general em seu labirinto.Rio de Janeiro: Record, 1997.

Prado, Maria Ligia Coelho. “Bolívar, Bolívares”, in Folhetim. Folha de S. Paulo, 24 de julho de 1983.

Ribeiro, Renato Janine. “Fé e sacrifício”, in Bravo!, n° 80. Maio de 2004.

 

AnexoTamanho
fernada Brandão 2011 1 - Universidade de Sao Paulo - Sequencia Didatica - Fernanda Brandao de Lara.doc369 KB