Como podemos trabalhar com a nossa história de vida numa sala de aula? Algumas considerações sobre história oral, local, e fontes visuais

Giovanna Pezzuol Mazza

Nº Usp 5936441

 

“Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”

“Comigo as coisas não tem hoje e ant’ontem amanhã: é sempre”

João Guimarães Rosa

 

“Fala-se tanto de memória porque ela não existe mais”

Pierre Nora

 

“A história é uma ilha de edição”

Waly Salomão

 

Quando iniciamos numa sala de aula um curso de História, o que será que vem a mente dos alunos, num primeiro momento? Podemos pensar que essa resposta é bem diversificada, mas com certeza reflete contatos anteriores do aluno com o tema. Com certeza a história difundida pela mídia, pela televisão principalmente, pelos pais, pelos avós, pelos amigos, pela propaganda. Uma história que é, em muitos momentos, pasteurizada, homogênea, sedutora. Será que um aluno acreditaria que sua história de vida, a de seus pais, avós, a história do seu bairro, é uma história que merece ser contada?

A Ditadura Militar vista através de uma abordagem interdisciplinar: intrínseca relação entre a existência e a violência

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP


SEQUÊNCIA DIDÁTICA


A Ditadura Militar vista através de uma abordagem interdisciplinar: A intrínseca relação entre a existência e a violência.


 
Rafael Ferreira de Campos

Nº USP: 8030440


Ensino de História: Teoria e Prática
VESPERTINO

Antônia Terra  

SÃO PAULO

2014



TEMA:

Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social

+Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de História – Escola no Mundo Contemporâneo

Prof. Antônia Terra Calazans Fernandes – Vespertino

Lígia Nascimento Bicalho – Nº USP: 8980902

Sequência Didática

Tema: Discutir e problematizar a relação da escola com o aluno, levando em conta sua função social.

Ano/Série: 9º Ano do Ensino Fundamental 2.

Justificativa: A sequência didática aqui proposta parte da noção de que a maioria dos alunos que atualmente frequentam a escola não ingressou este meio por escolha própria. Levando em conta que praticamente a totalidade vai à escola desde criança por decisão dos pais, cabe discutir qual relação eles desenvolvem com o ambiente escolar.

Já maiores e com uma maior consciência de si mesmos perante a sociedade, o aluno de 9º ano encontra-se inserido em uma rotina desde muito novo, que para ele naturaliza-se. É importante no curso questionar tal naturalização, perguntando por que toda criança e jovem deve frequentar a escola diariamente nos dias atuais.

A partir da problematização, é possível aos alunos uma melhor articulação sobre sua visão do por que estão na escola. Sentem que estão lá só por serem obrigados, ou reconhecem importância na educação em seu desenvolvimento na sociedade atual?

Em um momento em que estão prestes a ingressar uma nova etapa escolar no Ensino Médio, pretende-se articular melhor o papel imposto à escola atualmente e como o aluno se relacionará a partir disso. Para tal, cabe estudar um pouco da história escolar, formando opiniões a partir de comparações. Como articulava-se a escola no passado, e como a relação deste espaço com o aluno sofreu alterações? A partir desta percepção considerar o que melhorou e o que ainda têm por melhorar, problematizando a estrutura escolar vivida pelos alunos. Será que tem uma finalidade específica?