Importância dos Mares para a civilização Grega Antiga

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

FLH0421 – Ensino de História: Teoria e Prática

Profa. Dra. Antonia Terra de Calazans Fernandes & Judith Mader Elazari

Aluno

Matheus Fernandes, Nº USP: 8031628

Sequência didática   (Importância dos Mares para a civilização Grega Antiga

São Paulo

2015

 

rie

3° ano do ensino médio.

Quantidade de aulas:

4 aulas (50 Minutos).

 

Objetivos:

Através de uma abordagem multidisciplinar e diferenciada, a proposta da presente atividade é realizar um estudo aprofundado sobre a importância cultural, comercial e política dos mares para a civilização grega antiga. Para realização de tal objetivo, procurei organizar uma atividade dotada de assuntos diversos que evoquem a temática de maneira interessante para os alunos. A atividade conta com o emprego de fontes imagéticas, materiais e textuais.

Regime Militar: batalha pela revolução

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia Letras e Ciência Humanas Disciplina: Ensino de História – Teoria e Prática Professora: Antonia Terra Calazans

Aluno: Luis Otávio Vieira nº USP 7618846

Proposta de sequência didática

 

Tema: Regime Militar: batalha pela revolução.

 

Objetivo: Esta sequência didática pretende incentivar a reflexão dos alunos para dois eixos.

 

Um primeiro de que a história não está fechada e inalterada no passado, e outro de que as palavras com as quais se escrevem a narrativa histórica, além de estarem longe da neutralidade, carregam elas mesmas sua própria pluralidade de significados e sentidos. Portanto, História e linguagem são dois elementos dinâmicos e mutáveis, intimamente relacionados entre si, assim como com a sociedade que lhes dá forma e é formada por eles.

 

O recorte utilizado será o Regime Militar no Brasil. Apresentados a materiais como reportagens atuais, documentos de época e filmes acerca do tema, os alunos protagonizarão uma discussão – com mediação do professor - reflexiva acerca destes materiais, e de como algumas palavras, mais em especial os termos revolução e golpe, são empregados neles. Observando que estes conceitos são disputados por grupos antagônicos, tanto no período ditatorial quanto na atual batalha pela significação histórica deste período, intenta-se esclarecer que o uso das palavras nunca é neutro, inclusive, na escrita da História. E, consequentemente, demonstrar a maleabilidade dos conceitos e de como estes se transformam junto com as sociedades que os usam.

 

Dado que o enfoque será direcionado à linguagem, há possibilidades de trabalho conjunto com a disciplina de Língua Portuguesa.

 

Duração: A sequência tem a duração de quatro sessões. Optou-se por essa divisão visando contemplar a plena possibilidade de conclusão das atividades, não emparelhando as mesmas com a duração das aulas, visto que não há homogeneidade de desenvolvimento em diferentes turmas, onde a sequência pode ser aplicada. Assim como a mesma sequência não deve ser encarada dotada de formatação imutável, tendo o professor autonomia para modificá-la ou adaptá-la conforme as necessidades da turma.

A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Sequência Didática: A história de mulheres negras brasileiras na sala de aula, ressignificando nossa história
Disciplina de Ensino de História Profa. Antonia Terra Calazans Fernandes Caroline Passarini Sousa NºUSP: 8030951 São Paulo 2015
Sequência Didática – Ensino de História

 

 

  •  Tema: História das Mulheres Negras

 

  •  Objetivo: Fazer com que os alunos tomem conhecimento da história de uma parcela significativa da população brasileira (as mulheres negras), compreendendo que estas construíram e constroem cotidianamente nossa história, ainda que os livros didáticos e a sociedade, de um modo geral, acabem silenciando suas vozes.

 

  • Justificativa: Procuramos nessa sequência didática dar voz a personagens em muito negligenciados pela história, como é o caso das mulheres negras brasileiras. Pretendemos, portanto, preencher uma lacuna na formação dos estudantes brasileiros, propomos uma “outra história” daquela comumente contada por nossos livros didáticos enfatizando o papel fundamental da mulher negra na construção da história brasileira. Sustentamos também o compromisso com a Lei 11.645/08, que prevê o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana, assim como indígena.