Para ouvir a loucura: o silêncio e a manipulação na Ditadura Militar (1964 – 1985)

Aluno: Rafael Lima Capellari Nº USP: 6837800
Ensino de História: Teoria e Prática Profª Drª Antonia Terra Calazans Fernandes
Sequência didática
Para ouvir a loucura:
o silêncio e a manipulação na Ditadura Militar (1964 – 1985)

 

Sequência Didática


O presente trabalho busca trazer um aspecto pouco explorado sobre a ditadura militar, ainda menos explorado no que diz respeito ao seu caráter pedagógico. A loucura, como conhecimento médico fica, normalmente, fechada à discussão. No programa “Sem censura” de 2009, que debateu a reforma psiquiátrica, por vezes, os argumentos ficavam engessados no termo “é uma doença”. Não me posiciono aqui contra ou a favor da criação de leitos, mas tratar a questão apenas desta forma não basta. A reforma psiquiátrica está diretamente relacionada com a abertura política. Durante a ditadura presos políticos foram encarcerados em Hospícios e a arbitrariedade nas internações revelava a arbitrariedade com que se encontravam os direitos do cidadão.


O papel desta sequência didática é instigar o aluno. Trazer para ele a brutalidade da atuação da ditadura sobre a vida e sobre a sociedade. A questão da superlotação e do descaso dos chamados “depósitos humanos” se tornou tão latente durante a ditadura militar que um movimento de funcionários e da população se mobilizou nos anos 70 para rever e garantir condições humanas para os internados e cabe ressaltar que Basaglia e Foucault já haviam visitados os hospitais psiquiátricos no Brasil e relatados suas posturas negativas quanto às condições destes locais.

Os primeiros contatos dos africanos com os europeus

Sequência didática

Aluno (a): Iamara de Almeida Nepomuceno
Docente responsável: Prof. Dr. Antônia Terra
Disciplina USP: Ensino de História: Teoria e pratica

 

 

A ser realizada nas aulas do 3º ano do ensino médio

Tema: Os primeiros contatos dos africanos com os europeus

Objetivos:

  1. Trabalhar a idéia a resistência africana à colonização
  2. Mostrar a presença da mulher africana e seu papel nas lutas contra os colonizadores, através da figura da rainha Nzinga.
  3. Confrontar imagem do colonizador seguido pelos escravizados

Proposta

  • Apresentar foto de Nzinga sem mostrar as legendas
  1. Perguntar se eles sabem de quem se trata?
  2. O professor pede aos alunos que observem as vestimentas?
  3. O que elas indicam?
  4. Após especulações mostrar legendas.
  5. O professor mostra o mapa e pede que os alunos descrevam o qual assunto ele contém.

Os índios na cidade de São Paulo: passado e presente

Nome: Eva Aparecida dos Santos Disciplina: História Pedagógica de São Paulo Professor: Antonia Terra Calazans Fernandes

 

     Os “índios” já estavam presentes nas terras que hoje chamamos de Brasil quando aqui chegaram os europeus. Durante esses cinco séculos muita coisa mudou na vida desses habitantes nativos, “os índios”, que na verdade não eram até aquele momento “índios”, mas sim várias etnias de povos distintos uns dos outros, que somente a partir da chegada dos europeus passaram a ser denominados assim; daí a primeira mudança. As demais